Via do Infante rendeu 28,2 milhões de euros em 2014

A Estradas de Portugal anunciou este domingo que as portagens na Via do Infante (A22), que atravessa o Algarve, renderam 28,2 milhões de euros de receita em 2014, o que representou uma subida de 4,5 milhões relativamente ao ano anterior.

O valor cobrado pela empresa permitiu, segundo a Estradas de Portugal, reduzir em 47 por cento o valor suportado pelos contribuintes antes da introdução de portagens, quando a via ainda era uma autoestrada Sem Custos para o Utilizador (SCUT).

Esta redução de encargos foi conseguida, segundo a Estradas de Portugal, através da “significativa redução dos encargos já conseguida, decorrente da renegociação do contrato de concessão”, e do “aumento da receita devido ao aumento de tráfego e à contínua melhoria na eficiência da cobrança”.

“Para esta subida contribuiu naturalmente não só o maior volume de utilizadores da Via do Infante, que demonstram maior disponibilidade para pagar a utilização desta via, mas também o aumento do nível de cobrança conseguido junto dos condutores de veículos de matrícula estrangeira”, justificou a Estradas de Portugal num comunicado.

A empresa que gere a rede viária nacional frisou que, para este aumento, contribuíram também “as regulares ações de fiscalização, de informação”, mas também a criação de métodos mais fáceis de cobrança das portagens eletrónicas desde 2012.

A Estradas de Portugal frisou que, nos últimos dois anos, as receitas com a antiga SCUT do Algarve “aumentaram 38%” e a via recuperou tráfego, tendo em 2014 sido a concessão que mais cresceu, com 19 por cento relativamente ao ano de 2013.

“A Estradas de Portugal registou em 2014 uma receita de portagem proveniente da Via do Infante – A22 de 28,2 milhões de euros. O valor cobrado nesta autoestrada, que até 2012 era exclusivamente suportado pelo dinheiro dos contribuintes, atingiu os 72,1 milhões de euros nestes últimos três anos”, precisou a empresa num comunicado.

As receitas têm vindo a aumentar desde a introdução de portagens, em dezembro de 2011, alcançando no ano seguinte receitas de 20,4 milhões de euros e de 23,7 em 2013, valor que cresceu 4,5 milhões no ano passado, situando acima dos 28 milhões de euros em 2014, frisou a empresa.

A Estradas de Portugal observou que a “concessão do Algarve (A22) registou a maior subida da receita em 2014, destacando-se em primeiro lugar de entre todas as restantes concessões onde foram implementadas portagens” – a da Beira Interior, a da Beira Litoral e Alta, a da Costa de Prata, a do Grande Porto, a do Interior Norte e a do Norte Litoral.

A empresa contrapôs que a receita obtida é ainda “insuficiente para fazer face aos encargos anuais com a autoestrada”, embora em 2014 se tenha conseguido “superar pela primeira vez os 50%”, no balanço entre as receitas e os encargos com a A22.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Foi a escuridão (e não o frio) que ditou a extinção dos dinossauros

Uma nova investigação sobre o asteróide que causou a extinção dos dinossauros sugere que foi a escuridão, ainda antes do frio, que ditou o fim destes animais. De acordo com a nova investigação, cujos resultados foram …

34 anos depois, dados da Voyager 2 revelam mais um segredo de Urano

Mais de 30 anos depois, os dados da Voyager 2, que sobrevoou o planeta em 1986, permitiram aos cientistas da NASA desvendar mais um segredo de Urano. Em janeiro de 1986, a Voyager 2 sobrevoou Urano. …

Está a nevar em Plutão

Em julho de 2015, a sonda New Horizons da NASA concluiu uma longa e árdua jornada pelo Sistema Solar, viajando a 36.000 mph durante nove anos e meio. Toda a missão focava-se em mapear a …

Cientistas dão um importante passo na criação de uma Internet quântica segura

Uma nova investigação da Universidade de Harvard e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, nos Estados Unidos, revelou o elo que faltava para termos uma Internet quântica funcional e prática: uma forma de corrigir os …

Os pedregulhos de Bennu brilham como faróis para a Osiris-Rex da NASA

Este verão, a sonda OSIRIS-REx empreenderá a primeira tentativa da NASA de tocar a superfície de um asteroide, recolher uma amostra e recuar em segurança. Mas, desde que chegou ao asteroide Bennu há mais de …

Cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para futuros desastres

Especialistas ouvidos pelo portal One Zero acreditam que cidades subterrâneas podem ser um bom refúgio para populações que possam vir a enfrentar desastres naturais no futuro potenciados pelas alterações climáticas. À medida que os desastres naturais …

Descobertas três novas espécies de pterossauro em Marrocos

Cientistas encontraram três novas espécies de pterossauro, que viveram no deserto do Sahara, há 100 milhões de anos, em Marrocos. De acordo com o site EurekAlert!, estas três novas espécies de pterossauro faziam parte de um …

Texto português do século XVI mostra eficácia da quarentena

Um especialista australiano descobriu num texto português do século XVI uma prova de que a quarentena ou o isolamento podem impedir a globalização de uma doença como a covid-19, que já provocou mais de 30 …

Coronavírus. Mercados chineses continuam a vender morcegos

Nem com a pandemia de covid-19 a China abre mão dos seus velhos hábitos. Embora o novo coronavírus tenha tido origem num mercado de animais exóticos, em Wuhan, muitos destes sítios continuam a funcionar normalmente …

No Twitter, o discurso de ódio contra chineses cresceu 900%

A L1ght, uma empresa que mede a toxicidade das plataformas digitais, partilhou recentemente um relatório no qual revela que o discurso de ódio contra a China e contra os chineses teve um crescimento de 900%. Donald …