França 0-0 Portugal | Lusos negam desforra e seguram liderança

Manuel de Almeida / Lusa

O 26º confronto deste domingo entre França e Portugal que decorreu no Stade de France, em Paris, terminou com um nulo.

Foi apenas a segunda vez que o embate entre estas duas equipas nacionais terminou empatado, registando-se, ainda, 18 triunfos dos campeões mundiais e seis dos detentores do ceptro europeu.

A partida foi muito táctica, não obstante isso, houve um predomínio luso nos primeiros 46 minutos e sinal mais para os gauleses, essencialmente até aos 75 minutos.

A partir de então, a equipa das “quinas” voltou a controlar o ritmo e até esteve próxima de marcar já na fase de descontos.

Fernando Santos cumpriu, este domingo, o jogo 75 como seleccionador, o que faz com que passe a ser o treinador com mais jogos ao comando da turma nacional.

 

O jogo explicado em números

  • Da equipa que iniciou o duelo ibérico diante da Espanha, Fernando Santos procedeu a sete alterações. João Cancelo, Rúben Semedo, Rúben Neves, João Moutinho, Renato Sanches, Trincão e André Silva foram substituídos, respectivamente, por Nélson Semedo, Rúben Dias, Danilo Pereira, William Carvalho, Bruno Fernandes, Bernardo Silva e João Félix. O seleccionador voltava a apostar no trio atacante formado por Félix, CR7 e Bernardo, que já tinha testado ante a Suécia

    Do lado gaulês, Didier Deschamps apostou num “onze” muito semelhante ao que actuou na final do Mundial 2018 ante a Croácia, e as únicas alterações foram as saídas de Umtiti e Matuidi e as entradas de Kimpembe e de Rabiot.

