Economistas podem ser a chave para resolver crise de resistência aos antibióticos

Cientistas podem não ser os únicos capazes de resolver a crise de resistência aos antibióticos. Economistas podem ser fundamentais para impulsionar uma maior investigação a este problema.

Impulsionadas pelo uso generalizados de antibióticos, as infeções bacterianas estão a tornar-se cada vez mais resistentes ao tratamento. Relatórios recentes estimam que, sem ação, até 2050 a resistência aos antibióticos poderá causar até 10 milhões de mortes por ano e uma redução do PIB entre 2 e 3,5%.

Estes avisos são semelhantes aos das mudanças climáticas. Um aumento de 2ºC na temperatura média da superfície da terra poderá reduzir o PIB em 3%.

No entanto, a diferença com as mudanças climáticas é que as análises económicas ajudaram nas recomendações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e nas decisões tomadas pela comunidade internacional no Acordo de Paris.

Na opinião dos investigadores, este tipo de análises também deveria ser recorrente no debate sobre a resistência aos antibióticos.

Paralelismo

O uso de antibióticos e combustíveis fósseis impõe custos futuros, por exemplo, de infeções potencialmente fatais e condições meteorológicas extremas. As pessoas podem sentir pouco incentivo para reduzir o uso de antibióticos ou combustíveis fósseis, porque as consequências negativas do seu uso apenas podem acontecer no futuro.

Além disso, essas consequências podem ser inevitáveis, a menos que mais pessoas também reduzam o seu uso.

No recente estudo, publicado na revista Science, os investigadores argumentam que, assim como as mudanças climáticas, a precaução requer a definição de metas ambiciosas, mas também pragmáticas, para reduzir o uso de antibióticos o mais apressadamente possível.

Tal como acontece com as alterações climáticas, a ciência por si só não pode resolver a crise de resistência aos antibióticos. Em particular, o desenvolvimento de novos antibióticos não é apenas um problema científico. Sem os incentivos corretos, as empresas farmacêuticas não tentarão desenvolver os novos medicamentos necessários.

Soluções económicas

Uma variada gama de medidas económicas podem ajudar a combater o uso desnecessário de antibióticos enquanto estimula o desenvolvimento de novos antibióticos.

O desenvolvimento de novos antibióticos raramente é lucrativo. Face a isto, a maioria das grandes empresas farmacêuticas desiste da ideia. São necessárias bolsas de investigação e créditos fiscais para ajudar a reduzir os custos de investigação e desenvolvimento de medicamentos.

Desenvolver novos antibióticos tem de ser lucrativo, caso contrário, não há incentivo para as empresas farmacêuticas os criarem. Uma das soluções pode ser a introdução de um esquema de permissão para aquisição de antibióticos recém-desenvolvidos, onde as organizações de saúdam pagam uma taxa de licenciamento pelo direito de usar um certo número de doses anualmente.

Outra solução seria pagar às empresas farmacêuticas um prémio de seguro para fornecer acesso a antibióticos quando forem necessários. Os prémios poderiam ser renegociados em intervalos regulares.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Emissões que estão a destruir camada de ozono vêm de duas províncias da China

A produção do clorofluorocarboneto (CFC) 11 foi proibida em todo o mundo em 2010. Mas, em 2018, verificou-se que a taxa de declínio do CFC tinha abrandado cerca de 50% desde 2012, o que significava …

O Japão fez um pedido ao mundo: Digam corretamente o nome do primeiro-ministro

Num momento em que se preparam uma série de eventos importantes no Japão, como a cimeira G20 e os Jogos Olímpicos de verão 2020, o ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Taro Kono, fez um pedido …

Ministério Público pede libertação do antigo líder da Juve Leo

O Ministério Público pediu esta sexta-feira a libertação de Fernando Mendes, antigo líder da claque do Sporting Juventude Leonina, justificando o pedido com o grave problema de saúde que enfrenta. Fernando Mendes foi detido a 7 …

Entender o que as pessoas mais temem pode ajudar a prevenir desastres naturais

Entender o que preocupa as pessoas é crucial para enfrentar perigos naturais e para a mitigação dos seus efeitos. Segundo uma análise avançada na quinta-feira, para evitar desastres, a população local, as autoridades municipais e …

Afinal, foi Banksy. Artista confirma autoria de mural em Veneza

O artista Banksy deixou a sua marca em Veneza ao pintar um mural sobre os migrantes no Mediterrâneo, uma certeza que chegou esta sexta-feira através do Instagram do artista, depois das suspeitas levantadas na semana …

"Engarrafamento" no Evereste. Já morreram cinco pessoas

Um norte-americano de 54 anos e uma mulher indiana morreram na quarta-feira na descida do monte Evereste, num dia que ficou marcado por um "engarrafamento" na montanha mais alta do mundo. O alpinista Nirmal Purja …

Se as europeias se disputassem nas redes sociais, ganharia o PAN

Se as eleições europeias, que se realizam no próximo domingo, fossem disputadas nas redes sociais, o Partido das Pessoas, Animais e Natureza, cuja lista é encabeçada por Francisco Guerreiro, teria fortes probabilidades de vencer. A …

Japão. Aplicação que protege as vítimas de assédio nos metros descarregada em número recorde

As mulheres no Japão estão a descarregar a aplicação Digi Police em número recorde. Trata-se de uma aplicação gratuita para 'smartphones', criada pela Polícia Metropolitana de Tóquio com o intuito de proteger as vítimas de …

Explosão em Lyon faz pelo menos oito feridos. Macron fala em "ataque"

Uma explosão de origem desconhecida numa rua pedonal do centro da cidade de Lyon, no leste de França, fez esta sexta-feira pelo menos oito feridos, noticiou a agência AFP. A Reuters adianta que serão dez …

Jesus foi abordado por clubes portugueses (mas só volta para disputar títulos)

O treinador português Jorge Jesus, que em janeiro deixou o comando técnico do  Al Hilal da Arábia Saudita, confirmou ter sido abordado por dois clubes portugueses, não adiantando os nomes dos emblemas.  Em declarações à SportTV …