A Universidade de Verão do PSD está de volta (com Cristas, Assis e Marques Mendes)

PSD / Flickr

O antigo euro-deputado Carlos Coelho na Sessão de abertura da Universidade de Verão 2019 do PSD

A antiga líder centrista Assunção Cristas, o antigo presidente social-democrata Marques Mendes, e o socialista Francisco Assis são alguns dos oradores da 18.ª Universidade de Verão do PSD, que regressa após dois anos de interrupção devido à pandemia.

Em declarações à agência Lusa, o diretor da Universidade de Verão, Carlos Coelho, antecipou o programa da edição deste ano, que vai decorrer entre 29 de agosto e 04 de setembro, em Castelo de Vide.

A iniciativa, com quase 20 anos de história, será encerrada, como é tradição, pelo presidente do PSD, na estreia de Luís Montenegro como líder do partido.

“É uma semana intensiva, com aulas, com jantares-conferência com personalidades do PSD, mas também com personalidades independentes e de outros partidos, neste caso do PS e do CDS, que ajudam a preparar uma nova geração que nós queremos mais qualificada para fazer uma ação política e cívica mais informada”, detalhou Carlos Coelho,

A sessão de abertura formal contará com as intervenções, entre outros, do secretário-geral do PSD, Hugo Soares, e do chefe da delegação do PSD no Parlamento Europeu, José Manuel Fernandes.

Entre os convidados desta edição, que retoma depois de dois anos de interrupção devido à pandemia de covid-19, o social-democrata destacou as “cinco personalidades respeitadas que vão abrilhantar os jantares-conferência”, a começar pela antiga líder do CDS-PP Assunção Cristas.

“Depois, o segundo jantar conferência com uma figura do PSD que já foi líder do partido e um comentador de excelência, Luís Marques Mendes, que dispensa apresentações, e temos um jantar-conferência com Francisco Assis, atualmente o presidente do Conselho Económico e Social e uma figura de referência do Partido Socialista”, acrescentou.

No dia 2 de setembro será o presidente da Câmara de Lisboa, Carlos Moedas, a falar aos alunos neste jantar e no sábado é a presidente da Fundação Champalimaud, Leonor Beleza, que fecha o elenco dos oradores para este espaço de debate.

Para domingo, dia 4, está previsto o encerramento, que, para além do aguardado discurso de Luís Montenegro, contará com as intervenções precisamente de Carlos Coelho e do presidente da JSD, Alexandre Poço.

Como ‘professores’ ao longo desta semana estarão em Castelo de Vide nomes como o eurodeputado do PSD Paulo Rangel, o ex-ministro Miguel Poiares Maduro, as vice-presidentes do PSD Margarida Balseiro Lopes.

Também Inês Palma Ramalho, o ex-secretário de Estado José Eduardo Martins, a antiga secretária de Estado, Mónica Ferro, o economista Luís Filipe Reis, a professora universitária Raquel Vaz Pinto e o comentador Sebastião Bugalho irão dar as suas “aulas” na Universidade de Verão do PSD.

Durante essa semana, 100 jovens  terão “uma formação interdisciplinar”, com aulas sobre economia, ciência política, saúde, comunicação ou relações internacionais, esta última com especial atenção este ano “à Rússia e à China porque são os dois maiores problemas que o mundo encara”, explicou Carlos Coelho, que destacou ainda o maior número de workshops na edição deste ano.

Sobre a escolha dos oradores, o responsável referiu que, tratando-se de um espaço de formação, é “importante ter opiniões diferentes porque é na diversidade de opiniões que se pode preparar melhor a capacidade de crítica, inteligência e participação responsável dos jovens que estão a ser formados”.

“São sempre escolhas em função deste perfil, da capacidade de falar, dos temas que escolhemos e da respeitabilidade das pessoas. Nunca fizemos convites de que nos tivéssemos que envergonhar”, garantiu.

Segundo o diretor da Universidade de Verão, este ano receberam um elevado número de candidaturas, quase três centenas, e por isso fizeram “uma seleção por força do tipo de candidaturas e das motivações”, devendo o grupo final ser o “mais jovem desde sempre porque há muitos candidatos na ordem dos 20 anos”.

“Isso deixa-nos com muita esperança relativamente ao futuro porque numa altura em que há a sensação de que grande parte da juventude está mais alheada da política de intervenção cívica, ver tantos jovens a querer participar é um bom sinal”, defendeu o antigo euro-deputado pelo PSD.

  ZAP // Lusa

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.