  • Com 51% da posse de bola, 94 passes trocados e uma eficácia de 90%, Portugal entrou de forma afirmativa e personalizada num relvado de tão boa memória. Após um cruzamento perigoso de Nélson Semedo aos 11 minutos, no seguinte por muito pouco Bernardo Silva não conseguiu dar a melhor sequência a um passe de Bruno Fernandes.
  • À excepção de um cabeceamento de Pogba aos 17 minutos, o domínio luso era quase completo, muito graças à segurança e concentração do eixo defensivo e a uma circulação do esférico feita de forma criteriosa e com muita variabilidade. Lucas Hernández foi veloz e impediu que Cristiano Ronaldo rematasse já dentro da área contrária (24′), num lance de grande perigo.
  • Depois, Nélson Semedo atirou às malhas laterais da baliza de Lloris e João Félix desviou e falhou o alvo por escassos centímetros (35′). Dos seis remates – dois dos gauleses e quatro dos lusitanos – feitos até aos 35 minutos, apenas um foi enquadrado, mas Rui Patrício agarrou o tiro de Griezmann.
  • Faltou uma maior contundência e mais objectividade junto à baliza da França para que a primeira parte de Portugal pudesse ter uma nota mais elevada. Ao contrário da partida ante a Espanha, os campeões da Europa não perderam tempo e desde os instantes iniciais que assumiram as rédeas do encontro.
  • A pressão não era asfixiante, mas bem feita, condicionando a primeira fase de construção, ora feita por Rabiot, ora por Pogba.
  • Somente ao minuto 44 é que os franceses gizaram o lance de maior perigo, aproveitando uma precipitação de Danilo, mas o remate de Giroud saiu para fora. Por sua vez, Portugal acercou-se por diversas vezes da baliza dos anfitriões, mas faltava uma maior assertividade dos homens de Fernando Santos no momento da finalização.
  • Kimpembe foi o MVP da primeira metade, com um GoalPoint Rating de 6.0, com nenhum passe falhado em 29, 35 acções com a bola, incríveis oito recuperações de bola, duas intercepções e dois alívios.
  • Do lado de Portugal, Bernardo Silva, com um rating de 5.8, era o elemento mais destacado, com quatro passes valiosos ofensivos (feitos de forma eficaz a menos de 25 metros da baliza adversária), 20 passes certos em 22 realizados (91% de eficácia) e 30 acções com o esférico.
  • Aos 47 minutos, uma genialidade de Mbappé, que fintou o novo colega de equipa no PSG, Danilo Pereira, mas Rui Patrício, com uma intervenção segura, deixou o marcador empatado a zero. Os campeões mundiais já tinham mais remates que Portugal – cinco contra quatro – nesta fase. Na resposta, aos 50, Raphaël Guerreiro cruzou para a zona do segundo poste, mas CR7 não conseguiu visar o alvo da melhor maneira.
  • Com a mobilidade de Griezmann – que começou a aparecer mais próximo de Danilo e William para dirigir os ataques da selecção francesa – a causar alguns problemas a Portugal na zona do meio-campo, Fernando Santos decidiu não esperar demasiado tempo e mexeu no “xadrez”, retirando Bernardo Silva aos 61 minutos e lançando Diogo Jota, menos “pensador” e associativo do que o camisola “10”, mas mais voraz no ataque à profundidade.
  • Aos 69 minutos, Rúben Dias fez um enorme corte e travou mais uma investida venenosa de Mbappé e, dois minutos volvidos, Nélson Semedo esteve atento e negou que a bola fosse ter com Griezmann, que estava nas costas do lateral-direito. O lance mais perigoso de Portugal só ocorreu aos 71 minutos: João Félix, depois de um lance de entendimento entre Nélson Semedo e Diogo Jota, rematou mas a bola saiu à figura de Lloris. À quinta tentativa, a selecção nacional conseguiu atirar em direcção ao alvo. Pepe ainda marcou aos 73, mas o defesa-central estava em posição irregular.
  • Com a passagem do tempo e o nulo a perdurar, Fernando Santos começou a refrescar a equipa. Já após a entrada de Renato Sanches para a vaga de Bruno Fernandes, seguiram-se Raphaël Guerreiro, William e João Félix, substituídos por João Cancelo, João Moutinho e Trincão. Já em período de descontos, Renato Sanches arriscou, mas Lloris, atento, agarrou o esférico. Foi a nona tentativa portuguesa.
  • No ataque seguinte, Trincão ligou o “turbo”, tirou tudo e todos do caminho, assistiu Cristiano Ronaldo que, descaído sobre o lado esquerdo, desferiu um míssil que foi travado com uma enorme intervenção de Lloris, na ocasião mais clara que houve na etapa complementar. Pouco depois, o apito final. Com este resultado, franceses e portugueses somam os mesmos sete pontos neste Grupo 3 da Liga das Nações A, deixando o duelo rumo à “final four” em aberto.

 

O melhor em campo GoalPoint

Tal como ocorreu na primeira parte, Kimpembe conseguiu manter a bitola, protagonizou duelos faiscantes com Cristiano Ronaldo e foi o melhor jogador em cena com um GoalPoint Rating de 7.1.

Muito eficaz no capítulo do passe – um falhado em 49 -, fez ainda dois passes progressivos certos, 66 acções com a bola, saiu vencedor nos três duelos aéreos ofensivos em que interveio, registou nove recuperações de posse, oito alívios e duas intercepções.

