Planeta Mercúrio encolheu sete quilómetros em 4.000 milhões de anos

NASA / JHU/APL

A nave Messenger em órbitra de Mercúrio

A nave Messenger em órbitra de Mercúrio

O planeta Mercúrio encolheu cerca de sete quilómetros nos últimos 4.000 milhões de anos, cerca do triplo do que estimavam até agora os cientistas, segundo uma investigação hoje publicada na revista Nature Geoscience.

O estudo, dirigido pelo astrofísico do Instituto Carnegie de Washington Paul Byrne, sugere que as estruturas geológicas que se observam na crosta de Mercúrio são resultado de uma pronunciada contração devida ao arrefecimento do planeta.

A equipa de Byrne analisou as cordilheiras e as falhas na superfície do planeta mais próximo do Sol através das imagens captadas pela sonda Messenger, em órbita à volta de Mercúrio desde 2011.

C.I.W.

O astrofísico Paul Byrne, do Departamento de Magnetismo Terrestre do  Carnegie Institution of Washington

O astrofísico Paul Byrne, do Departamento de Magnetismo Terrestre do Carnegie Institution of Washington

Os dados que a sonda da NASA forneceu nos últimos anos são os primeiros que chegam da área de Mercúrio desde as que foram enviadas pela Mariner 10, entre 1974 e 1975.

A partir da informação da Messenger, os investigadores recalcularam as deslocações que sofreu a crosta de Mercúrio, um planeta que gira tão lentamente sobre si mesmo que os seus dias solares têm a duração de metade de um ano terrestre.

É, além disso, um planeta extremamente denso, com um grande núcleo de ferro de 2.020 quilómetros de raio, enquanto o manto e a crosta têm apenas 420 quilómetros de espessura.

Segundo os cientistas, as estruturas geológicas que se veem na superfície são fraturas e deformações na litosfera, a capa rígida de solo que cobre os planetas rochosos.

Os novos cálculos sobre a contração de Mercúrio situam a diminuição do seu raio nos últimos 4.000 milhões de anos em cerca de sete quilómetros, enquanto até agora se pensava que essa diminuição tinha sido de entre 0,8 e três quilómetros.

Os resultados a que chegou a equipa de Byrne vão ao encontro de teorias científicas datadas do século XIX que sustentavam que o tamanho da Terra diminuiu no passado.

Essas teorias estão hoje obsoletas, mas podem estar de acordo com a situação observada em Mercúrio, cuja superfície é formada por apenas uma placa tectónica, ao contrário da Terra, onde a crosta superficial está dividida em diversas placas que deixam escapar o calor através das suas intersecções.

«Mercúrio permite-nos ver o que acontece realmente quando um planeta encolhe», afirma o astrofísico William McKinnon, um dos autores do artigo, na revista Nature Geoscience.

/Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

O Bosão de Higgs foi apanhado a fazer algo inesperado

Uma equipa de cientistas do Laboratório Europeu de Física de Partículas (CERN) observou o Bosão de Higgs, a fazer algo inesperado: à medida que caía, esta parecia decompor-se numa combinação inesperada de partículas. De acordo com …

Feitos de estrelas. Os nossos ossos são compostos por estrelas que explodiram

Uma nova investigação concluiu que metade do cálcio do nosso Universo é oriundo de uma supernova rica em cálcio, que explodiu há milhões de anos. O novo estudo, cujos resultados foram esta semana publicados na revista …

"Monarquia criminosa". Parlamento declara Catalunha republicana e não reconhece o rei

O Parlamento catalão aprovou esta sexta-feira uma resolução na qual declara que “a Catalunha é republicana e, portanto, não reconhece nem quer ter um rei”, rotulando a monarquia de “criminosa”. A resolução foi aprovada em sessão …

Novo método deteta metais tóxicos em alimentos e água em apenas algumas horas

Uma equipa de cientistas da Universidade de Joanesburgo, na África do Sul, desenvolveu um método sensível para detetar níveis perigosos de metais pesados em alguns alimentos e água. Os vestígios de metais como chumbo (Pb), arsénico …

Meghan Markle vence primeira batalha judicial contra jornal britânico

A Duquesa de Sussex conseguiu que o Tribunal Superior de Londres optasse por manter anónima a identidade das suas cinco amigas, como parte da ação legal que está a ser levada a cabo. O 39º aniversário …

Cientistas obrigados a rebatizar dezenas de genes humanos. A culpa é do Excel

Só no ano passado, os cientistas viram-se obrigados a mudar os nomes de 27 genes humanos por causa de um erro de leitura do Microsoft Excel. Tal como explica o portal The Verge, que avança …

"Vai continuar a queimar". Covid-19 é mais parecida com um fogo florestal do que com ondas e picos

Com o surgimento do novo coronavírus no mundo, vários especialistas previam que este iria surgir em ondas e picos. Agora a visão de futuro é outra e os especialistas dizem que a pandemia se compara …

Mudanças climáticas podem vir a causar mais mortes do que a covid-19, alerta Bill Gates

  As mudanças climáticas podem custar muito mais vidas nas próximas décadas do que a pandemia do novo coronavírus (covid-19). O alerta é do co-fundador da Microsoft, Bill Gates, que, através de uma reflexão no seu …

Descoberta a primeira disrupção gigante nas nuvens de Vénus

Uma equipa internacional de cientistas, que incluiu um investigador do Instituto de Astrofísica e Ciências do Espaço (IA), descobriu a "primeira disrupção gigante" nas nuvens de Vénus que tem fustigado as zonas profundas da atmosfera …

TVI aposta em estúdio a Norte. Nuno Santos quer Informação mais ao estilo da SIC Notícias do que da CMTV

O diretor-geral da TVI, Nuno Santos, afirmou, em entrevista ao jornal Público, que a estação de Queluz de Baixo vai apostar num estúdio no Norte, revelando ainda que pretende mudar a Informação do canal mais …