As mulheres medievais também eram artistas (e a prova é uma pedra preciosa escondida nos dentes)

Um pequeno fragmento de pigmento de lápis-lazúli, descoberto nos dentes fossilizados de uma mulher medieval, está agora a desafiar algumas das suposições mais básicas sobre a história da produção de livros.

Antes do alvorecer do século XV, escribas e artistas na Europa, que escreviam e ilustravam manuscritos religiosos, eram muitas vezes modestos demais para selar as suas obras com uma assinatura.

Como os nomes femininos são especialmente escassos entre os textos sobreviventes desse período, os historiadores há muito presumem que os monges masculinos eram os principais produtores desses manuscritos ilustrados.

Só recentemente esta crença foi reanalisada. Juntamente com um corpo crescente de estudos, uma nova descoberta acrescenta mais evidências de que as freiras não só eram alfabetizadas, mas também produtoras prolíficas e consumidoras de livros durante a Idade Média.

Escondidas dentro da placa dentária de uma mulher de meia-idade enterrada num mosteiro exclusivamente feminino na Alemanha, por volta de mil a 1.200, os investigadores encontraram agora uma pista que diz muito: uma pista de tinta ultramarina.

Depois de analisar os restos mortais, cientistas da Universidade de York e do Instituto Max Planck acham que esta mulher misteriosa era provavelmente uma pintora experiente de textos religiosos ricamente iluminados.

“Com base na distribuição do pigmento na boca, concluímos que o cenário mais provável era que ela estivesse a pintar com o pigmento e a lamber a ponta do pincel enquanto pintava”, explica uma das autoras, Monica Tromp, microbiologista no Instituto Max Planck.

No estudo publicado este mês na revista Science Advances, os autores escrevem que esta representa a “primeira evidência direta de que as mulheres religiosas na Alemanha usavam pigmento ultramarino”.

No entanto, por mais impressionante que pareça, para realmente compreender a imensidão desta descoberta, devemos olhar para trás várias centenas de anos, até um tempo em que o lápis-lazúli era moído e purificado, criando um pigmento ultramarino brilhante.

Originário numa única região no Afeganistão e comercializado por milhares de quilómetros por toda a Europa e Ásia, este bem de luxo era extremamente caro, e a tinta luminescente era quase exclusivamente reservada aos manuscritos luxuosos – e os mais excecionais escribas e pintores. Aparentemente, este grupo inclui esta pintora.

“Aqui temos evidências diretas de uma mulher, que não só pintava, mas também pintava com um pigmento muito raro e caro, e num lugar muito fora do caminho”, diz a autora sénior, Christina Warinner, do Instituto Max Planck.

A conclusão dos autores é apoiada por um crescente corpo de evidências que sugerem que as religiosas na Alemanha e na Áustria desempenharam um papel particularmente ativo na produção de livros. De facto, alguns historiadores agora pensam que as mulheres nessas regiões estavam a trabalhar como escribas e ilustradoras já no final do século VIII.

Uma comunidade de freiras de um mosteiro em Salzburgo, por exemplo, copiou mais de 200 livros da coleção do século XII. Acredita-se ainda que uma única mulher escriba, que vivia na Baviera do século XII, tenha produzido mais de 40 livros sozinha.

No entanto, como as assinaturas são escassas e poucos destes textos sobrevivem, os autores observam que “escribas femininas permanecem pouco visíveis no registo histórico, e é provável que a maior parte do trabalho não tenha sido reconhecida”.

 

PARTILHAR

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …