/

A Cidade do México está a afundar a um ritmo incontrolável

2

Um novo estudo mostra que a Cidade do México, a metrópole mais populosa da América do Norte, afundou tanto que será impossível salvá-la.

Depois de séculos de drenagem dos aquíferos subterrâneos, o leito do lago no qual fica a Cidade do México está a ficar cada vez mais seco, fazendo com que as camadas de argila se comprimam e se quebrem a uma velocidade praticamente impossível de a impedir, conta o site Science Alert.

Apesar de pôr um ponto final na perfuração de águas subterrâneas nos anos 50, 115 anos de dados de nivelamento e 24 anos de dados GPS descobriram que a cidade continua a cair aproximadamente à mesma velocidade.

Na área nordeste – uma zona que ainda não se encontra urbanizada –, os investigadores descobriram que o terreno está a deprimir a uma taxa de até 50 centímetros por ano.

“Mesmo que os níveis de água aumentem, não há esperança de recuperar a grande maioria da elevação perdida e da capacidade de armazenamento perdida do aquífero”, escreveram os cientistas no estudo publicado, a 30 de março, na revista científica JGR Solid Earth.

Os investigadores estimam que as placas de argila sob a Cidade do México podem comprimir-se em 30% e, embora isso não vá acontecer nos próximos 150 anos ou mais, pouco se pode fazer para o impedir.

Atualmente, as placas de argila superiores já estão 17% compactadas e os autores do estudo afirmam que estas mudanças são “quase totalmente irreversíveis”.

É claro que nem todas as partes da cidade estão a afundar na mesma proporção. Algumas já se afundaram abaixo do leito original do lago, enquanto outras permanecem num terreno um pouco mais alto.

E embora essa falta de uniformidade até possa parecer uma boa notícia, a verdade é que acaba por levar a um maior risco de fraturas superficiais, o que pode danificar as infraestruturas e contaminar o abastecimento de água.

As chuvas e a água da nascente a escorrer pelas montanhas à volta da Cidade do México deixaram-na especialmente sujeita a inundações. À medida que a argila por baixo de si afunda e racha, os cientistas temem que este forte fluxo descendente de água acabe por se infiltrar nas águas subterrâneas, introduzindo poluentes.

Atualmente, 70% da água potável da cidade vem de poços de extração de água subterrânea, que continuam a esgotar os aquíferos da região. Se também essa água for contaminada, acabará por levar a “uma crise de poluição da água”, dizem os autores do estudo.

  ZAP //

2 Comments

  1. O problema está no número de habitantes a viver nesse local, em vez de se repartir a população pelos países, acumulam milhões de pessoas encaixadas em cidades mais parecendo frangos de aviário, os resultados vão estando à vista!

  2. Eu li no jornal EL UNIVERSAL, penso que no ano 1980 um alerta dos cientistas, a dizer o mesmo eles pediam que alguém do poder fizesse algo, pois diziam os cientistas que se ocorresse um sismo na cidade do México, iriam-se perder muitas vidas, infelizmente aconteceu em 1985, alguém do poder fez alguma coisa? não! nem então, nem agora, isto é o que temos, voltasse a falar como algo novo, não é novo! e a morte certa para mais gente continua a crescer! e eles querem lá saber, imaginem um assunto que até eu sei há tantos anos, são uns incompetentes.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE