O elefante mais sagrado do Sri Lanka morreu aos 68 anos — e vai ter um funeral com honras de Estado

Daniel Liabeuf / Wikimedia

Nadungamuwa Raja era o principal elefante usado no concurso anual de Esala Perahera, uma das maiores atrações turísticas do Sri Lanka.

O elefante mais sagrado do Sri Lanka deu o seu último fôlego na segunda-feira. Aos 68 anos, Nadungamuwa Raja morreu, e a sua morte suscitou uma onda de luto nacional e uma ordem presidencial para que o corpo seja preservado para a posterioridade, nota a AFP.

O animal era o mais importante entre os 100 elefantes que são usados no concurso anual de Esala Perahera, que envolve cuspidores de fogo e bateristas e o transporte de um caixão dourado com 34 relíquias budistas às costas, na cidade de Kandy.

O elefante tinha até uma guarda armada de comandantes de elite depois de um incidente em 2015, quando um motociclista quase o atropelou. Um dos seus antepassados, também chamado Raja, carregou o caixão dourado durante 34 anos, entre 1953 e 1986, tendo também sido homenageado nacionalmente após a morte.

Na segunda-feira, um grupo de pessoas a fazer o luto do elefante organizou uma procissão, incluindo crianças, padres em vestes de açafrão e uma senhora idosa com um andarilho, para homenagearem Raja,

O Presidente Gotabaya Rajapaksa decretou que o animal vai ser declarado um “tesouro nacional” e ordenou que os seus restos mortais fossem preservados para o “testemunho das gerações futuras”.

Raja foi entregue aos taxidermistas para a preparação dos rituais fúnebres. A escolha de um sucessor vai ser um processo longo, já que o elefante tem de ser oriundo de uma casta particular com características físicas especiais, já que quando o animal está de pé, as suas quatro pernas, a tromba, o pénis e a cauda tem de tocar o chão.

As costas do elefante têm também de ser lisas e as suas presas devem ter uma forma tradicional. O animal tem de medir cerca de 3.6 metros, tendo sido aberta uma exceção com Raja, que media apenas 3.2 metros, mas era o elefante mais alto no país na altura.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.