Coletes amarelos iniciam hoje bloqueio de Paris durante três dias

Etienne Laurent / EPA

Os “coletes amarelos” iniciam hoje aquilo a que chamaram “o ato decisivo”: vão bloquear a capital francesa até domingo, através de manifestações e da ocupação das principais ruas da cidade.

Antes de terminar, a 15 de março, o Grande Debate Nacional, uma série de debates em todo o país promovidos pelo Presidente francês, Emmanuel Macron, para responder às exigências dos “coletes amarelos”, o movimento quer enviar uma mensagem direta ao Governo e bloquear durante três dias a Cidade das Luzes.

A ideia foi, mais uma vez, lançada nas redes sociais pelo grupo “France en Colère” gerido por Éric Drouet — figura do movimento que ficou conhecida por incitar os restantes manifestantes a invadir o Palácio do Eliseu, residência oficial do Presidente francês.

O grupo apelou aos “coletes amarelos” de todo o país para se deslocarem a Paris e ocuparem espaços públicos com acampamentos e manifestações, bloqueando as ruas da cidade, de hoje até domingo.

Na página do grupo no Facebook, garante-se igualmente que há uma organização paralela para alojamentos, partilha de boleias e serviços de saúde, e o apelo para o bloqueio é também feito noutras cidades como Bordéus.

As já tradicionais manifestações de sábado dos coletes amarelos têm vindo a perder fôlego, com menos de 40.000 manifestantes em toda a França no fim de semana passado — o número mais baixo até agora.

Os protestos começaram a 17 de novembro de 2018, com uma manifestação contra o anúncio do aumento do preço dos combustíveis, que juntou cerca de 282 mil manifestantes.

A subida do preço dos combustíveis não chegou a ser aprovada, em virtude da contestação, mas o motivo dos protestos, que se têm repetido todos os sábados desde então, foi, entretanto, alargado a toda a política fiscal e social de Emmanuel Macron.

Nas manifestações, morreram mais de 20 pessoas, 1.800 ficaram feridas e, de acordo com dados do Ministério do Interior francês, mais de 8.000 foram detidas. Uma sondagem divulgada no mês passado num jornal francês indicava que a maioria dos franceses (52%) defende o fim dos protestos nas ruas dos “coletes amarelos”.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Portugal produz menos lixo do que a média da OCDE (mas é o 3.º que menos recicla)

Portugal produz menos lixo do que a média da OCDE, mas é o 3.º que menos recicla, revelaram dados recentes da organização internacional. Em 2017, cada português produzir quase 500 quilogramas de lixo, valor inferior …

Novas demissões na Agência de Informações Financeiras do Vaticano

Um membro da entidade de regulação financeira do Estado do Vaticano, Marc Odendall, demitiu-se na sequência de buscas realizadas pela polícia e que originaram na suspensão do organismo do sistema de comunicações global. Marc Odendall, banqueiro …

Governo e Liga de clubes discutem redução do IVA para espetáculos desportivos

Secretário de Estado do Desporto afirma querer ouvir as reivindicações do organismo, mas sem se comprometer. O secretário de Estado da Juventude e do Desporto anunciou ontem que vai reunir-se com representantes da Liga Portuguesa de …

Tufão obriga a retirada de cerca de cinco mil pessoas do norte das Filipinas

Cerca de cinco mil pessoas foram retiradas do norte das Filipinas devido à aproximação do tufão Kalamaegi, que deverá tocar terra na província de Cagayan nas próximas horas, disseram esta terça-feira as autoridades locais. "Estamos preparados …

Acabaram-se as trotinetas no Algarve. Duraram 10 meses

A vereadora considera, no entanto, que a experiência foi “positiva”, já que permitiu recolher dados de mobilidade, nomeadamente, da utilização destas soluções em pequenos trajetos, ao mesmo tempo que colocou a questão na agenda pública. Sophie …

EasyJet diz que será a primeira a alcançar a neutralidade carbónica na aviação

A companhia aérea britânica easyJet afirmou esta terça-feira que será a primeira no mundo a alcançar a neutralidade carbónica através das compensações. Num comunicado publicado no seu site oficial, a companhia low cost anuncia ainda um …

Número de pré-avisos de greve até outubro é o mais alto dos últimos quatro anos

O número de pré-avisos de greve até outubro foi o mais alto dos últimos quatro anos, totalizando 781, segundo dados da Direção Geral do Emprego e das Relações do Trabalho (DGERT). Entre janeiro e outubro deste …

Na Índia, já há "bares de oxigénio" para quem quiser respirar ar puro

A Índia é um dos países mais contaminado do mundo. Desde o final de outubro, a poluição alcançou um nível crítico devido à queimada de restolhos nos campos. Agora, há uma solução arrojada para que os …

Depois do Papão Harrison, o novo exame foi "duro" (e muitos jovens médicos já pensam em emigrar)

Foram quatro horas de exame, com 150 perguntas, na temida Prova Nacional de Acesso para a Formação Especializada em Medicina e muitos dos jovens médicos não conseguiram concluí-la. Os que temem não conseguir aceder à …

Situação trágica. "Veneza está a desaparecer"

A situação em Veneza é trágica, com 85% da cidade italiana inundada depois das piores cheias dos últimos anos. Mas estas inundações são apenas um alerta para o que pode vir a seguir, já que …