Visita de Juan Carlos causa divisão política em Espanha

2

Lavandeira Jr. / EPA

O rei emérito Juan Carlos I

É a primeira vez que o rei emérito Juan Carlos I volta a Espanha desde que se mudou para o Dubai, há mais de dois anos.

O rei emérito Juan Carlos I aterrou em Vigo, Espanha, na passada quinta-feira e regressa a Abu Dhabi, Emirados Árabes Unidos, esta segunda-feira. Apesar da curta estadia no país, o regresso do monarca, afastado em 2020 na sequência de vários escândalos de corrupção e desvio de fundos, está a causar polémica.

Segundo o jornal Público, Juan Carlos não pôde pernoitar na Zarzuela, uma vez que o Governo espanhol considera que esta é, além de residência da família real, a sede da chefia do Estado espanhol.

Apesar dos limites negociados entre o rei Felipe, o Governo e o rei emérito, fontes governamentais queixaram-se ao El País de que Juan Carlos se comporta como “um adolescente caprichoso”. Aliás, na Casa Real parece mesmo haver um sentimento de que é “impossível controlar” o monarca.

O almoço desta segunda-feira entre o rei emérito e o filho não aparece no calendário oficial da Casa Real, sendo considerado um momento privado.

O diário espanhol dá conta de que a visita de Juan Carlos causa, também, divisão política. “O pior, no entanto, para o futuro da monarquia é que a visita dividiu os partidos políticos em dois grupos irreconciliáveis, entre os que desculpam qualquer ato ilegal que Juan Carlos possa ter cometido sob o manto da imunidade e os que desqualificam a Coroa pelos comportamentos pessoais do seu antigo titular.”

Alberto Núñez Feijóo, líder do conservador Partido Popular, não vê qualquer sentido em questionar se “um cidadão que não tem qualquer questão pendente e que além disso foi rei de Espanha durante várias décadas” pode visitar o país, acusando quem o faz de questionar a Constituição espanhola.

Já o Unidas Podemos entende que “qualquer pessoa que regressasse ao nosso país com o historial do rei Juan Carlos I seria detida na fronteira e levada à justiça”.

Numa tentativa para tentar restaurar a imagem da monarquia espanhola desde a sua ascensão ao trono em 2014, Felipe VI tem-se distanciado do seu pai, tendo mesmo, em março de 2020, anunciado que renunciava à herança de Juan Carlos e retirava-lhe o seu subsídio anual de quase 200.000 euros.

  ZAP //

2 Comments

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.