Entender o que as pessoas mais temem pode ajudar a prevenir desastres naturais

Narendra Shrestha / EPA

Entender o que preocupa as pessoas é crucial para enfrentar perigos naturais e para a mitigação dos seus efeitos. Segundo uma análise avançada na quinta-feira, para evitar desastres, a população local, as autoridades municipais e os governos nacionais precisam atuar na mesma direção, especialmente quando os orçamentos são baixos.

Já se passaram mais de quatro anos desde que um terramoto de magnitude 7,8 devastou cidades nepalesas, matando milhares de pessoas. Desde então, houve milhares de réplicas. No entanto, segundo uma análise explicada na Conversation, os residentes de Bharatpur – a quarta maior cidade do Nepal – estavam mais preocupados com ataques de animais selvagens do que com a perspetiva de outro terramoto de alta magnitude.

Segundo o artigo, as pessoas tendem a não se preocupar com coisas que não podem prevenir ou controlar. Entender o que preocupa as pessoas é crucial. Contudo, caso os moradores dos locais em risco de desastre sintam que os seus medos do dia-a-dia são ignorados pelos que estão no poder, estes podem deixar de ser influenciados pelas autoridades nos momentos de crise.

Os moradores de Bharatpur (que tem uma população de 300 mil habitantes) não se preocuparam com terramotos. O fato é que as suas experiências e relacionamentos quotidianos são difíceis e cheios de tensão. Devido a isso, estão mais preocupados com riscos e mudanças imediatas do que com a ameaça indistinta de um perigo natural.

De acordo com o artigo, os moradores dessa cidade estão preocupados sobre o facto de poderem ser atacados por animais selvagens – como tigres e rinocerontes – enquanto coletavam lenha nas florestas. E essa é uma ameaça real: em 2017, houve um ataque mortal de tigres em plena luz do dia.

Os residentes também se preocupam com mudanças nas fronteiras municipais que afetarão o seu acesso aos serviços do governo. Mudanças administrativas na cidade levaram a uma realocação do financiamento de áreas rapidamente urbanizadas para as partes rurais da cidade, que não possuem a infraestrutura básica, como eletricidade e estradas pavimentadas, por exemplo.

Além disso, a autoridade local está a aumentar os impostos em 2019, o que deixa as pessoas com muito pouco dinheiro para pagar por serviços que, anteriormente, eram gratuitos, alimentar as suas famílias e comprar uniformes escolares.

Narendra Shrestha / EPA

Katmandu após o sismo de magnitude 7.8 que atingiu o Nepal

No entanto, lê-se no artigo da Conversation, os políticos e funcionários do governo ignoram os temores dos moradores quanto aos ataques de animais selvagens, realocação de financiamento municipal e a perspetiva de aumento de impostos ao decidir quais riscos devem ser abordados nas suas cidades.

As autoridades locais estão mais focadas na pavimentação de estradas pela cidade – uma melhoria visível que mostra que elas estão a “fazer algo” – ao invés de abordar o contínuo risco urbano.

Perigos naturais, como terramotos, tsunamis e erupções vulcânicas, acontecem com frequência em todo o mundo, apontou o artigo. Mas os desastres só ocorrem quando as pessoas ficam expostas e vulneráveis ​​aos perigos naturais, que devem ser mitigados por meio de construções mais seguras, melhor planeamento e preparação.

Ao ignorar os temores quotidianos dos moradores, os governos correm o risco de perder a sua confiança, o que pode aumentar o risco de desastres à medida que os residentes não consideram as iniciativas governamentais destinadas a mitigar os riscos naturais.

O artigo indicou ainda as autoridades locais estão na linha de frente e são cada vez mais responsáveis ​​por gerir os riscos e os perigos urbanos – desde a precariedade económica, que força jovens nepaleses a trabalhar no exterior, à degradação ambiental, incluindo a falta de tratamento dos esgotos e a rápida urbanização.

Além disso, se as perceções de risco das pessoas locais não estiverem incluídas nas decisões políticas nacionais, isso molda e limita a gestão local dos riscos. Isso faz com que as preocupações das pessoas não sejam abordadas, acabando as mesmas por se desvincularem desse tipo de questões.

TP, ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Raíssa faz bolachas com o lema "Fora Bolsonaro". Já se tornaram virais

Uma brasileira começou a fazer bolachas com o lema "Fora Bolsonaro" em jeito de brincadeira, mas agora já vende centenas todos os dias. Aquilo que começou como uma simples brincadeira, acabou por tornar-se viral. A ideia …

Zara, 19 anos, quer ser a mulher mais nova de sempre a voar sozinha à volta do mundo

Uma jovem, de 19 anos, pôs mãos à obra para levar a cabo um "gap year" (o chamado ano sabático) com um propósito muito fora do comum: tornar-se a mulher mais nova de sempre a …

Francês diz ter usado método matemático para ganhar o Euromilhões

O francês, que não quis revelar a sua fórmula à imprensa, ganhou, no dia 11 de junho, 30 milhões de euros com a combinação com a qual jogava há um mês. A história foi contada, esta …

Mais de metade da população portuguesa já tem a vacinação completa

Mais de metade da população residente em Portugal (52%) já tem a vacinação completa contra a covid-19, revela o relatório semanal de vacinação divulgado esta terça-feira pela Direção-Geral da Saúde (DGS). Segundo o último relatório semanal …

Campeão olímpico criou problemas no seu país natal

Richard Carapaz, medalha de ouro no ciclismo, foi direto: "O país nunca acreditou em mim". Presidente do Equador, ministro e Comité Olímpico reagiram. Poucos dias depois de ter subido ao pódio final da Volta a França …

Jovens preocupados com fertilidade e efeitos secundários das vacinas contra a covid-19

Com o avanço das campanhas de vacinação, um grande número de pessoas das faixas etárias baixo dos 30 anos mostra-se relutante em tomar a vacina contra a covid-19. Os jovens falam de preocupações com fertilidade …

Dois gestos de Cla(ri)sse que ficam para a memória olímpica

Clarisse Agbégnénou foi campeã olímpica no judo, pela primeira vez - mas a atitude que demonstrou, mal venceu a final, ficará também para os registos. Campeã mundial cinco vezes, mais duas medalhas de prata. Cinco medalhas …

Sindicatos avançam com ações legais para travar despedimento coletivo na TAP

Os sindicatos que representam os trabalhadores da TAP vão avançar com ações legais para travar o despedimento coletivo que a empresa iniciou na segunda-feira, que abrange 124 profissionais. "Até agora houve conversa, a partir de agora …

Ginastas alemãs usam fato integral para combater sexualização da modalidade

Ao contrário do que acontece com os ginastas masculinos, que podem optar por calções ou calças, as mulheres competem, desde o início da modalidade, de bodies que expõem grande parte do seu corpo. Quando, no último …

Tribunal europeu dá razão à SIC e condena Estado por violar liberdade de expressão

Portugal foi condenado pelo Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) por violação da liberdade de expressão num caso em que a SIC foi obrigada a indemnizar um ex-deputado do PS por ofensa à sua …