Parlamento holandês aprova lei que torna o teletrabalho um direito legal

A lei tem ainda de receber a luz verde do Senado e obriga dos patrões a considerar os pedidos dos funcionários que queiram ficar em teletrabalho desde que a profissão o permita.

O parlamento dos Países Baixos aprovou uma legislação que estabelece que trabalhar a partir de casa é um direito legal, o que torna o país um dos primeiros no mundo a codificar o direito à flexibilidade e ao teletrabalho na lei.

A proposta foi aprovada pela câmara baixa do parlamento esta terça-feira, precisando ainda da aprovação do Senado antes de entrar em vigor. A lei obriga os patrões a considerar os pedidos dos funcionários que queiram trabalhar a partir de casa desde que as suas profissões o possibilitem, avança a Bloomberg.

O teletrabalho tornou-se uma prática comum durante a pandemia, que obrigou as empresas a fechar os escritórios e a ter de trabalhar a partir de casa. Desde então, a postura em relação ao trabalho também tem mudado, com os funcionários a reclamar mais flexibilidade e a tentar adotar o teletrabalho ou um modelo híbrido entre casa e escritório de forma permanente.

Esta mudança permanente que a pandemia trouxe-se aos nossos modelos de trabalho não é consensual e há empresas que estão a exigir que os funcionários regressem permanentemente aos escritórios, como foi o caso de Elon Musk, tendo o CEO da Tesla emitido um ultimato no mês passado onde obrigava todos os trabalhadores a voltar ou então a saírem da empresa.

No entanto, há outras empresas que estão mais abertas aos modelos flexíveis. Um inquérito de Maio da organização sem fins lucrativos Conference Board, que faz estudos na área dos negócios, concluiu que apenas 4% dos líderes dos recursos humanos afirmaram que estão a exigir que todos os funcionários voltem aos locais de trabalho a tempo inteiro.

Apenas 45% disseram que estavam a pedir a alguns dos trabalhadores que fossem todos os dias aos escritórios e 90% afirmaram que estavam a permitir formatos de trabalho híbrido.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.