Meteoritos desconhecidos podem estar a “bombardear” a atmosfera da Terra à velocidade da luz

Não é segredo que a Terra ocasionalmente recebe rochas do Espaço que explodem na atmosfera ou causam impacto na superfície. A Terra também vê chuvas de meteoros regularmente sempre que passa por nuvens de detritos no Sistema Solar. Além disso, a Terra é regularmente bombardeada por objetos suficientemente pequenos para passarem despercebidos.

De acordo com um novo estudo dos astrónomos da Universidade de Harvard, Amir Siraj e Abraham Loeb, é possível que a atmosfera da Terra esteja a ser bombardeada por meteoros maiores – entre um milímetro a 10 centímetros – que são extremamente rápidos. Estes meteoros poderiam ser o resultado de supernovas próximas que aceleram partículas a velocidades sub-relativísticas ou mesmo relativísticas – de vários milhares de vezes a velocidade do som a uma fração da velocidade da luz.

O estudo, que foi publicado este mês na revista científica Astrophysical Journal e que está disponível no servidor de pré-impressão ArXiv, aborda um mistério contínuo na astrofísica: a questão se a ejeta criada por uma supernova pode ou não ser acelerado a velocidades relativísticas e viajar através do meio interestelar para alcançar a atmosfera da Terra.

A existência destes tipos de meteoros, que mediriam cerca de um milímetro de diâmetro, foi proposta por vários astrónomos no passado, incluindo Lyman Spitzer e Satio Hayakawa. A questão de saber se poderiam ou não sobreviver à viagem pelo espaço interestelar também foi estudada longamente.

“As evidências empíricas indicam que pelo menos uma supernova atirou elementos pesados na Terra no passado. Sabe-se que as supernovas libertam quantidades significativas de poeira em velocidades sub-relativísticas. Também vemos evidências de aglomeração ou balas na supernova ejecta. A fração de massa contida em pequenos aglomerados é desconhecida, mas se apenas 0,01% da poeira ejeta estiver contida em objetos de tamanho milimétrico ou maior, esperaríamos que um meteoro sub-relativístico aparecesse na atmosfera da Terra todos os meses (com base no taxa de supernovas na Via Láctea)”, explicou Siraj, em declarações ao Universe Today.

Apesar de ter uma sólida base teórica, permanece a questão sobre se meteoros maiores do que um grão de poeira entram ou não na atmosfera da Terra em velocidades sub-relativísticas ou relativísticas. Grande parte do problema relaciona-se com a nossa metodologia de investigação atual, que não está configurada para procurar este tipo de objetos.

“Os meteoros normalmente viajam perto de 0,01% da velocidade da luz“, disse Siraj. “Portanto, as investigações atuais são ajustadas para encontrar sinais de objetos que se movem nessa velocidade. Os meteoros das supernovas viajariam cem vezes mais rápido (cerca de 1% da velocidade da luz) e, portanto, os seus sinais seriam significativamente diferentes dos meteoros típicos, tornando-os facilmente esquecido pelos estudos atuais”.

Para o estudo, Siraj e Loeb desenvolveram um modelo hidrodinâmico e radiativo para rastrear a evolução de cilindros de plasma quente resultantes de meteoros sub-relativísticos que passam pela atmosfera. A partir disso, calcularam que tipo de sinais seriam produzidos.

“Descobrimos que um meteoro sub-relativístico daria origem a uma onda de choque que poderia ser captada por um microfone e também a um flash brilhante de radiação visível em comprimentos de onda óticos – ambos com duração de cerca de um décimo de milissegundo. Para meteoros mais pequenos do que um milímetro, um pequeno detetor ótico (um centímetro quadrado) poderia facilmente detetar o flash de luz no horizonte”.

Siraj e Loeb descreveram o tipo de infraestrutura que permitiria aos astrónomos confirmar a existência dos objetos e estudá-los. Por exemplo, novas investigações poderiam incorporar microfones de infrasom e instrumentos de infravermelho ótico que detetariam a assinatura acústica e os flashes óticos criados por estes objetos que entram na atmosfera e as explosões resultantes.

