150 ou 2 mil – porque os números do massacre na Nigéria são tão díspares?

Segundo um político local, duas mil pessoas morreram. Segundo o governo, 150. Ambos os números chocam, mas a disparidade que chegou à imprensa revela a dificuldade de acompanhar a sangrenta campanha do Boko Haram na Nigéria. Leia o relato de Will Ross, correspondente da BBC em Lagos.

Não é fácil descobrir a verdade na Nigéria.

Os assassinatos em Baga, na semana passada, são um exemplo claro, com políticos e autoridades a apresentar informações diferentes – os relatos contam de 150 mortos a dois mil.

É comum que notícias de ataques de militantes islâmicos do Boko Haram surjam com informações vagas, como esta do dia 3 de janeiro: “Ataque em Baga. Grande tiroteio ouvido”.

Esta primeira informação, geralmente, aparece nas redes sociais. O desafio, a partir daí, é descobrir os pormenores, e há muitos obstáculos no caminho para se chegar à verdade.

Em primeiro lugar, não há rede móvel em Baga, já que os jihadistas atacaram as antenas de telecomunicações no nordeste do país há alguns meses.

Há, obviamente, autoridades cujo trabalho é dizer ao mundo o que está a acontecer. Mas, nos primeiros dias da crise de Baga, porta-vozes do Exército e do governo ficaram em silêncio ou não atenderam a telefonemas.

Ainda assim, com a ajuda do serviço nigeriano da BBC, foi possível encontrar testemunhas da violência.

Em fuga

A 4 de janeiro, conversamos com um homem que tinha andado durante dois dias pela mata, até que conseguiu boleia num camião para a relativa segurança da maior cidade da região, Maiduguri.

“Havia tiros por toda parte na sede da concentração multinacional”, diz ele, acrescentando que a troca de tiros durou horas.

Há depoimentos de outras testemunhas que dizem que a base militar tinha sido dominada e que, logo depois, os atiradores começaram a matar civis na cidade de Baga.

Cada testemunha está a fugir pela própria vida, e seria perigoso caminhar pela cidade para verificar o que está a acontecer.

Um político local descreve que mais pessoas foram atingidas em Baga e outras morreram enquanto fugiam, com barcos naufragando no Lago Chade.

“Não sei quantas pessoas morreram”, afirmava o senador Maina Maaji Lawan, que representa Borno Norte. “Mas, pelo menos, 70% da área que eu represento está nas mãos do Boko Haram”.

Quatro dias após o ataque, governo e Exército ainda estavam calados.

Totalmente falso

Alguns jornalistas conseguiram finalmente reunir-se com o chefe do gabinete da Defesa, o Marechal da força aérea Alex Badeh. Não é uma conferência de imprensa organizada, mas uma conversa rápida num estacionamento.

O responsável é questionado sobre o ataque à base militar em Baga. “É claro que houve um ataque”, ele reponde. “Mas não se preocupem, estamos a trabalhar”.

Baga será retomada? “Por que não?” é a resposta curta. Segundos depois, Badeh corre para seu carro e retira-se do local.

É uma maneira não muito comum de se confirmar oficialmente a captura de Baga, embora seja importante salientar que este é o mesmo oficial militar de alto escalão que afirmou, há alguns meses, que um acordo de cessar-fogo tinha sido alcançado com o Boko Haram – o que acabou por se mostrar completamente falso.

Mais testemunhas a fugir de Baga contam à BBC que há centenas de corpos nas ruas. Outro político local diz que 2 mil estão mortos. Mas não há ninguém para contá-los – é difícil de verificar a informação.

Foco nas eleições

Enquanto isso, em Paris, surgem notícias de, pelo menos, 12 pessoas mortas a tiros por homens armados. Em poucos minutos, o presidente François Hollande já está em contacto com a imprensa mundial para oferecer alguma clareza e mostrar liderança.

Passados dez dias desde os primeiros ataques em Baga e diversos outros ataques suicidas, nenhuma palavra tinha sido dita pelo presidente nigeriano, Goodluck Jonathan – com a exceção de uma declaração a condenar os ataques de Paris.

O ministro das Finanças também aparece para comentar sobre acontecimentos distantes que mataram muito menos pessoas.

