Descobertos novos geóglifos que podem reescrever história da Amazónia

Novos geóglifos descobertos no estado brasileiro do Acre reforçam a ideia de que havia uma numerosa população milenar e hierarquizada na Amazónia 2.500 anos antes da chegada dos europeus. Estes dados podem “reescrever” a história da região.

“A Amazónia era estudada como tendo um passado inóspito, uma região com pouca população e estas estruturas arqueológicas que estamos a ver aqui demonstram o contrário”, disse à agência de notícias espanhola EFE Ivandra Rampanelli, arqueóloga com mestrado e doutorado em pré-história e responsável pela mais recente descoberta de geóglifos no Acre.

Para a investigadora, as escavações indicam que “poderia ter sido uma população densa, grande, organizada e hierarquizada e isso está a reescrever a história da Amazónia como um todo, está a mudar o que antes era visto como um território vazio”.

Os geóglifos são figuras construídas em encostas ou planícies, utilizando a técnica de adição de terra ou pedras, com tonalidades escuras de origem vulcânica de forma a criar um mosaico.

Os investigadores descobriram nos últimos anos um total de 523 geóglifos no estado do Acre, no Brasil, que faz fronteira com a Bolívia e o Peru, país onde se localiza o famoso geoglifo de Nazca.

Segundo Ivandra Rampanelli, a responsável pelas escavações mais recentes, os novos “desenhos na terra” descobertos na planície de Acre estão associados a rituais dos povos indígenas que habitavam a região antes da chegada dos europeus.

squicker / Flickr

Com mais de 2.000 anos de antiguidade, as linhas de Nazca, no Perú, são Património UNESCO desde 1994

As primeiras descobertas datam de 1977, segundo a especialista brasileira, quando investigadores locais encontraram oito áreas arqueológicas.

Apesar de um trabalho contínuo posterior, foi somente a partir de 2005 que um estudo sistemático destes locais avançou, nomeadamente com a ajuda de ferramentas diferenciadas como os satélites.

A mais recente descoberta na Amazónia ocorreu em Outubro do ano passado, numa investigação coordenada por Ivandra Ramapanelli, do Instituto do Património Histórico do Acre, e com a participação dos espanhóis Agustin Diaz Castillo, da Universidade de Valência.Em Julho, os primeiros resultados da descoberta começaram a ser relatados.

Para Rampanelli, por estarem no meio da vegetação estes geóglifos estão melhor preservados “do que aqueles em áreas privadas e que hoje servem de pasto para o gado”.

“Nas escavações futuras poderemos encontrar material que permanece bem preservado e estudos de inventário botânico, inventário florestal, estudos do solo, porque estão melhor preservados do que outras áreas abertas (…)”, acrescentou.

Os dois novos geóglifos estão localizados na região de selva da reserva Chico Mendes, no Acre, sendo que um deles é um círculo que tem noventa metros de diâmetro e cerca de quatro metros de profundidade.

A região amazónica do Brasil e da Bolívia tem mais de 800 geóglifos, dos quais 523 estão no Acre, um dos estados brasileiros mais pobres.

Recentemente também uma expedição arqueológica britânica descobriu 81 aldeias deste tipo no estado brasileiro de Mato Grosso (oeste), com vestígios de cerâmica e ferramentas de povos antigos.

// Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Viagens ao Espaço têm um novo perigo desconhecido para os astronautas

Há um perigo inerente às longas viagens espaciais dos astronautas desconhecido até aos dias de hoje. Um novo estudo aponta que os cosmonautas podem ver o seu fluxo sanguíneo revertido na parte superior do corpo. A …

Macrocilix maia, a misteriosa traça que tem moscas a comer fezes nas suas asas

Macrocilix maia é uma espécie de traça que se destaca pela forma como se camufla dos seus predadores. Nas suas asas vê-se duas moscas a comer excrementos de pássaro. A natureza nunca falha em surpreender-nos e …

Há provas que ligam misteriosa doença que paralisa crianças a vírus raro

Pela primeira vez, foram encontradas provas da associação do Enterovírus D68, um vírus raro até há algum tempo, à Mielite Flácida Aguda, uma doença semelhante à poliomielite que tem afectado centenas de crianças, provocando a …

Antigos egípcios podem ter encurralado milhões de pássaros só para os mumificar

Novas evidências de ADN sugerem que os antigos Egípcios capturavam pássaros selvagens para sacrifícios ritualísticos (e para os poderem mumificar depois). As catacumbas egípcias contêm milhares de pássaros mumificados, especificamente íbis-sagrados (Threskiornis aethiopicus), empilhados uns sobre …

Estudo mostra que sondagens tendenciosas enviesam eleições políticas

Através de experiências práticas, uma investigação recente sugere que as sondagens tendenciosas podem influenciar e enviesar as eleições políticas, até mesmo nas grandes democracias. Enquanto uma eleição se aproxima no Reino Unido e uma votação presidencial …

A Rússia criou a arma mais mortífera da história. Foi há 72 anos

Comummente conhecida por AK-47, a espingarda Kalashnikov foi responsável por milhões de mortes durante a nossa História, sendo uma das armas mais populares do mundo e a mais fabricada pela indústria de armamento. Segundo o The Conversation, …

Luxemburgo 0-2 Portugal | Campeão marca presença no Euro

Portugal venceu o Luxemburgo por 2-0 e apurou-se para a fase final do Euro2020 – a 11ª presença consecutiva da turma das “quinas” em fases finais de grandes competições. Num encontro mal jogado, em parte pelas …

Hologramas e outras tecnologias podem ajudar a combater incêndios florestais

Portugal continua a ser assombrado pela destruição sem precedentes dos incêndios florestais. Agora é a hora de aproveitar as nossas ferramentas tecnológicas e encontrar maneiras inovadoras de ajudar a aliviar o problema e também evitar …

Pombos estão a perder dedos ou patas por causa da poluição

Basta passar algum tempo na praça de uma cidade para ver que alguns pombos têm patas feridas ou dedos em falta. Embora possamos pensar que isto é causado por algum vírus ou pelos eventuais desentendimentos …

Descoberto no Japão fóssil de pássaro com 120 milhões de anos

O fóssil de um pássaro do Cretáceo recentemente descoberto no Japão pode levar os cientistas a repensarem alguns detalhes sobre a evolução do voo. Há cerca de 120 milhões de anos, um pássaro com o tamanho …