Com base nos seus cálculos, recomendam uma rede global de cerca de 600 detetores com cobertura total do céu, capaz de detetar alguns destes tipos de meteoros por ano. Existe também a opção de procurar nos dados existentes sinais de meteoros sub-relativísticos e relativísticos. Por último, existe a possibilidade de usar a infraestrutura existente para procurar sinais destes objetos.

A recompensa seria poder estudar um conjunto inteiramente novo de objetos que interagem regularmente com a atmosfera da Terra. Também forneceria uma nova perspetiva para o estudo de supernovas, permitindo que os astrónomos impusessem restrições importantes à ejeta que produzem.

ZAP //

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. Eu acho que toda matéria observavel pelos ordinários com tecnologia moderna, tem uma função e só pôr si não pode consistir numa fonte de observação oficialmente credível!

RESPONDER

Consumo excessivo de álcool afeta o sistema nervoso (e aumenta a ansiedade)

Investigadores do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde concluíram que o consumo repetitivo de álcool afeta diretamente células imunes do sistema nervoso central, que eliminam parte da comunicação entre os neurónios, e provoca o …

Afinal, os tubarões-baleia macho não são os maiores peixes dos oceanos

Um novo estudo revela que, afinal, os tubarões-baleia machos não são os maiores peixes do oceano. As fêmeas crescem continuamente muito depois de os machos pararem, atingindo tamanhos maiores - ainda que demorem mais tempo …

Exército norte-americano usou fundos de emergência covid-19 para comprar armas

O exército dos Estados Unidos utilizou fundos de emergência aprovados pelo Congresso especificamente para combater a covid-19 para comprar armas, denuncia esta semana o jornal norte-americano The Washington Post. O caso remonta a março passado, …

Carpinteiros usam técnica medieval na reconstrução de Notre Dame

A reconstrução de Notre Dame - que se prevê estar concluída no prazo de cinco anos - continua a avançar e os carpinteiros usaram técnicas medievais para erguer uma estrutura na fachada do monumento. A Catedral …

Durante um ano e meio, uma aldeia inteira perdeu a Internet todos os dias à mesma hora (e já se sabe porquê)

Durante 18 meses, os residentes de uma vila no País de Gales perderam a Internet todos os dias à mesma hora. Agora, engenheiros identificaram o motivo: uma televisão em segunda mão que emitia um sinal …

Gado na UE produz 704 milhões de toneladas de CO2 (mais do que todos os transportes juntos)

De acordo com uma nova análise da Greenpeace, animais de criação como vacas, porcos e outros, estão a emitir mais gases com efeito de estufa na Europa do que todos os transportes juntos. Na última década, …

É distraído e está sempre a perder a carteira? A Cashew Smart Wallet é para si

Uma simples carteira pode vir a melhorar os seus dias. A Cashew Smart Wallet é dotada de uma tecnologia de bluetooth que permite proteger os seus bens e ainda o ajuda caso a perca por …

Desportivo das Aves SAD desiste do Campeonato de Portugal

O Desportivo das Aves SAD vai abdicar da participação no Campeonato de Portugal (CdP), após ter falhado as negociações com o Perafita para utilizar as instalações do clube de Matosinhos. "As inscrições fechavam ontem [terça-feira] e …

Celebridades doam dinheiro para pagar dívidas a ex-presos impedidos de votar nos EUA

O bilionário Michael Bloomberg, o cantor John Legend e o basquetebolista LeBron James são algumas das celebridades que estão a doar dinheiro para pagar dívidas de ex-presidiários da Florida, impedidos de votar nas próximas eleições …

No debate sobre o Plano de Recuperação, evocou-se Sócrates e Passos

O líder do PSD questionou o primeiro-ministro se pretende "fomentar o desemprego" com o aumento do salário mínimo. O chefe do Governo manifestou-se "completamente perplexo". Na abertura do debate sobre o Plano de Recuperação e Resiliência, …