Encontrados 28 buracos negros supermassivos escondidos à vista de todos. Estavam dentro do seu casulo

Mais de duas dúzias de buracos negros desaparecidos foram reencontrados depois de os investigadores terem analisado melhor mapas de raios-X do céu.

Todos os 28 objetos celestes reencontrados, que são buracos negros supermassivos com milhares de milhões de vezes a massa do nosso Sol, estão a passar por um estágio de desenvolvimento em que se envolvem numa bolha escura de poeira e outros materiais.

Estes casulos obscurecem os brilhantes raios-X emitidos pelo material quente que gira em torno dos seus horizontes de eventos, o ponto de não retorno para a matéria infalível, fazendo-os parecer mais obscuros do que realmente são.

Modelos de formação de buracos negros sugerem que deve haver muitos buracos negros destes no céu, mas até agora, os cientistas não tinham visto tantos como o esperado. Esta nova investigação, baseada em observações de um pedaço do céu do sul, sugere que muitos deles estavam escondidos à vista de todos.

Para identificar os buracos negros disfarçados, os investigadores compararam imagens de raios-X do Chandra Deep Field-South (CDF-S), uma imagem de raios-X ultradetalhada de um pedaço do céu do sul, com observações óticas e infravermelhas do mesmo pedaço de céu. 67 desses buracos negros supermassivos encobertos já tinham sido encontrados.

No entanto, os cientistas descobriram 28 objetos que pareciam fracos na imagem de raios-X, mas brilhantes nos comprimentos de onda infravermelha e ótica. Eram buracos negros nos centros ativos de galáxias que estavam tão bem escondidos pelos seus casulos que, para o telescópio de raios-X Chandra, pareciam buracos negros supermassivos mais escuros, mais antigos ou galáxias mais distantes.

“Gostamos de dizer que encontrámos estes buracos negros gigantes, mas estavam lá o tempo todo”, disse Erini Lambrides, astrónoma da Johns Hopkins que liderou o estudo, em comunicado do Observatório de Raios-X Chandra.

O desenvolvimento de buracos negros supermassivos é complexo e os astrofísicos ainda não o entendem bem. Os objetos são tão grandes que é difícil explicar como adquiriram toda a sua massa, mesmo com milhares de milhões de anos para devorar matéria. Estes novos dados podem melhorar os modelos teóricos sobre como estes gigantes se formam, revelando que os buracos negros passam mais tempo no casulo do que se pensava.

Além disso, as observações de raios-X do céu revelam muitos objetos distintos, mas há um brilho difuso fora da faixa de energia dos raios-X que o Chandra consegue detetar facilmente. Muitos investigadores suspeitam que buracos negros invisíveis estejam envolvidos nesse brilho produção. Uma população maior do que o esperado de buracos negros em casulos poderia ajudar a explicar partes menos compreendidas desses raios-X.

Este estudo está disponível desde maio na plataforma de pré-publicação ArXiv e vai ser publicado no The Astrophysical Journal.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Santana Lopes candidata-se como independente à Câmara da Figueira da Foz

O antigo primeiro-ministro e ex-presidente da Câmara de Lisboa, Pedro Santana Lopes, que na sexta-feira mudou a residência para a Figueira da Foz, apresentou-se este domingo como candidato a esta Câmara do distrito de Coimbra, …

Pessoas a partir dos 60 anos já podem autoagendar vacinação contra covid-19

Pessoas a partir dos 60 anos já podem fazer o agendamento para a vacinação contra a covid-19, que até agora estava reservado a maiores de 65 anos, disse à Lusa a task force da vacinação. A …

Saturno tem um campo magnético único (e podemos finalmente saber porquê)

Uma nova análise dos dados da sonda Cassini mostrou o que pode estar a acontecer dentro de Saturno para que este planeta tenha um campo magnético tão estranho. De acordo com o site Science Alert, os …

Astrónomos detetam "oceano" invisível de matéria escura a girar fora da Via Láctea

Um misterioso rastro de estrelas, agitado por uma galáxia que deve colidir com a Via Láctea, pode estar prestes a desvendar os mistérios da matéria escura. Uma equipa de cientistas da Universidade do Arizona, nos Estados …

A linguagem de Benoit está a morrer. O senegalês quer salvá-la através da música

O senegalês Benoit Fader Keita está a usar o poder da música para salvar a sua linguagem, ménik, que tem apenas 3 mil falantes e está em risco de extinção. Benoit Fader Keita nasceu no Senegal …

Doença cerebral misteriosa intriga médicos no Canadá

 A doença misteriosa foi identificada, pela primeira vez, em 2015, num doente considerado um "caso isolado e atípico". Há quase dois anos, Roger Ellis desmaiou depois de ter tido uma convulsão durante o 40.º aniversário de …

Estudo sugere que há quatro tipos de Alzheimer

Uma equipa de investigadores sugere que há quatro tipos da doença de Alzheimer, que atacam diferentes zonas do cérebro e têm sintomas distintos. Um novo estudo sugere que o Alzheimer é uma doença bem mais complexa …

Jovens tentam salvar vidas na Índia através do Youtube. Plataforma elimina vídeos por serem "perigosos"

A Índia continua a debater-se com a grave crise sanitária desencadeada pela covid-19. Jovens indianos publicaram no Youtube vídeos a produzir oxigénio em casa, usando processos químicos ensinados nas escolas. A plataforma eliminou-os. De acordo com …

Shuvuuia era um dinossauro do tamanho de uma galinha, que caçava às escuras

Os investigadores descobriram que Shuvuuia, um pequeno dinossauro do tamanho de uma galinha, tinha uma excelente audição e visão noturna, que lhe permitiam caçar de noite. São poucas as aves que têm aquilo que é preciso …

Na China, é ilegal pedir comida em excesso nos restaurantes

A China aprovou uma lei anti-desperdício de alimentos que proíbe clientes de restaurantes de pedirem mais do que precisam, uma legislação abrangente pode prejudicar a experiência de comer fora de casa. A lei, que entrou em …