Economistas podem ser a chave para resolver crise de resistência aos antibióticos

Cientistas podem não ser os únicos capazes de resolver a crise de resistência aos antibióticos. Economistas podem ser fundamentais para impulsionar uma maior investigação a este problema.

Impulsionadas pelo uso generalizados de antibióticos, as infeções bacterianas estão a tornar-se cada vez mais resistentes ao tratamento. Relatórios recentes estimam que, sem ação, até 2050 a resistência aos antibióticos poderá causar até 10 milhões de mortes por ano e uma redução do PIB entre 2 e 3,5%.

Estes avisos são semelhantes aos das mudanças climáticas. Um aumento de 2ºC na temperatura média da superfície da terra poderá reduzir o PIB em 3%.

No entanto, a diferença com as mudanças climáticas é que as análises económicas ajudaram nas recomendações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e nas decisões tomadas pela comunidade internacional no Acordo de Paris.

Na opinião dos investigadores, este tipo de análises também deveria ser recorrente no debate sobre a resistência aos antibióticos.

Paralelismo

O uso de antibióticos e combustíveis fósseis impõe custos futuros, por exemplo, de infeções potencialmente fatais e condições meteorológicas extremas. As pessoas podem sentir pouco incentivo para reduzir o uso de antibióticos ou combustíveis fósseis, porque as consequências negativas do seu uso apenas podem acontecer no futuro.

Além disso, essas consequências podem ser inevitáveis, a menos que mais pessoas também reduzam o seu uso.

No recente estudo, publicado na revista Science, os investigadores argumentam que, assim como as mudanças climáticas, a precaução requer a definição de metas ambiciosas, mas também pragmáticas, para reduzir o uso de antibióticos o mais apressadamente possível.

Tal como acontece com as alterações climáticas, a ciência por si só não pode resolver a crise de resistência aos antibióticos. Em particular, o desenvolvimento de novos antibióticos não é apenas um problema científico. Sem os incentivos corretos, as empresas farmacêuticas não tentarão desenvolver os novos medicamentos necessários.

Soluções económicas

Uma variada gama de medidas económicas podem ajudar a combater o uso desnecessário de antibióticos enquanto estimula o desenvolvimento de novos antibióticos.

O desenvolvimento de novos antibióticos raramente é lucrativo. Face a isto, a maioria das grandes empresas farmacêuticas desiste da ideia. São necessárias bolsas de investigação e créditos fiscais para ajudar a reduzir os custos de investigação e desenvolvimento de medicamentos.

Desenvolver novos antibióticos tem de ser lucrativo, caso contrário, não há incentivo para as empresas farmacêuticas os criarem. Uma das soluções pode ser a introdução de um esquema de permissão para aquisição de antibióticos recém-desenvolvidos, onde as organizações de saúdam pagam uma taxa de licenciamento pelo direito de usar um certo número de doses anualmente.

Outra solução seria pagar às empresas farmacêuticas um prémio de seguro para fornecer acesso a antibióticos quando forem necessários. Os prémios poderiam ser renegociados em intervalos regulares.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Capital das tempestades, Júpiter tem relâmpagos bizarros e chuva "mole" nunca antes vista

Com tempestades constantemente a devastar a sua superfície e uma Grande Mancha Vermelha que se agita há séculos, Júpiter é conhecido como a "capital das tempestades do Sistema Solar". Agora, a missão Juno, da NASA, …

Metro de Nova Iorque pede à Apple para melhorar sistema de reconhecimento facial

A autoridade que gere o metro de Nova Iorque, nos Estados Unidos, pediu à gigante tecnológica Apple para melhorar o reconhecimento facial dos seus dispositivos depois de serem observados vários passageiros a retirar a máscara …

Rival da Tesla diz que o seu carro terá uma autonomia de 832 quilómetros

A empresa Lucid Motors, concorrente direta da Tesla no mercado automóvel elétrico, afirma que o seu carro Air terá uma autonomia de 832 quilómetros. A confirmar-se a autonomia deste carro, o automóvel da Lucid Motors ultrapassará …

Moradores das Maurícias estão a cortar o próprio cabelo para ajudar a evitar um desastre ambiental

Moradores das Maurícias estão a cortar o seu próprio cabelo para para tentar minimizar os danos causados pelo derrame de petróleo de um navio janponês encalhado nos recifes de coral ao largo da ilha. Estima-se que …

Atalanta 1-2 PSG | Reviravolta épica vale bilhete para as “meias”

Um final impróprio para cardíacos e o epílogo perfeito num excelente jogo. O PSG esteve a perder desde o minuto 27, mas em apenas três minutos dos descontos deu a volta ao texto diante da …

Um emblemático transplante nos EUA aconteceu graças a um coração "roubado"

Um dos primeiros transplantes de coração realizados no mundo aconteceu no Estados Unidos. O que muitos não sabem é que este caso de sucesso também deu aso ao primeiro processo civil no país por homicídio …

"Pandemia de sem-abrigo" nos EUA. Há 30 milhões de pessoas sob risco de despejo

Nos Estados Unidos da América avizinha-se uma "pandemia de sem-abrigo". Até ao final de setembro, 30 milhões de norte-americanos estão em risco de despejo devido à covid-19. Nos Estados Unidos, a pandemia de covid-19 pode estar …

Tráfego nas autoestradas cai para quase metade. Foi o pior trimestre de sempre

A rede da Associação Portuguesa das Sociedades Concessionárias de Autoestradas ou Pontes com Portagens (APCAP) registou de abril a junho "o pior trimestre de circulação e tráfego médio desde que há registos", recuando 46% devido …

Bielorrússia cortou acesso à internet e tentou fazer com que parecesse um acidente

No seguimento da reeleição de Alexandr Lukashenko na Bielorrússia, multiplicam-se os apagões de internet. O Governo diz que se trata de um ataque cibernético, mas há suspeitas de que seja um plano do presidente. Os protestos …

Resgatados 28 cães sem registo ou vacinas de barracões onde também vivia a proprietária em Lisboa

Vinte e oito cães foram retirados pela PSP terça-feira de barracões em Lisboa onde também vivia a proprietária, avança a agência Lusa, detalhando que os animais serão depois colocados para adoção.  Os animais foram posteriormente recolhidos …