Afinal, dormir oito a nove horas pode não ser o ideal

Desde a infância ouvimos que o cérebro humano adulto precisa de 8 a 9 horas de sono por dia para funcionar de forma eficaz. Mas talvez não seja essa a quantidade de horas ideal.

Num estudo com mais de 500 mil participantes é sugerido que, se tem entre 38 e 72 anos e está interessado em manter uma boa memória, maior foco e mais habilidade na resolução de problemas e tomada de decisão, então 8 a 9 horas de sono podem ser demais, como relatou o Inc.

De acordo com o estudo, publicado em maio na revista Nature Aging, os investigadores descobriram que o ideal é dormir sete horas.

O estudo foi desenvolvido por investigadores do Instituto de Ciência e Tecnologia para Inteligência Inspirada no Cérebro da Universidade Fudan, na China, e do Instituto de Neurociência Clínica e Comportamental da Universidade de Cambridge, no Reino Unido.

Ao invés de focar em problemas de saúde associados ao sono, a investigação centrou-se no cérebro dos participantes. Estes responderam a um inquérito sobre os seus hábitos de sono, a sua saúde mental e bem-estar, e realizaram igualmente uma série de testes cognitivos.

Além disso, foram analisadas imagens cerebrais e dados genéticos de 40 mil dos 500 mil participantes.

Aqueles que dormiam muito ou pouco tendiam a sair-se pior nos testes de processamento mental e atenção visual, a demonstrar pior memória e habilidades de resolução de problemas e a ter mais sintomas de ansiedade e depressão.

Sete horas de sono por noite foi a quantidade ideal de sono para o desempenho cognitivo, mas também para uma boa saúde mental, com as pessoas a experimentar mais sintomas de ansiedade e depressão e pior bem-estar geral se relatassem dormir por períodos mais longos ou mais curtos.

A consistência também é outro fator importante: as sete horas não são uma média – na qual se dormem dez horas numa noite e quatro na seguinte.

“Para cada hora que se afasta das sete horas”, o resultado é pior, referiu Barbara Sahakian, da Universidade de Cambridge, uma das autoras do estudo. A especialista não percebe, no entanto, a razão pela qual dormir mais do que sete horas demonstra ter um efeito negativo.

“Embora não possamos afirmar de forma conclusiva que dormir pouco ou demais causa problemas cognitivos, esta análise de indivíduos por um longo período de tempo parece apoiar essa ideia”, indicou Jianfeng Feng, da Universidade Fudan.

Os investigadores indicaram que se devem ter em consideração as questões de causalidade versus correlação. Por exemplo, em termos da meta de sono de sete horas, pode ser que as pessoas que dormem menos tenham uma maior probabilidade de relatar problemas de saúde mental e bem-estar.

Ou também pode ser que as pessoas com problemas de saúde mental durmam mais ou menos devido a esses problemas.

Para as crianças, o ponto ideal do sono ainda está mais próximo das nove horas.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.