Jogadores em foco

  • Pavard 6.7 – Muitas vezes abusou na dureza na abordagem aos lances, mas conseguiu destacar-se graças à simplicidade com que soube ultrapassar as dificuldades que lhe foram surgindo. Realce para os três cruzamentos que fez, quatro recuperações, seis desarmes, três intercepções e três alívios. Como dado negativo, consentiu três dribles.
  • Rui Patrício 6.4 – Não teve tanto trabalho como na partida contra Espanha, mas das poucas vezes que foi chamado a intervir, disse presente com três defesas, transmitindo muita segurança aos seus colegas. Com 89 internacionalizações, o guardião entrou no restrito grupo de jogadores com mais jogos pelas cores nacionais.
  • Kanté 6.1 – Uma espécie de seguro de vida. Seguro, prático e uma “formiguinha” de muito trabalho e talento. Fez três passes valiosos, cinco longos correctos em outros tantos tentados e oito recuperações.
  • Raphael Guerreiro 6.1 – Foi responsável por criar uma oportunidade flagrante de golo, nove passes progressivos correctos e foi o jogador em todo o encontro com mais acções com a bola, num total de 111.
  • Pepe 6.0 – No dia em que igualou Nani como o quarto jogador com mais internacionalizações (as mesmas 112), o defesa-central voltou a demonstrar que, apesar dos 37 anos, continua a ser fiável e um elemento indispensável. Falhou apenas um passe dos 51 que fez (98% de eficácia), acertou os seis passes longos que realizou e não perdeu nenhum dos três duelos aéreos defensivos que protagonizou.
  • Cristiano Ronaldo 5.3 – Com total liberdade de movimentos, CR7 tentou por três vezes visar o alvo, sendo que apenas em cima do apito final acertou, obrigando Lloris à defesa mais difícil do encontro. Foi dos mais rematadores, com três disparos, só falhou três de 37 passes, somou três acções com a bola dentro da área gaulesa, e muita pena a ocasião flagrante que desperdiçou.

Resumo

PARTILHAR

RESPONDER

Um tumor e duas fraturas nas vértebras dificultaram a vida deste dinossauro (mas não o mataram)

Quando foi descoberto na década de 1980, na Argentina, este hadrossauro foi diagnosticado com uma fratura no pé. Porém, uma nova análise agora mostra que este tinha um tumor, bem como duas fraturas nas vértebras …

Morreu Otelo Saraiva de Carvalho, capitão de Abril

O capitão de Abril morreu, este domingo, aos 84 anos, no Hospital Militar, confirmou o presidente da Associação 25 de Abril. A notícia foi confirmada ao jornal online Observador pelo presidente da Associação 25 de Abril, …

Pela primeira vez, cientistas viram chimpanzés a matar gorilas

Investigadores testemunharam, pela primeira vez, chimpanzés e gorilas a lutar entre si, confrontos esses que provocaram a morte de alguns deles. De acordo com o site Science Alert, as duas disputas foram observadas no Parque Nacional …

Vírus com 15 mil anos descobertos no gelo do Planalto do Tibete

Cientistas que estudam glaciares encontraram vírus com quase 15 mil anos em duas amostras de gelo retiradas do Planalto do Tibete, na China. Muitos deles, que sobreviveram porque se mantiveram congelados, são diferentes de todos …

Leite sem lactose em laboratório (e com a ajuda de membranas de óxido de grafeno)

As membranas de óxido de grafeno (uma forma oxidada do material) têm sido muito estudadas para a dessalinização da água e separação de corantes, mas as suas propriedades podem não ficar por aqui. Uma equipa de …

Cientistas criam material de "auto-reparação" mais resistente do mundo (e é perfeito para ecrãs de telemóveis)

Investigadores do Instituto Indiano de Educação e Investigação Científica (IISER, na sigla em inglês) podem ter encontrado o material perfeito para fazer os ecrãs de smartphones: transparente, resistente e que a capacidade de se "auto-curar" …

"A bitcoin vai criar a paz mundial"

A rainha das moedas digitais, se não construir a paz no planeta, vai ajudar na pacificação entre os seres humanos. É a opinião de Jack Dorsey. É o centro de atenções de muitos investidores, é o …

"Burrolandia". Parque temático de burros no México está a tentar salvar estes animais

Um parque temático de burros no México serve de santuário a estes animais que estão aos poucos a desaparecer no país. "O burro ajudou o homem por muito tempo. É hora de retribuirmos o favor", …

Uma mão robótica que joga Super Mario Bros na Nintendo? Sim, existe

Uma equipa de investigadores da Universidade de Maryland, nos Estados Unidos, imprimiu em 3D peças para criar uma mão robótica capaz de jogar Super Mario Bros na Nintendo.  A mão robótica é totalmente montada com circuitos …

"Narco Drones" apanhados a entregar drogas numa prisão chilena

Reclusos e cúmplices no exterior estão a usar drones para contrabandear droga para a prisão mais antiga do Chile. As autoridades chilenas descobriram que o esquema de contrabando tinha como objetivo transportar drogas para a Ex …