O ninho de galáxias onde vivemos está a dissolver-se

A Terra está incluída na Via Láctea que, por sua vez, faz parte de um superaglomerado de galáxias chamado Laniakea. No entanto, o nosso “ninho” está a dissolver-se diante dos nossos olhos.

O nosso planeta não é nada de especial na maior escala cósmica. Como milhões de outros planetas, a Terra orbita uma estrela e, como a maioria dos sistemas solares, o nosso gira em torno da Via Láctea. Como a maioria das galáxias, pertencemos a um grupo de galáxias que, por sua vez, pertence a um superaglomerado com mais de 100 mil galáxias. O nosso ninho de galáxias chama-se Laniakea.

Há superaglomerados em todo o Universo observável. No entanto, devido à presença de energia escura no Universo, esses superaglomerados – incluindo Laniakea – são apenas estruturas aparentes. Na realidade, de acordo com a Forbes, são meros fantasmas no processo de dissolução diante dos nossos olhos.

O Universo como o conhecemos começou há 13,8 mil milhões de anos com o Big Bang. Estava cheio de matéria, antimatéria e radiação. Porém, desde o início que o Universo não é uniforme. Havia pequenas imperfeições, sendo que algumas regiões tinham um pouco mais ou um pouco menos de matéria e energia do que a média.

Em cada uma dessas regiões, começou uma corrida cósmica entre dois fenómenos: primeiro, o Universo em expansão que separa toda a matéria e energia; e, por outro lado, a gravitação que reúne todas as formas de energia, fazendo com que material se agrupe.

Com a matéria normal e a matéria escura, o nosso Universo formou estrelas e aglomerados de estrelas. Depois, a estrutura começou a aparecer em escalas maiores, com as primeiras galáxias a aparecer, aglomerados de estrelas a fundir-se e galáxias a crescer para atrair matéria. À medida que o tempo passa, as galáxias gravitam juntas para formar os primeiros aglomerados de galáxias do Universo.

Em escalas espaciais maiores e escalas de tempo mais longas, a teia cósmica começa a ter uma forma, com filamentos de matéria escura a traçar linhas interconectadas. A matéria escura impulsiona o crescimento gravitacional do Universo, enquanto a matéria normal interage com outras forças além da gravidade, levando à formação de aglomerados de gás, novas estrelas e até novas galáxias.

O espaço entre os filamentos cede a sua matéria às estruturas circundantes, tornando-se grandes vazios cósmicos. As galáxias pontilham os filamentos e caem nas estruturas cósmicas maiores, onde vários filamentos se cruzam. Em escalas de tempo suficientemente longas, os nexos mais espetaculares da matéria começam a atrair-se, fazendo com que aglomerados de galáxias comecem a formar estruturas ainda maiores: superaglomerados galácticos.

Nos superaglomerados, a sua gravitação atrai mutuamente os seus componentes para um centro de massa comum, onde as grandes estruturas abrangem centenas de milhões de anos-luz e contêm mais de 100 mil galáxias.

Se tudo o que houvesse no Universo fosse matéria escura, matéria normal, buracos negros, neutrinos e radiação, os superaglomerados reinariam. Com tempo suficiente, as estruturas enormes atrair-se-iam mutuamente a ponto de se fundirem, criando uma estrutura cósmica enorme e limitada, de proporções sem paralelo.

No nosso próprio canto local do Universo, a Via Láctea pode ser encontrada num pequeno bairro que chamamos de grupo local. A Andrómeda é a maior galáxia do nosso grupo local, seguida pela Via Láctea e pla, a galáxia Triangulum. Na nossa vizinhança galáctica maior, saindo cerca de 200 milhões de anos-luz, todos os aglomerados parecem ter filamentos com galáxias e grupos galácticos entre eles. Parece constituir uma estrutura muito maior. E isto é o que chamamos de Laniakea.

Porém, há um problema: esta estrutura não é real, mas apenas uma estrutura aparente atualmente no processo de dissolução total.

No Universo, há uma forma positiva de energia inerente ao próprio espaço: energia escura, que faz com que a recessão de galáxias distantes acelere conforme o tempo passa.

Se não houvesse energia escura, Laniakea seria real. Com o tempo, as suas galáxias e aglomerados atrair-se-iam mutuamente, levando a um enorme agrupamento de mais de 100 mil galáxias. Infelizmente, a energia escura tornou-se o fator dominante na evolução do nosso Universo, há aproximadamente seis mil milhões de anos e os vários componentes do superaglomerado Laniakea já estão a acelerar.

