Os últimos Neandertais morreram muito antes do que se pensava

Os humanos modernos substituíram os neandertais no sul da Península Ibérica há 44 mil anos, cinco mil anos antes do que se pensava.

De acordo com um novo estudo, realizado em Málaga, Espanha e publicado na revista Nature & Evolution, a sucessão dos humanos modernos aos neandertais no sul da Península Ibérica é um fenómeno inicial no contexto da Europa Ocidental, ao contrário do que se pensava até hoje.

Até agora, pensava-se que a Península Ibérica foi o refúgio final dos neandertais. Parecia que a nossa espécie, de alguma forma, não conseguiu encontrar um caminho para a região até há 35 mil anos, deixando intocada a última população restante de Neandertal. Mas ferramentas de pedra de uma caverna no sul de Espanha podem afundar essa ideia de uma vez por todas.

Os neandertais viveram na Europa durante centenas de milhares de anos. Quando o Homo sapiens chegou ao continente, rapidamente ocupou toda a massa de terra, provavelmente contribuindo para o desaparecimento dos neandertais.

Mas há um canto do continente onde os investigadores se esforçaram para aplicar este modelo simples. Foi difícil encontrar evidências de que o H. sapiens tenha chegado à Península Ibérica antes de cerca de há 35 mil anos.

Além disso, alguns investigadores dizem que descobriram ferramentas que indicavam que os neandertais ainda estavam a viver na Península Ibérica milhares de anos depois de terem desaparecido do resto da Europa.

Em alguns locais, como a Caverna de Gorham em Gibraltar, haveria evidências de que os neandertais sobreviveram até há 32 mil anos. Os cientistas dizem que os neandertais viveram lá tanto tempo porque não havia nenhum H. sapiens para competir com eles.

Porém, Francisco Jiménez-Espejo, da Agência Japonesa de Ciência e Tecnologia da Terra Marinha, e os seus colegas acham que esta tese foi deitada por terra agora que reanalisaram ferramentas de pedra encontradas na Caverna de Bajondilla, Málaga. Segundos eles, é possível ver o momento em que as ferramentas do estilo Neandertal dão lugar a ferramentas distintamente humanas.

Novas datas de radiocarbono da caverna sugerem que isso aconteceu há 43 mil anos – o que implicaria que a nossa espécie terá chegado ao sul da Península Ibérica ao mesmo tempo em que chegou a outras regiões da Europa.

O resultado faz sentido, diz Katerina Douka, do Instituto Max Planck para a Ciência da História Humana, na Alemanha. “Parecia estranho que os humanos modernos levassem de oito a dez mil anos para se expandirem”, disse.

“É novo e muito emocionante”, diz Rachel Wood, da Universidade Nacional da Austrália. Há alguns anos, Wood e os seus colegas argumentaram que havia problemas com os dados colocados em muitos dos locais de Neandertal na Península Ibérica. A sua reavaliação sugeria que havia poucas evidências de que os neandertais se tivessem mantido na região depois de terem desaparecido do resto da Europa.

Mas nem toda a gente está convencida com este estudo. João Zilhão, da Universidade de Barcelona, ​​insiste que as evidências atuais sugerem que os neandertais sobreviveram no sul da Península Ibérica depois de terem desaparecido em outros lugares.

O investigador diz que os colegas de Jiménez-Espejo argumentaram que as camadas cruciais da Caverna de Bajondillo, onde as ferramentas de pedra de Neandertal deram lugar às ferramentas do H. sapiens, foram perturbadas e misturadas. Mas se as camadas são misturadas, Zilhão diz que é impossível precisa uma data para a primeira aparição do H. sapiens na área.

Em resposta, Jiménez-Espejo e os seus colegas dizem que Zilhão é crítico por causa do seu apoio à ideia de uma presença tardia do Neandertal na área.

Outros estudos recentes de diferentes grupos também apoiam a ideia de que os neandertais desapareceram da Península Ibérica há cerca de 42 mil anos.

PARTILHAR

RESPONDER

A tecnologia usada na Bitcoin também está a ser usada para encontrar o amor

Várias dating apps (aplicações de encontros) estão a recorrer ao blockchain para que os seus utilizadores possam encontrar a cara-metade de uma forma mais segura e transparente. O Tinder é provavelmente a dating app mais usada …

Elon Musk quer enviar passageiros para o Espaço já no próximo ano

O bilionário Elon Musk, também fundador da fabricante de automóveis elétricos Tesla, fez um anúncio surpreendente: quer que pôr passageiros no Espaço já em 2020. “Isto pode soar totalmente louco, mas queremos tentar entrar em órbita …

Cientistas reverteram principal sintoma da esquizofrenia em camundongos

Um medicamento que está atualmente a ser desenvolvido para tratar a leucemia reverteu (em camundongos) um sintoma de esquizofrenia anteriormente intratável: o enfraquecimento da memória de trabalho. A memória de trabalho é um processo cerebral fundamental usado …

Para as criaturas marinhas, as doenças infecciosas são a sentinela da mudança

Uma recente investigação analisou as mudanças nas doenças relatadas em espécies submarinas num período de 44 anos. A conclusão não surpreende: a saúde dos oceanos está a piorar a passos largos. A compreensão das tendências oceânicas …

Solidariedade e ambiente. Nos EUA, já é possível doar as suas peças Lego

Nunca somos demasiado velhos para brincar com peças Lego. No entanto, se estiver a ficar sem espaço para as arrumar e estiver à procura de uma forma de garantir que os seus blocos acabam em …

Eis os primeiros smartphones pensados e fabricados em África

https://vimeo.com/365789486 No Ruanda nasceram os primeiros rebentos do grupo Mara, que anunciou o lançamento dos seus dois primeiros smartphones. São os primeiros a serem totalmente fabricados em África. Estes são os dois primeiros smartphones totalmente fabricados em …

Siza Vieira recebe Grande Prémio da Academia de Belas-Artes francesa

O arquitecto Álvaro Siza Vieira recebeu o Grande Prémio de Arquitetura da Académie des Beaux-Arts, pelo conjunto do seu percurso, no valor de 35 mil euros. “É uma grande honra, porque é um prémio importante. É …

Para os jovens refugiados, um telemóvel pode ser tão importante quanto comida ou água

Entre 2015 e 2018, mais de 200.000 jovens não acompanhados reivindicaram asilo na Europa. Muitos deles, agora na União Europeia, têm uma coisa em comum: os seus smartphones. Não são apenas ferramentas para entretenimento nem uma …

Cientistas observaram pela primeira vez porcos a usar ferramentas

Uma equipa de cientistas registou pela primeira vez uma família de javalis das Visayas, num jardim zoológico em Paris, a usar paus para cavar e construir ninhos. Os porcos não gostam só de chafurdar na lama …

Transição verde: o mundo tem muito a aprender com uma pequena cidade na Islândia

Uma pequena cidade no norte da Islândia tornou-se quase neutra em dióxido de carbono (CO2). Uma equipa de cientistas viajou até ao país insular nórdico para descobrir como podemos aprender com esta cidade. Atualmente, as cidades …