“Um incidente terrível. As nossas mais profundas condolências para os jornalistas e suas famílias. Nós somos um só com a França em luto”, diz Ngozi Okonjo-Iweala no Twitter com a hashtag #JeSuisCharlie – “Somos todos Charlie”.

Enquanto isso, as estações locais de TV acompanham cada passo da campanha eleitoral presidencial – em alguns casos, trata-se de longos programas patrocinados por partidos políticos rivais.

A imprensa parece estar muito mais focada nas eleições, e este parece ser o foco dos políticos também.

Na segunda-feira à noite, o governo divulgou um comunicado a afirmar que “o número de pessoas que perderam suas vidas durante o ataque a Baga até agora não superou cerca de 150“.

Talvez nunca saberemos quantos ao certo morreram. Sabemos que nunca haverá uma investigação que irá revelar a verdade. Não será a primeira vez que não teremos certeza se 150, 300, 500 ou até duas mil pessoas foram mortas em um massacre na Nigéria.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Um medicamento comum utilizado para tratar a diarreia pode ajudar a combater células cancerígenas agressivas

Um fármaco comum prescrito para tratar a diarreia pode ajudar a combater um tipo agressivo de cancro cerebral (glioblastoma), sugere uma nova investigação levada a cabo pela Universidade de Frankfurt, na Alemanha. Em causa está …

"Bola de fogo" cruzou o céu sobre o Mediterrâneo a 105 mil quilómetros por hora

Uma "bola de fogo" atravessou o mar Mediterrâneo e o norte de Marrocos na noite de quarta-feira, a 105.000 quilómetros por hora. A bola de fogo foi observada por um projeto científico espanhol a uma velocidade …

Duterte rejeita que a filha o vá suceder na liderança das Filipinas. "Isto não é para mulheres"

O líder das Filipinas, Rodrigo Duterte, descartou, na quarta-feira, a hipótese de a filha o vir a suceder no próximo ano, acrescentando que a presidência não é tarefa para uma mulher por causa das …

"Uma memória a flutuar no oceano." Encontrada, dois anos depois, uma mensagem numa garrafa

Uma mensagem no interior de uma garrafa sobreviveu a uma viagem de dois anos pelo oceano. Recentemente, chegou às mãos de um ativista ecológico, enquanto limpava uma praia da Papua Nova Guiné. Em novembro do ano …

As células imortais de Henrietta Lacks revolucionaram a Ciência

O ano de 1951 foi muito importante no campo da biotecnologia e, surpreendentemente, tudo começou com a chegada de Henrietta Lacks a um hospital norte-americano. Descendente de escravos, Loretta Pleasant nasceu a 1 de agosto de …

Humanidade não será capaz de controlar máquinas superinteligentes, avisam cientistas

Uma equipa de investigadores do Instituto Max Planck para o Desenvolvimento Humano sugere que seria impossível controlar máquinas superinteligentes. A tecnologia de Inteligência Artificial (IA) continua a evoluir de vento em popa, enquanto alguns cientistas e …

Em 1950, a vacinação em massa salvou a Escócia

Em 1950, Glasgow, na Escócia, viu-se a braços com um surto de varíola e o cenário era muito semelhante ao que vivemos hoje: as autoridades sanitárias tentavam rastrear todos os contactos de pessoas portadoras do vírus, …

Japonês aluga-se a si próprio "para não fazer nada". E tem milhares de clientes

Um homem japonês que ganha a vida a alugar-se a si próprio “para não fazer nada” atraiu milhares de clientes. O negócio começou em 2018. Por 10.000 ienes (cerca de 79 euros) - mais despesas com …

Documentos de vacinas roubados por hackers também foram "manipulados"

A Agência Europeia do Medicamento, entidade reguladora da União Europeia (UE), informou este sábado que os documentos da vacina contra a covid-19 roubados e colocados na Internet por hackers foram também "manipulados". A manipulação aconteceu depois …

Há 11 anos que não se consumia tanta eletricidade num só dia. A culpa é do frio

O país está a bater recordes de energia, tanto em termos de pico como de consumo diário. A culpa é da vaga de frio que assolou Portugal neste Inverno. O consumo de eletricidade bateu, na quarta-feira, …