Os nazis quase conseguiram construir uma bomba nuclear

A ideia de uma Alemanha nazi com armas nucleares nunca chegou a ser realidade, mas a possibilidade de acontecer pode não ser tão fantasiosa como os historiadores pensam.

Um cubo de urânio, menor do que um cubo de Rubik, chegou às mãos de dois investigadores da Universidade de Maryland, no verão de 2013. Os testes sugeriram que tinham um dos 664 cubos de urânio que estiveram num falhado reator nuclear nazi numa uma caverna sob a cidade de Haigerloch, na Alemanha.

De acordo com o artigo publicado na revista Physics Today, a dupla de cientistas começou a acompanhar o que aconteceu com as centenas de cubos de urânio recolhidos por cientistas alemães para as suas experiências nucleares. Através deste trabalho, conseguiram entender porque é que a visão de Hitler de criar a primeira potência nuclear do mundo permaneceu apenas um sonho.

Estudiosos há muito argumentam que a Alemanha nunca poderia ter criado uma arma nuclear até ao final da guerra, simplesmente porque não tinham urânio suficiente para fazer o seu reator de teste funcionar.

No entanto, novas investigações revelaram que pelo menos mais 400 cubos podem ter sido localizados na Alemanha na época. Embora isso ainda não tivesse sido suficiente – realisticamente precisavam de outros 664 mais cubos -, aponta para uma grande fraqueza do esforço nuclear nazi: rivalidades amargas e má administração.

“O programa alemão foi dividido e competitivo. Enquanto que, sob a liderança do general Leslie Groves, o American Manhattan Project foi centralizado e colaborativo”, disse em comunicado a coautora do estudo, Miriam Hiebert, candidata a doutorado na Universidade de Maryland. “Se os alemães tivessem reunido os seus recursos, em vez de mantê-los divididos entre experiências rivais, poderiam ter construído um reator nuclear em funcionamento”.

No entanto, o autor principal, Timothy Koeth, admite: “Mesmo que os 400 cubos adicionais tivessem sido levados para Haigerloch para serem usados ​​na experiência do reator, os cientistas alemães ainda precisariam de mais água deuterada para fazer o reator funcionar”.

Além do cubo de Maryland, dez outros cubos foram identificados em todo o país, cada um com uma história diferente. Depois de a Alemanha nazi ter sido derrotada, os EUA iniciaram a Operação Paperclip, um programa secreto para trazer mais de 1.600 cientistas, engenheiros e técnicos alemães para trabalhar em projetos do governo dos EUA.

É provável que a migração tenha algo a ver com isso. O trabalho de investigação especula que os cubos “chegaram às mãos de um ou mais funcionários do Projeto Manhattan como destroços de peso para a guerra”.

Embora seja improvável que a história completa seja conhecida, os investigadores estão à procura do conjunto completo de cubos, que argumentam que poderia servir para lembrar a humanidade de “uma lição de fracasso científico, embora seja uma falha digna de comemoração”.

“Não sabemos quantos foram entregues ou o que aconteceu com o resto, mas provavelmente há mais cubos escondidos em porões e escritórios em todo o país”, rematou Hiebert.

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Ter um reator nuclear funcionando não significa ser Caparica de fazer uma bomba atômica, são tecnologias distintas, ter urânio em grande quantidade não te dá capacidade de fazer armas nucleares, exemplo disso o Brasil

    • Nós temos a capacidade de construir sim porém através de tratado ou lei que não tenho conhecimento nossa nação não pode contribuir bombas desse tipo

RESPONDER

"DeepNude". Inteligência Artificial "tirou a roupa" a mulheres nas redes sociais

A empresa de informação Sensity alertou que mais de 100 mil imagens foram carregadas para um canal de Telegram onde um bot "tirou a roupa" de mulheres. A empresa de segurança Sensity revelou recentemente que existe …

Poluição atmosférica "custa" a cada citadino europeu 1.276 euros por ano

A poluição atmosférica "custa" 1.276 euros por ano a cada cidadão europeu residente em cidades, de acordo com um estudo da Aliança Europeia de Saúde Pública (EPHA) divulgado esta quarta-feira. O estudo chegou ao valor médio …

"Emergência arqueológica". O degelo dos Alpes está a "libertar" artefactos escondidos há milhares de anos

As alterações climáticas podem estar a ajudar os arqueólogos a encontrar artefactos escondidos nos glaciares do Alpes há milhares de anos. O derretimento dos glaciares dos Alpes está a "liberta" objetos que permaneceram congelados no tempo …

Thermite RS3 é o primeiro robô de combate a incêndios dos EUA (e está pronto a entrar ao serviço)

O Corpo de Bombeiros de Los Angeles, nos Estados Unidos, deu as boas-vindas ao mais recente membro da equipa: um bombeiro robótico. O Thermite RS3 é um rover de controlo remoto capaz de bombear milhares de …

Inventor dinamarquês que matou jornalista no seu submarino escapou da prisão (mas já foi apanhado)

O inventor dinamarquês Peter Madsen, condenado a prisão perpétua por torturar e assassinar a jornalista sueca Kim Wall, fugiu da prisão esta terça-feira.  As autoridades dinamarquesas capturaram-no minutos depois. Peter Madsen, o dinamarquês condenado a prisão …

Molécula descoberta por menina de 14 anos pode levar a uma cura para a covid-19

A jovem norte-americana de 14 anos, Anika Chebrolu, descobriu uma molécula que pode levar a uma potencial cura para a covid-19. Enquanto cientistas dos quatro cantos do mundo trabalham no desenvolvimento de uma vacina para a …

Cerca de 1.300 reclusos fogem de prisão no Congo após ataque do Estado Islâmico

Cerca de 1.300 reclusos escaparam de uma prisão na República Democrática do Congo na manhã de terça-feira, após um ataque reivindicado pelo Estado Islâmico, informou a Organização das Nações Unidas (ONU). Embora as autoridades locais tenham …

Amesterdão vai usar flores para impedir que os ciclistas estacionem bicicletas nas pontes

A cidade conhecida pelo uso de bicicletas, vai agora tomar uma medida em relação ao estacionamento destas nas pontes. Tudo para proteger as vistas para os seus famosos canais. Amesterdão orgulha-se de ser uma das cidades …

Morreu voluntário envolvido no ensaio da vacina de Oxford. Tinha 28 anos e era médico recém-formado

As autoridades de saúde brasileiras divulgaram esta quarta-feira a morte de um voluntário dos testes da vacina contra a covid-19, desenvolvida pelo laboratório AstraZeneca e pela Universidade de Oxford. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), …

Milo, o "comunicador de ação" que permite conversar em grupo durante atividades ao ar livre

Chegou o Milo, o novo aparelho que vai revolucionar as aventuras em grupo. Este pequeno dispositivo permite-lhe conversar com o seu grupo à distancia sem precisar de levar o smartphone para o meio da montanha, …