Entender o que as pessoas mais temem pode ajudar a prevenir desastres naturais

Narendra Shrestha / EPA

Entender o que preocupa as pessoas é crucial para enfrentar perigos naturais e para a mitigação dos seus efeitos. Segundo uma análise avançada na quinta-feira, para evitar desastres, a população local, as autoridades municipais e os governos nacionais precisam atuar na mesma direção, especialmente quando os orçamentos são baixos.

Já se passaram mais de quatro anos desde que um terramoto de magnitude 7,8 devastou cidades nepalesas, matando milhares de pessoas. Desde então, houve milhares de réplicas. No entanto, segundo uma análise explicada na Conversation, os residentes de Bharatpur – a quarta maior cidade do Nepal – estavam mais preocupados com ataques de animais selvagens do que com a perspetiva de outro terramoto de alta magnitude.

Segundo o artigo, as pessoas tendem a não se preocupar com coisas que não podem prevenir ou controlar. Entender o que preocupa as pessoas é crucial. Contudo, caso os moradores dos locais em risco de desastre sintam que os seus medos do dia-a-dia são ignorados pelos que estão no poder, estes podem deixar de ser influenciados pelas autoridades nos momentos de crise.

Os moradores de Bharatpur (que tem uma população de 300 mil habitantes) não se preocuparam com terramotos. O fato é que as suas experiências e relacionamentos quotidianos são difíceis e cheios de tensão. Devido a isso, estão mais preocupados com riscos e mudanças imediatas do que com a ameaça indistinta de um perigo natural.

De acordo com o artigo, os moradores dessa cidade estão preocupados sobre o facto de poderem ser atacados por animais selvagens – como tigres e rinocerontes – enquanto coletavam lenha nas florestas. E essa é uma ameaça real: em 2017, houve um ataque mortal de tigres em plena luz do dia.

Os residentes também se preocupam com mudanças nas fronteiras municipais que afetarão o seu acesso aos serviços do governo. Mudanças administrativas na cidade levaram a uma realocação do financiamento de áreas rapidamente urbanizadas para as partes rurais da cidade, que não possuem a infraestrutura básica, como eletricidade e estradas pavimentadas, por exemplo.

Além disso, a autoridade local está a aumentar os impostos em 2019, o que deixa as pessoas com muito pouco dinheiro para pagar por serviços que, anteriormente, eram gratuitos, alimentar as suas famílias e comprar uniformes escolares.

Narendra Shrestha / EPA

Katmandu após o sismo de magnitude 7.8 que atingiu o Nepal

No entanto, lê-se no artigo da Conversation, os políticos e funcionários do governo ignoram os temores dos moradores quanto aos ataques de animais selvagens, realocação de financiamento municipal e a perspetiva de aumento de impostos ao decidir quais riscos devem ser abordados nas suas cidades.

As autoridades locais estão mais focadas na pavimentação de estradas pela cidade – uma melhoria visível que mostra que elas estão a “fazer algo” – ao invés de abordar o contínuo risco urbano.

Perigos naturais, como terramotos, tsunamis e erupções vulcânicas, acontecem com frequência em todo o mundo, apontou o artigo. Mas os desastres só ocorrem quando as pessoas ficam expostas e vulneráveis ​​aos perigos naturais, que devem ser mitigados por meio de construções mais seguras, melhor planeamento e preparação.

Ao ignorar os temores quotidianos dos moradores, os governos correm o risco de perder a sua confiança, o que pode aumentar o risco de desastres à medida que os residentes não consideram as iniciativas governamentais destinadas a mitigar os riscos naturais.

O artigo indicou ainda as autoridades locais estão na linha de frente e são cada vez mais responsáveis ​​por gerir os riscos e os perigos urbanos – desde a precariedade económica, que força jovens nepaleses a trabalhar no exterior, à degradação ambiental, incluindo a falta de tratamento dos esgotos e a rápida urbanização.

Além disso, se as perceções de risco das pessoas locais não estiverem incluídas nas decisões políticas nacionais, isso molda e limita a gestão local dos riscos. Isso faz com que as preocupações das pessoas não sejam abordadas, acabando as mesmas por se desvincularem desse tipo de questões.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Anúncios para crianças vão banir alimentos com mais açúcar, sal e gorduras

A publicidade a alimentos com elevado teor de açucar, sal e gordura como os chocolates, barras energéticas e refrigerantes, está proibida a partir de hoje num raio de 100 metros das escolas e em programas …

Eleições em Moçambique. Dirigente local da oposição e marido abatidos a tiro

Uma dirigente local da Resistência Nacional Moçambicana (Renamo), maior partido da oposição, e o seu marido foram abatidos a tiro por desconhecidos no interior de Moçambique, sendo o mais recente caso conhecido de homicídio de …

Johnson retira lote de pó de talco para bebé (mas insiste que é seguro)

A Johnson & Johnson decidiu mandar retirar um lote de pó de talco para bebé, vendido online nos Estados Unidos, depois de ter contestado várias vezes a existência de vestígios de amianto nos seus produtos. A …

Augusto Inácio abandona comando técnico do Desportivo das Aves

O treinador Augusto Inácio deixou hoje o comando técnico do Desportivo das Aves, informou em comunicado o 18.º e último classificado da I Liga de futebol. "Augusto Inácio já não é treinador do Clube Desportivo das …

"A Google sabe sempre onde são os primeiros surtos de gripe"

Hoje em dia, "há uma tendência para disponibilizar tudo na Internet", o que pode ser perigoso e ter consequências para toda a vida. O alerta é da presidente da Comissão Nacional de Protecção de Dados …

Queda de avião ligeiro causa três mortos no Brasil

Um avião ligeiro caiu hoje na cidade brasileira de Belo Horizonte, capital de Minas Gerais, deixando três mortos e três pessoas feridas, segundo informações do corpo de bombeiros divulgadas pela imprensa local. O acidente aconteceu em …

Austrália pressionada a restituir 5000 milhões de dólares a Timor-Leste

A Austrália deve devolver cinco mil milhões de dólares (4470 mil milhões de euros) a Timor-Leste, defenderam entidades que foram depor num inquérito no Parlamento australiano, responsável por examinar a conduta do país durante as …

Joacine deverá ter tolerância devido a gaguez

Uma fonte parlamentar disse ao Expresso que Joacina Katar Moreira, deputada eleita pelo Livre, deverá ter "flexibilidade" pela mesa da Assembleia da República durante o seu discurso. A entrada de novos partidos para no Parlamento traz …

"Gostaram da geringonça." Manuel Alegre diz que eleitores de esquerda estão "desiludidos"

Em entrevista à Rádio Renascença, Manuel Alegre disse que quem votou à esquerda pode sentir-se desiludido por não haver uma nova geringonça. Manuel Alegre considera que, para existir um novo acordo entre os partidos de esquerda, …

Em Portugal, há 153 idosos para cada 100 jovens

O retrato estatístico da Pordata revela que há em Portugal 153 idosos por cada 100 jovens, o que equivale ao terceiro maior rácio da União Europeia. São 10,2 milhões, mais velhos que novos, num país em …