Ex-funcionário da Netflix condenado a dois anos de prisão por liderar esquema de informação privilegiada

Um antigo engenheiro de software da Netflix foi condenado a dois anos de prisão por ter liderado uma operação criminosa que lucrou mais de três milhões de dólares.

Sung Mo Jun, um antigo engenheiro de software da Netflix, foi condenado a dois anos de prisão por liderar um esquema de informação privilegiada. O amigo Junwoo Chon, que também participou no crime, foi condenado a 14 meses de prisão, sendo que ambos terão de pagar uma multa no valor de 25 mil dólares.

Segundo o Business Insider, o ex-funcionário utilizou dados de subscritores para fazer mais de três milhões de dólares. Em agosto, declarou-se culpado pelo crime de insider trading (quando uma pessoa tira proveito de algum dado ou informação privilegiada de uma empresa).

Um outro engenheiro de software e o irmão de Mo Jun também estiveram envolvidos e declararam-se igualmente culpados, de acordo com uma declaração da Procuradoria dos Estados Unidos no Distrito de Washington.

Sung Mo Jun, que trabalhou na Netflix entre julho de 2016 e fevereiro de 2017, tinha acesso a informações confidenciais sobre o crescimento do número de subscritores da plataforma, por exemplo. O colaborador passava esses dados a dois cúmplices, que compravam e vendiam ações da Netflix, lucrando com o esquema.

Mesmo quando deixou a empresa, Mo Jun continuou à frente do esquema, usando outro engenheiro de software, chamado Ayden Lee, para recolher os dados e, desta forma, continuar a negociar as ações.

O Procurador norte-americano Nick Brown disse que os indivíduos envolvidos foram motivados pela “ganância” e serão obrigados a enfrentar as consequências.

“O Sr. Jun e o Sr. Chon estavam ambos financeiramente seguros com bons empregos e bons salários quando a ganância os levou a infringir a lei para aumentar a sua própria riqueza, à custa de outros”, disse. “Tal conduta, não será tolerada.”

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.