Todos os componentes da Laniakea não estão gravitacionalmente vinculados a nenhum outro. Aliás, os grupos e agrupamentos individuais dentro de um superaglomerado são ilimitados, o que significa que, com o passar do tempo, cada estrutura acabará por se dissociar.

Nas maiores escalas cósmicas, enormes coleções de galáxias que abrangem vastos volumes de espaço parecem reais, mas as estruturas aparentes são efémeras e transitórias. Não estão unidos e nunca estarão. Daqui a milhares de milhões de anos, os componentes individuais do superaglomerado serão dilacerados pela expansão do Universo, sempre à deriva como ilhas solitárias no grande oceano cósmico.

MC, ZAP //

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Não é Laniakea, é Lanaikea,que tudo é de aglomerado e se dissolve, por vezes até no transporte, bem antes de ser montado, outras vezes logo na montagem, e outras pouco tempo depois…. E porquê?!
    Tudo por falta de sabedoria pra lidar bem com as coisas e por isso só têm o material que merecem….

  2. Artigo interessante, explica o porquê da energia negra ter de existir, ou isso ou a nossa ideia de gravidade está errada quando aplicada a longas distâncias. Só um apontamento energia e materia negra, não mateira “escura”, isto não tem nada de rasismo chamem os bois pelos nomes. Abraço.

RESPONDER

Cientistas investigam estranho gelo cor-de-rosa num glaciar dos Alpes italianos

Uma equipa de cientistas anunciou esta segunda-feira estar a tentar averiguar a origem de gelo cor-de-rosa num glaciar nos Alpes italianos. O fenómeno deverá ser provocada por algas que aceleram os efeitos das mudanças climáticas. A origem …

Especialistas de 32 países alertam OMS: covid-19 também se transmite pelo ar

Numa carta aberta à Organização Mundial de Saúde, 239 cientistas pedem que a organização reveja as recomendações que tem emitido, alertando para o facto de a covid-19 poder transmitir-se pelo ar. Numa carta dirigida à Organização …

Moreirense 0-0 Sporting | Nulo em jogo de pólvora seca

A 30ª jornada fechou no Minho com um nulo entre Moreirense e Sporting, que continua sem derrotas sob o comando de Rúben Amorim. A formação leonina poderia muito bem ter vencido em Moreira de Cónegos, pois …

Armazém flutuante. A China está a guardar petróleo no mar (e já se sabe porquê)

A China está a guardar uma quantidade épica de petróleo no mar. De acordo com a CNN, o país comprou tanto petróleo estrangeiro a preços baratos que formou um congestionamento maciço de navios-tanque no mar, …

Peregrinos em Meca proibidos de tocar ou beijar a Caaba por causa da covid-19

Os muçulmanos que vão participar na peregrinação a Meca não poderão tocar ou beijar a Caaba nem a "pedra negra", presentes na Grande Mesquita, local considerado como um dos mais sagrados pelo Islão, informaram as …

Países Baixos continuam a abater milhares de martas. 20 quintas afetadas pela pandemia

Esta segunda-feira, as autoridades holandesas abateram milhares de martas em mais duas fazendas onde foram detetados surtos de covid-19. Esta segunda-feira, as autoridades abateram milhares de martas em mais duas fazendas, sendo agora 20 as quintas …

Cientistas criam robô para fazer testes à covid-19 (e proteger os profissionais de saúde)

O Korea Institute of Machinery & Materials (KIMM) desenvolveu um novo robô de coleta remota de amostras que elimina o contacto direto entre os profissionais de saúde e os pacientes, potencialmente infetados com o novo …

"Não use desodorizante". A peculiar estratégia de Berlim para promover o uso de máscaras nos transportes públicos

"Não use desodorizante". Esta é a peculiar campanha adotada pela empresa que controla os transportes públicos em Berlim, na Alemanha, para promover o uso correto de máscaras, evitando assim novos casos de covid-19.  Tal como escreve …

Vírus pode ter estado adormecido antes de surgir na China, diz investigador de Oxford

O novo coronavírus pode ter estado adormecido algures no mundo antes de ter surgido na China, defendeu o investigador da Universidade de Oxford, Tom Jefferson, apontando para várias descobertas de amostras do vírus em Espanha, …

Federer sente falta de Wimbledon. "Deu-me tudo"

Roger Federer admitiu sentir a falta de Wimbledon, o torneio do "Grand Slam" que, se não tivesse sido cancelado devido à pandemia de covid-19, estaria a decorrer em Londres. O tenista suíço Roger Federer admitiu, esta …