Economistas podem ser a chave para resolver crise de resistência aos antibióticos

Cientistas podem não ser os únicos capazes de resolver a crise de resistência aos antibióticos. Economistas podem ser fundamentais para impulsionar uma maior investigação a este problema.

Impulsionadas pelo uso generalizados de antibióticos, as infeções bacterianas estão a tornar-se cada vez mais resistentes ao tratamento. Relatórios recentes estimam que, sem ação, até 2050 a resistência aos antibióticos poderá causar até 10 milhões de mortes por ano e uma redução do PIB entre 2 e 3,5%.

Estes avisos são semelhantes aos das mudanças climáticas. Um aumento de 2ºC na temperatura média da superfície da terra poderá reduzir o PIB em 3%.

No entanto, a diferença com as mudanças climáticas é que as análises económicas ajudaram nas recomendações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e nas decisões tomadas pela comunidade internacional no Acordo de Paris.

Na opinião dos investigadores, este tipo de análises também deveria ser recorrente no debate sobre a resistência aos antibióticos.

Paralelismo

O uso de antibióticos e combustíveis fósseis impõe custos futuros, por exemplo, de infeções potencialmente fatais e condições meteorológicas extremas. As pessoas podem sentir pouco incentivo para reduzir o uso de antibióticos ou combustíveis fósseis, porque as consequências negativas do seu uso apenas podem acontecer no futuro.

Além disso, essas consequências podem ser inevitáveis, a menos que mais pessoas também reduzam o seu uso.

No recente estudo, publicado na revista Science, os investigadores argumentam que, assim como as mudanças climáticas, a precaução requer a definição de metas ambiciosas, mas também pragmáticas, para reduzir o uso de antibióticos o mais apressadamente possível.

Tal como acontece com as alterações climáticas, a ciência por si só não pode resolver a crise de resistência aos antibióticos. Em particular, o desenvolvimento de novos antibióticos não é apenas um problema científico. Sem os incentivos corretos, as empresas farmacêuticas não tentarão desenvolver os novos medicamentos necessários.

Soluções económicas

Uma variada gama de medidas económicas podem ajudar a combater o uso desnecessário de antibióticos enquanto estimula o desenvolvimento de novos antibióticos.

O desenvolvimento de novos antibióticos raramente é lucrativo. Face a isto, a maioria das grandes empresas farmacêuticas desiste da ideia. São necessárias bolsas de investigação e créditos fiscais para ajudar a reduzir os custos de investigação e desenvolvimento de medicamentos.

Desenvolver novos antibióticos tem de ser lucrativo, caso contrário, não há incentivo para as empresas farmacêuticas os criarem. Uma das soluções pode ser a introdução de um esquema de permissão para aquisição de antibióticos recém-desenvolvidos, onde as organizações de saúdam pagam uma taxa de licenciamento pelo direito de usar um certo número de doses anualmente.

Outra solução seria pagar às empresas farmacêuticas um prémio de seguro para fornecer acesso a antibióticos quando forem necessários. Os prémios poderiam ser renegociados em intervalos regulares.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

O futuro dos 28 arguidos da Operação Marquês já está traçado

O futuro dos 28 arguidos da Operação Marquês, incluindo o do antigo primeiro-ministro José Sócrates e o do banqueiro Ricardo Salgado, está decidido. Uma fonte judicial adiantou ao Expresso que só o juiz Ivo Rosa conhece …

Portugal "não está livre de uma quarta vaga" de contágios quando desconfinar

Na quarta-feira, Graça Freitas admitiu que Portugal pode voltar a enfrentar uma nova vaga da pandemia de covid-19 nos próximos meses. O epidemiologista Manuel Carmo Gomes repete o alerta da diretora-geral da Saúde. Portugal pode enfrentar …

PCP propõe estender moratórias por seis meses. BE quer ouvir Centeno

O PCP quer estender as moratórias bancárias, que vão terminar dentro de algumas semanas, por seis meses. O Bloco de Esquerda entregou um requerimento, com carácter de urgência, para ouvir o Governador do Banco de …

Plano de desconfinamento tem várias velocidades, mas não tem datas

O primeiro esboço do plano de desconfinamento já chegou a São Bento e será apresentado na reunião do Infarmed, marcada para a próxima segunda-feira. A equipa de peritos - liderada por Óscar Felgueiras, da ARS/Norte, e …

A Islândia foi atingida por 17 mil terramotos na semana passada (e uma erupção pode estar iminente)

Mesmo para uma ilha vulcânica acostumada a tremores ocasionais, esta foi uma semana incomum para a Islândia. De acordo com o Escritório Meteorológico da Islândia, cerca de 17 mil terramotos atingiram a região sudoeste de …

Átomo extinto revela segredos da infância do Sistema Solar

Usando o átomo extinto nióbio-92, uma equipa de investigadores da ETH Zurich, na Suíça, conseguiu explicar eventos do início do sistema solar com a maior precisão de sempre. Se um átomo de um elemento químico tiver um …

Marcelo cria nova equipa em Belém para controlar "bazuca" europeia

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, criou uma equipa para manter uma vigilância apertada sobre a gestão do dinheiro que chega da "bazuca" europeia. Marcelo Rebelo de Sousa criou uma nova equipa para a …

Espanha vai proibir viagens durante a Páscoa. França, Hungria e Brasil com novas restrições

Espanha prepara-se para aprovar um plano de desconfinamento para as próximas semanas, particularmente para a Páscoa, que prevê a proibição de viajar entre as suas comunidades autónomas e recolher obrigatório entre as 22h00 e as …

FBI detém funcionário de Donald Trump pela invasão ao Capitólio

O Departamento Federal de Investigação (FBI) deteve na quinta-feira um funcionário do ex-Presidente dos Estados Unidos Donald Trump pela invasão ao Capitólio a 6 de janeiro, noticiaram os media norte-americanos. Trata-se de Federico Klein, um homem …

Bebidas, fatos e centro "fantasma". Presidência portuguesa da UE debaixo de fogo após gastos "incomuns"

A presidência portuguesa do Conselho Europeu está no olho do furacão depois de uma reportagem que evidencia as "despesas incomuns" com bebidas, fatos e um centro de imprensa "fantasma", em contratos que custaram "centenas de …