DNA Barcoding: o código de barras da vida

DNA Art Online

-

De modo semelhante ao código de barras de um produto no supermercado, a partir do qual é possível identificá-lo e obter informações, uma iniciativa que abrange cientistas de todo o mundo visa padronizar a identificação de espécies utilizando o chamado DNA Barcoding.

DNA Barcoding é um método em que uma espécie de código de barras é criado a partir de um pequeno trecho de DNA, extraído de uma região padronizada do gene.

A ideia de um dos proponentes desta técnica, o cientista Paul Hebert, é tornar o processo de identificação das espécies mais rápido e formar uma base de dados de toda a biodiversidade mundial, disponível para consulta por qualquer pessoa.

“O uso de sequências de DNA na taxonomia não é novo, mas a ideia do barcoding é o sequenciamento do mesmo trecho de DNA.  Até agora cada grupo utilizava uma região diferente do genoma, o que tornava difícil fazer comparações”, conta Mariana Cabral de Oliveira, professora do Departamento de Botânica da Universidade de São Paulo e uma das investigadoras participantes do International Barcode of Life (iBOL).

O consórcio internacional já é uma realidade e mobiliza investigadores de diversos países. A base de dados do projeto reúne, atualmente, quase três milhões de sequências.

A submissão dessas sequências segue um padrão de qualidade e acompanha também outros dados, como descrições morfológicas, fotografias, e o museu ou herbário onde a amostra foi depositada.

Mariana Oliveira explica que toda sequência registada no banco de dados precisa de estar associada a uma amostra física. “Eventualmente, se alguém não concordar com a identificação feita, é possível, por exemplo, solicitar a amostra e reanalisar o material”.

Além da identificação

“A aplicação do DNA Barcoding é muito mais ampla do que simplesmente descrever a biodiversidade”, conta a professora.

Uma das principais aplicações do uso do banco de dados com as sequências genéticas é facilitar a identificação de novas espécies: caso um investigador se encontre diante de uma espécie que não sabe identificar,  pode extrair o seu DNA e compará-lo, na base de dados, com outras sequências.

O cientista fica assim a saber se a espécie já foi identificada por outro investigador e, caso não encontre a sequência correspondente, poderá investigar se a espécie apenas não foi registada ou se está perante uma nova espécie.

Outra aplicação importante do DNA Barcoding é a possibilidade de avaliar se um alimento que está a ser vendido corresponde ao publicitado.

No caso dos peixes, por exemplo, após o corte em postas ou processamento, é difícil identificar de que peixe se trata.

O mesmo acontece com as madeiras: utilizando o Barcoding, pode-se verificar se determinada madeira pertence a uma espécie de árvore cuja extração seja proibida.

Em suma, com o DNA Barcoding, vai ser mais fácil perceber que a lebre é gato.

ZAP / USP

PARTILHAR

RESPONDER

Paços 0-2 Sporting | “Leão” competente estreia-se com triunfo

Após o adiamento do jogo da primeira jornada ante o Gil Vicente, devido a vários casos de Covid-19 nas duas equipas, o Sporting estreou-se na Liga NOS 2020/21 e não vacilou. Na visita ao Paços de …

Medicamentos para a tensão arterial diminuem mortalidade em doentes com covid-19

Um estudo de meta-análise concluiu que medicamentos para a tensão arterial, ao contrário do que se pensava, reduzem a mortalidade em pacientes com covid-19. No início da pandemia, havia a preocupação de que certos medicamentos para …

A ilha mais povoada do Hawai pode perder 40% das suas praias até 2050

A subida do nível das águas do mar pode fazer com que a ilha mais povoada do Havai perca 40% das suas praias, alerta uma nova investigação. Em causa está a ilha de Oahu, a …

Pela primeira vez em 10 anos, a Wikipédia vai mudar de aparência

A icónica Wikipédia vai, pela primeira vez em 10 anos, ser modificada para tornar o site mais acessível - e menos "assustador" - para novos utilizadores. A Wikipédia tem sido parte integrante da cultura da web …

Encontrados medicamentos ilegais em suplementos para o cérebro

Cientistas encontraram medicamentos ilegais, não aprovados nos Estados Unidos, em suplementos que alegadamente melhoram o desempenho cognitivo. Clareza mental, criatividade aprimorada e uma memória extremamente nítida são algumas das promessas feitas a quem compra suplementos de …

Voluntários oferecem-se para cumprir pena de jovem acusado de blasfémia

Num ato de solidariedade, 120 voluntários pediram para cumprir a pena de um jovem nigeriano condenado a 12 anos de prisão por blasfémia. Entre os voluntários está o diretor do Memorial de Auschwitz. Ao todo, 120 …

ADN ajuda a identificar assassino em série num dos mais infames casos da Austrália

Uma amostra de ADN ajudou a justiça australiana a considerar um homem como culpado pelo assassinato de duas mulheres na década de 1990, encerrando um caso que permaneceu sem solução durante quase 25 anos. Durante quase …

Mais 665 casos e nove mortes por covid-19 em Portugal

Portugal regista, este domingo, mais 665 novos casos positivos e nove mortes por covid-19, segundo boletim epidemiológico da Direção-Geral da Saúde (DGS). Assim, desde o início da pandemia, Portugal conta com 73.604 infetados e 1.953 …

De guerreiros a anciões. Grupo étnico no Quénia faz cerimónia única de "transformação"

Milhares de homens Maasai vestidos com xales vermelhos e roxos e com as suas cabeças revestidas de ocre vermelho reuniram-se esta semana para uma cerimónia que os transforma de Moran (guerreiros) em Mzee (anciãos). De acordo …

Há 60 anos, Richard Nixon tricou uma sanduíche (e este homem guardou-a desde então)

Há 60 anos, o então vice-Presidente dos Estados Unidos, Richard Nixon, trincou uma sanduíche - e Steve Jenne, um homem que vive em Illinois, guardou-a os restos desde então. De acordo com o The New York …