Doentes com covid-19 assintomáticos transmitem menos que os sintomáticos

Um estudo recente investigou a progressão da infeção de covid-19 em estudantes e funcionários no laboratório de testes clínicos da Universidade de Boston (BU).

Segundo a Medical Live Sciences, os resultados do estudo permitiram observar que indivíduos com covid-19 assintomáticos e pré-sintomáticos contribuíram para a transmissão da SARS-CoV-2, tal como os indivíduos sintomáticos.

No entanto, os pacientes assintomáticos são geralmente menos infecciosos do que os pacientes sintomáticos — ou seja, adquiriram cargas virais mais baixas que os indivíduos sintomáticos, que manifestaram as cargas virais mais elevadas. As cargas virais dos pré-sintomáticos encontravam-se entre estes extremos.

Protocolo seguido

A reação quantitativa em cadeia da polimerase de transcrição inversa (qRT-PCR) é o padrão atual para os testes de coronavírus.

Este teste deteta o ácido ribonucleico SARS-CoV-2 (RNA) e comunica os valores do limiar do ciclo (CT), também referidos como intensidade do sinal PCR. Os valores de CT, inversamente proporcionais à carga viral, refletem o quão infecioso é o vírus.

Por conseguinte, seria lógico assumir que os valores de CT seriam diferentes para indivíduos sintomáticos e assintomáticos da covid-19.

As informações relacionadas com a carga viral, os valores de CT, o momento de início dos sintomas, e a transmissibilidade da SRA-CoV-2 ajudaram os especialistas nos atuais esforços de mitigação do vírus.

O estudo preliminar, pré-publicado em janeiro na medRxiv, incluiu cerca de 40.000 estudantes e funcionários do campus da Universidade de Boston (BU).

Destes 40.000 indivíduos, os investigadores amostraram 1.633 que deram positivo no teste covid-19, entre 7 de agosto de 2020, e 18 de março de 2021.

A equipa analisou retrospetivamente os sintomas clínicos, dados epidemiológicos de rastreio de contactos, e investigações laboratoriais em valores de CT.

A análise dos valores de CT em bruto incluiu todos os 1.633 casos positivos de SARS-CoV-2. Esta análise abrangeu todo o conjunto de dados, faixas etárias, bem como populações de estudantes e funcionários.

Foram utilizados iniciadores RT-qPCR, visando N1, N2, e RNA polimerase (RNase P) para avaliar cada amostra de teste.

As amostras com valores CT alvo N1 e N2 acima de 40 foram consideradas negativas para o SARS-CoV-2, enquanto que os valores abaixo de 40 para, pelo menos, um alvo, foram considerados positivos.

O alvo do gene humano RNase P foi utilizado para controlo de qualidade e não foi  para normalizar os valores N1 ou N2.

Todos os sujeitos de teste foram categorizados como pré-sintomáticos, sintomáticos, ou assintomáticos, e registaram os seus sintomas numa entrevista, com um profissional de saúde treinado.

Os indivíduos pré-sintomáticos experimentaram sintomas no dia 0 do teste RT-qPCR positivo ou em qualquer dia até 10 dias.

Os indivíduos assintomáticos não desenvolveram sintomas relacionados com a covid-19 antes ou depois de um teste RT-qPCR positivo, enquanto os indivíduos sintomáticos tiveram sintomas antes do dia do teste.

Durante o período de estudo, todos os casos positivos da SARS-CoV-2, independentemente dos sintomas, foram colocados em quarentena durante o mesmo período de tempo.

Conclusões do estudo

Os resultados do estudo permitiram observar uma forte relação entre a intensidade do sinal RT-qPCR e a presença ou ausência de sintomas.

Assim, os indivíduos assintomáticos tinham as cargas virais mais baixas— valores CT mais elevados — enquanto que os indivíduos sintomáticos tinham as cargas virais mais elevadas, e os pré-sintomáticos se encontravam entre estes extremos.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Os resultados demonstraram que os indivíduos sintomáticos tinham, em média, cargas virais mais elevadas do que aqueles que eram pré-sintomáticos ou assintomáticos, sugerindo assim que são mais infecciosos.

O protocolo dos Centros de Controlo e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos exige que ambos os resultados dos antigénios nucleocapsidos (N1 e N2) sejam positivos para que o resultado global do teste RT-qPCR seja declarado positivo.

No presente estudo, um teste RT-qPCR positivo foi considerado positivo quando um ou ambos os resultados do alvo antigénico N1 ou N2 davam positivo, o que torna esta estratégia de teste mais sensível do que a definição do CDC, embora um pouco menos específica.

Contudo, esta foi a abordagem escolhida, uma vez que a deteção de indivíduos assintomáticos com baixas cargas virais teria tornado a propagação de covid-19 mais eficaz, no campus de BU.

As comparações dos valores de CT entre os grupos de infetados foram realizadas através de testes estatísticos não paramétricos, testes Kruskal-Wallis, e Mann-Whitney U.

Os resultados mostraram que apenas 12,4% dos testes positivos tinham um único valor de CT amplificado (N1 ou N2) e eram assintomáticos.

Os estudos futuros vão mostrar se os valores de CT podem prever a capacidade de transmissão do novo coronavírus de cada indivíduo.

Enquanto que 87,7% do total de casos amplificaram ambos os alvos N1 e N2, 7,7% dos casos apenas amplificaram N1 e 4,7% apenas amplificaram N2.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Dos 87,7% de casos que detetaram ambos os alvos, 48,0% eram pré-sintomáticos, 34,2% eram sintomáticos, e 17,7% eram assintomáticos.

Ainda assim, não houve muita diferença na distribuição de indivíduos pré-sintomáticos, assintomáticos, ou sintomáticos entre as populações com apenas o alvo N1 ou apenas o N2. Isto sugere que os resultados globais diferiram ligeiramente dos testes definidos pelo protocolo do CDC.

Os resultados foram consistentes com o que os investigadores propuseram, sustentando que os pacientes assintomáticos são geralmente menos infecciosos do que os pacientes sintomáticos.

Uma vez que os valores da CT estão fortemente associados à sintomatologia, a maioria dos sujeitos de teste experimentaram pelo menos um sintoma em algum momento antes, ou nos dez dias seguintes ao teste positivo de covid-19.

Aqueles que relataram os sintomas no momento do diagnóstico tinham os valores mais baixos de CT, enquanto que aqueles que permaneceram assintomáticos tinham os valores mais altos de CT.

Apenas 5,5% dos sujeitos dos testes tinham sido vacinados contra a covid-19, na altura da recolha de dados, e a BU não exigiu a comunicação do estado de vacinação.

Este fator impediu a análise da interação do estado de vacinação, em conjunto com os valores de CT ou os sintomas da covid-19.

Estudos adicionais devem agora abordar o estado da vacinação como uma variável na análise, semelhante à descrita neste estudo.

  ZAP //

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE