150 ou 2 mil – porque os números do massacre na Nigéria são tão díspares?

Segundo um político local, duas mil pessoas morreram. Segundo o governo, 150. Ambos os números chocam, mas a disparidade que chegou à imprensa revela a dificuldade de acompanhar a sangrenta campanha do Boko Haram na Nigéria. Leia o relato de Will Ross, correspondente da BBC em Lagos.

Não é fácil descobrir a verdade na Nigéria.

Os assassinatos em Baga, na semana passada, são um exemplo claro, com políticos e autoridades a apresentar informações diferentes – os relatos contam de 150 mortos a dois mil.

É comum que notícias de ataques de militantes islâmicos do Boko Haram surjam com informações vagas, como esta do dia 3 de janeiro: “Ataque em Baga. Grande tiroteio ouvido”.

Esta primeira informação, geralmente, aparece nas redes sociais. O desafio, a partir daí, é descobrir os pormenores, e há muitos obstáculos no caminho para se chegar à verdade.

Em primeiro lugar, não há rede móvel em Baga, já que os jihadistas atacaram as antenas de telecomunicações no nordeste do país há alguns meses.

Há, obviamente, autoridades cujo trabalho é dizer ao mundo o que está a acontecer. Mas, nos primeiros dias da crise de Baga, porta-vozes do Exército e do governo ficaram em silêncio ou não atenderam a telefonemas.

Ainda assim, com a ajuda do serviço nigeriano da BBC, foi possível encontrar testemunhas da violência.

Em fuga

A 4 de janeiro, conversamos com um homem que tinha andado durante dois dias pela mata, até que conseguiu boleia num camião para a relativa segurança da maior cidade da região, Maiduguri.

“Havia tiros por toda parte na sede da concentração multinacional”, diz ele, acrescentando que a troca de tiros durou horas.

Há depoimentos de outras testemunhas que dizem que a base militar tinha sido dominada e que, logo depois, os atiradores começaram a matar civis na cidade de Baga.

Cada testemunha está a fugir pela própria vida, e seria perigoso caminhar pela cidade para verificar o que está a acontecer.

Um político local descreve que mais pessoas foram atingidas em Baga e outras morreram enquanto fugiam, com barcos naufragando no Lago Chade.

“Não sei quantas pessoas morreram”, afirmava o senador Maina Maaji Lawan, que representa Borno Norte. “Mas, pelo menos, 70% da área que eu represento está nas mãos do Boko Haram”.

Quatro dias após o ataque, governo e Exército ainda estavam calados.

Totalmente falso

Alguns jornalistas conseguiram finalmente reunir-se com o chefe do gabinete da Defesa, o Marechal da força aérea Alex Badeh. Não é uma conferência de imprensa organizada, mas uma conversa rápida num estacionamento.

O responsável é questionado sobre o ataque à base militar em Baga. “É claro que houve um ataque”, ele reponde. “Mas não se preocupem, estamos a trabalhar”.

Baga será retomada? “Por que não?” é a resposta curta. Segundos depois, Badeh corre para seu carro e retira-se do local.

É uma maneira não muito comum de se confirmar oficialmente a captura de Baga, embora seja importante salientar que este é o mesmo oficial militar de alto escalão que afirmou, há alguns meses, que um acordo de cessar-fogo tinha sido alcançado com o Boko Haram – o que acabou por se mostrar completamente falso.

Mais testemunhas a fugir de Baga contam à BBC que há centenas de corpos nas ruas. Outro político local diz que 2 mil estão mortos. Mas não há ninguém para contá-los – é difícil de verificar a informação.

Foco nas eleições

Enquanto isso, em Paris, surgem notícias de, pelo menos, 12 pessoas mortas a tiros por homens armados. Em poucos minutos, o presidente François Hollande já está em contacto com a imprensa mundial para oferecer alguma clareza e mostrar liderança.

Passados dez dias desde os primeiros ataques em Baga e diversos outros ataques suicidas, nenhuma palavra tinha sido dita pelo presidente nigeriano, Goodluck Jonathan – com a exceção de uma declaração a condenar os ataques de Paris.

O ministro das Finanças também aparece para comentar sobre acontecimentos distantes que mataram muito menos pessoas.

“Um incidente terrível. As nossas mais profundas condolências para os jornalistas e suas famílias. Nós somos um só com a França em luto”, diz Ngozi Okonjo-Iweala no Twitter com a hashtag #JeSuisCharlie – “Somos todos Charlie”.

Enquanto isso, as estações locais de TV acompanham cada passo da campanha eleitoral presidencial – em alguns casos, trata-se de longos programas patrocinados por partidos políticos rivais.

A imprensa parece estar muito mais focada nas eleições, e este parece ser o foco dos políticos também.

Na segunda-feira à noite, o governo divulgou um comunicado a afirmar que “o número de pessoas que perderam suas vidas durante o ataque a Baga até agora não superou cerca de 150“.

Talvez nunca saberemos quantos ao certo morreram. Sabemos que nunca haverá uma investigação que irá revelar a verdade. Não será a primeira vez que não teremos certeza se 150, 300, 500 ou até duas mil pessoas foram mortas em um massacre na Nigéria.

ZAP / BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Quem bebe café tem melhor controlo motor e maior nível de atenção, diz estudo

Um investigador da Universidade do Minho (UMinho) concluiu que consumidores de café têm melhor controlo motor, maiores níveis de atenção e alerta e que a cafeína tem "benefícios na aprendizagem e na memória", divulgou esta …

Pas de Deux cósmico. NASA mostra dois buracos negros a distorcer a luz à sua volta

A NASA publicou um vídeo em que mostra um par de buracos negros com milhões de vezes a massa do Sol que executam um pas de deux hipnótico. A visualização da NASA mostra como os buracos …

Inteligência Artificial recriou a voz de Einstein (e é possível fazer-lhe perguntas)

Graças à Inteligência Artificial, os fãs do Nobel da Física Albert Einstein podem agora "falar" com o físico alemão online. Segundo o site IFLScience, a ideia partiu das empresas Aflorithmic e UneeQ, sediadas no Reino Unido …

O SUV BZ4X lança o mote para a nova sub marca de elétricos da Toyota

A Toyota apresentou o primeiro modelo 100% elétrico da BZ, acrónimo de Beyond Zero (além do zero), sub marca da fabricante nipónica dedicada exclusivamente aos elétricos. O SUV BZ4X será o primeiro de uma ofensiva …

A "tele-escola" em 2006: Gisela conta como era

20 de abril de 2020: o regresso da escola à RTP, agora com a designação Estudo Em Casa. Um ano depois desse momento, cruzámo-nos com uma jovem que nasceu em 1994 e que ainda estudou …

O famoso consumo de chá de Jane Austen liga a escritora ao comércio de escravos

O consumo de chá de Jane Austen vai ser submetido a "interrogatório histórico" sobre as suas ligações à escravatura, de acordo com o diretor de um museu dedicado à autora inglesa. A casa da escritora na …

Júri declara ex-polícia Derek Chauvin culpado da morte de George Floyd

Os jurados do julgamento do ex-agente da polícia acusado do homicídio do afro-americano George Floyd chegaram a acordo sobre o veredito esta terça-feira. Derek Chauvin foi considerado culpado. A decisão dos jurados, reunidos desde segunda-feira num …

Lago "assassino" matou cerca de 1.800 pessoas em apenas alguns minutos (e a história pode repetir-se)

A noite de 21 de agosto de 1986 parecia ser igual a outra qualquer. Até que, por volta das 21h30, ouviu-se um barulho muito estranho no Lago Nyos, no noroeste dos Camarões. E em minutos, …

Nigéria. Youtube fecha canal de pastor que pretende "curar a homossexualidade"

O pastor nigeriano TB Joshua apelou aos seus seguidores a "rezarem pelo YouTube" e a não responderem através do ódio ao encerramento do seu canal naquela plataforma, onde colocou vídeos em que afirmava "curar a …

Esquemas de Wall Street alimentaram a crise de 2008. Está a voltar a acontecer o mesmo

Bancos têm erroneamente relatado dados de rendimento inflacionados que comprometem a integridade dos valores imobiliários resultantes. Foi há mais de 12 anos que foi anunciada a falência do Lehman Brothers, o quarto maior banco de investimento …