Grávida medieval deu à luz no túmulo (depois de uma “neurocirurgia”)

A. Pasini et al. / World Neurosurgery

A tétrica sepultura encontrada pelos arqueólogos em 2010

Uma grávida da Idade Média, que foi sujeita a uma cirurgia craniana em Itália, deu à luz depois de ter morrido, de acordo com uma equipa de cientistas que examinou os antigos restos mortais.

Cientistas da Universidade de Ferrara e Bolonha, em Itália, analisaram o esqueleto de uma mulher, descoberto em 2010 na pequena cidade de Imola, Bolonha, que teria sujeita a uma cirurgia craniana e dado à luz após a morte. Crê-se que os restos mortais sejam do período entre 600 e 700 D.C.

O caso, cujos detalhes foram publicados o mês passado na revista World Neurosurgery, foi identificado pelos arqueólogos como sendo um nascimento no caixão — fenómeno que ocorre quando o embrião de uma grávida falecida é expulso do corpo da mãe no túmulo.

Conhecido como extrusão fetal após a morte, o nascimento ocorre na sequência do aumento da pressão de gás dentro de um corpo em decomposição.

A mulher foi encontrada com o embrião entre as pernas. Devido à posição dos ossos, os cientistas concluíram que se tratava de um caso de nascimento no caixão. A cabeça do embrião e a parte superior do corpo foram encontradas fora da cavidade pélvica da mulher, enquanto as pernas do bebé ficaram dentro.

De acordo com os cientistas, há uma grande probabilidade de se tratar de um nascimento parcial de uma gravidez de 38 semanas – a pouco menos de duas semanas de ter permitido o desenvolvimento completo do feto.

A. Pasini et al. / World Neurosurgery

Pequenos ossos encontrados abaixo da pelvis da mãe indiciam a extrusão fetal após a morte

A mulher tinha também um buraco de 5mm no crânio, o que parece indicar que teria sido sujeita a uma trepanação, procedimento cirúrgico de abertura do crânio por perfuração ou raspagem das camadas ósseas.

A ideia de que uma grávida medieval de 38 semanas pudesse ter sido sujeita a uma forma primitiva de cirurgia é aparentemente bizarra, mas poderá na realidade ter havido uma razão médica para a realização da intervenção.

A trepanação era usada para tratar a pré-eclampsia, ou pressão arterial elevada ligada à gravidez, pelo que os cientistas supõem que terá sido o caso da gestante. A mulher terá sobrevivido apenas uma semana após a operação, e sepultada ainda grávida, dando à luz durante a decomposição do corpo.

O caso aparentemente invulgar é na realidade mais comum o que se poderia pensar, havendo vários casos documentados na literatura científica. O ano passado, um caso semelhante foi registado num cemitério próximo de Génova, também em Itália.

PARTILHAR

6 COMENTÁRIOS

RESPONDER

Depois do "selo Brexit", os correios da Áustria emitem o "selo corona" impresso em papel higiénico

O serviço postal da Áustria uniu dois pontos da pandemia do novo coronavírus ao criar um selo impresso em papel higiénico que, segundo os correios, as pessoas também podem, a qualquer momento, usar para ajudar …

A Moog celebra os 100 anos do Theremin com um novo instrumento: o Claravox Centennial

Este ano marca o 100º aniversário do Theremin - um dos primeiros instrumentos musicais completamente eletrónicos, controlado sem qualquer contacto físico pelo músico. Para celebrar vai ser lançado o Claravox Centennial. Foi em 1920 que Leon Theremin, …

Depósito inexplorado na Sibéria tem uma das maiores reservas de ouro do mundo

O maior produtor de ouro da Rússia, PJSC Polyus, anunciou esta semana que o seu depósito inexplorado em Sukhoi Log, na região siberiana de Irkutsk, possui uma das maiores reservas mundiais deste metal preciosos. De …

Os novos iPhones não trazem carregador. Apple poupa muito nos custos, mas não no ambiente

A Apple decidiu vender os seus novos iPhones sem carregador ou auscultadores, alegando que a alteração tem em conta o ambiente, uma vez que serão utilizados menos produtos na embalagem dos telemóveis, mas os especialistas …

Caça ao tesouro secular. Lendária ilha pode esconder Santo Graal, manuscritos de Shakespeare e jóias reais

Perto da Nova Escócia, no Canadá, há uma lendária ilha com misteriosos túneis e estranho artefactos. Há quem acredite que esconde o Santo Graal, os manuscritos de Shakespeare e um tesouro de um capitão. Porém, …

Aprender "baleiês" pode evitar choque de navios com o animal

Uma equipa de cientistas da Universidade de Stanford, nos Estados Unidos, tem uma nova ideia para salvar as baleias-azuis em migração das colisões com navios. Durante a época de migração das baleias-azuis, os animais enfrentam sérios …

Afinal, os carros elétricos não são a melhor resposta para combater as alterações climáticas

Os carros elétricos, surgem como alternativas mais sustentáveis aos veículos a gasolina ou gasóleo, podem não ser a melhor forma de combater as alterações climáticas no âmbito dos transportes, de acordo com um novo estudo. …

Seria Jesus um mágico? Há arte romana que parece sugerir que sim

Em alguma arte antiga, Jesus é retratado a fazer milagres com algo na mão que parece ser uma varinha. Investigadores sugerem que se trata de um cajado, que era usado como símbolo de poder. Segundo a …

Nem todos os clubes estão a afundar – alguns estão a prosperar durante a pandemia

Nem todos os clubes estão a sofrer às mãos desta pandemia de covid-19. Alguns deles têm conseguido bons resultados financeiros apesar da crise. A covid-19 provou ser um adversário devastador para o desporto profissional em todo …

Kibus: o aparelho que vai revolucionar a forma como os nossos cães se alimentam

Ter cães como melhores amigos pode ser muito benéfico, mas também traz a sua dose de trabalho e responsabilidades. Levar ao veterinário, dar banho, levar a passear, brincar, dar de comer... No fundo é como …