Economistas podem ser a chave para resolver crise de resistência aos antibióticos

Cientistas podem não ser os únicos capazes de resolver a crise de resistência aos antibióticos. Economistas podem ser fundamentais para impulsionar uma maior investigação a este problema.

Impulsionadas pelo uso generalizados de antibióticos, as infeções bacterianas estão a tornar-se cada vez mais resistentes ao tratamento. Relatórios recentes estimam que, sem ação, até 2050 a resistência aos antibióticos poderá causar até 10 milhões de mortes por ano e uma redução do PIB entre 2 e 3,5%.

Estes avisos são semelhantes aos das mudanças climáticas. Um aumento de 2ºC na temperatura média da superfície da terra poderá reduzir o PIB em 3%.

No entanto, a diferença com as mudanças climáticas é que as análises económicas ajudaram nas recomendações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas e nas decisões tomadas pela comunidade internacional no Acordo de Paris.

Na opinião dos investigadores, este tipo de análises também deveria ser recorrente no debate sobre a resistência aos antibióticos.

Paralelismo

O uso de antibióticos e combustíveis fósseis impõe custos futuros, por exemplo, de infeções potencialmente fatais e condições meteorológicas extremas. As pessoas podem sentir pouco incentivo para reduzir o uso de antibióticos ou combustíveis fósseis, porque as consequências negativas do seu uso apenas podem acontecer no futuro.

Além disso, essas consequências podem ser inevitáveis, a menos que mais pessoas também reduzam o seu uso.

No recente estudo, publicado na revista Science, os investigadores argumentam que, assim como as mudanças climáticas, a precaução requer a definição de metas ambiciosas, mas também pragmáticas, para reduzir o uso de antibióticos o mais apressadamente possível.

Tal como acontece com as alterações climáticas, a ciência por si só não pode resolver a crise de resistência aos antibióticos. Em particular, o desenvolvimento de novos antibióticos não é apenas um problema científico. Sem os incentivos corretos, as empresas farmacêuticas não tentarão desenvolver os novos medicamentos necessários.

Soluções económicas

Uma variada gama de medidas económicas podem ajudar a combater o uso desnecessário de antibióticos enquanto estimula o desenvolvimento de novos antibióticos.

O desenvolvimento de novos antibióticos raramente é lucrativo. Face a isto, a maioria das grandes empresas farmacêuticas desiste da ideia. São necessárias bolsas de investigação e créditos fiscais para ajudar a reduzir os custos de investigação e desenvolvimento de medicamentos.

Desenvolver novos antibióticos tem de ser lucrativo, caso contrário, não há incentivo para as empresas farmacêuticas os criarem. Uma das soluções pode ser a introdução de um esquema de permissão para aquisição de antibióticos recém-desenvolvidos, onde as organizações de saúdam pagam uma taxa de licenciamento pelo direito de usar um certo número de doses anualmente.

Outra solução seria pagar às empresas farmacêuticas um prémio de seguro para fornecer acesso a antibióticos quando forem necessários. Os prémios poderiam ser renegociados em intervalos regulares.

ZAP //

PARTILHAR

RESPONDER

Alverca 2-0 Sporting | Leões desinspirados afastados da Taça pelo Alverca

O Alverca surpreendeu hoje o Sporting com uma vitória por 2-0, na terceira eliminatória da Taça de Portugal, tornando-se no primeiro grande «tomba-gigantes» da competição ao afastar o atual detentor do troféu. Alex Apolinário, aos 10 …

A Barbie também arrenda casa no Airbnb

A boneca mais famosa do mundo celebra 60 anos. Agora, a empresa que produz a Barbie, a Matel, tornou a boneca uma anfitriã no Airbnb e vai arrendar uma mansão à beira-mar em Malibu, na …

Os primeiros bebés podem nascer no Espaço daqui a 12 anos

A empresa SpaceBorn United pretende realizar missões espaciais entre 24 e 36 horas para que algumas mulheres dêem à luz em órbita dentro de 12 anos. A notícia é avançada pelo fundador e CEO da empresa, …

Japão importou cinco vírus mortais, incluindo Ebola, por causa de Tóquio 2020

Com os Jogos Olímpicos à porta, um laboratório japonês decidiu importar cinco vírus mortais, nomeadamente Ebola, para fazer frente a um eventual surto durante a competição que vai levar ao país mais de 600 mil …

Empresa anónima quer os direitos do seu rosto para construir robôs (e paga 115 mil euros)

Uma empresa privada anónima está a oferecer 115 mil euros pelos direitos de usar o seu rosto numa nova linha de robôs humanóides. A empresa quer usar a imagem para dar uma cara a um robô …

Empresa está a vender vinho (com flocos de ouro) para celebrar o Brexit

Quando o Reino Unido abandonar a União Europeia, uma saída programada para 31 de outubro, é provável que as pessoas celebrem com um vinho especial com flocos de ouro. Para aqueles que querem celebrar a saída …

Neandertais ocuparam ilhas do Mediterrâneo dezenas de milhares de anos antes do que se pensava

Cientistas descobriram provas de que a ilha de Naxos, na Grécia, já era habitada por neandertais há 200.000 anos, dezenas de milhares de anos antes do que se pensava até agora. Um estudo publicado esta quinta-feira …

Testes "bárbaros" em macacos levam ativistas a pedir encerramento de laboratório alemão

Durante meses, um ativista pelos direitos dos animais trabalhou no Laboratório de Farmacologia e Toxicologia (LPT, na sigla inglesa), em Hamburgo, na Alemanha, onde testemunhou situações de violência contra os animais utilizados em testes e …

Próxima cimeira do G7 vai ser num resort de Donald Trump

A próxima cimeira do G7 será realizada num dos clubes de golfe do Presidente norte-americano, Donald Trump, na Florida, e o clima não constará da agenda de trabalhos, disse esta quinta-feira o chefe de gabinete …

Russos e ucranianos estão em guerra por causa de sopa

A sopa de beterraba é russa ou ucraniana? Um tweet do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Federação Russa veio falar em prato nacional e a reação na Ucrânia não tardou a chegar. O tweet é de …