Os humanos estão a criar condições que podem iniciar uma nova pandemia

Mast Irham / EPA

Os humanos estão a criar condições ambientais que podem levar a novas pandemias, indica um novo estudo da Universidade de Sydney.

O novo estudo da Sydney School of Veterinary Science sugere que a pressão sobre os ecossistemas, as mudanças climáticas e o desenvolvimento económico são fatores-chave associados à diversificação de patogénicos – agentes causadores de doenças, como vírus e bactérias -, o que pode levar a surtos de doenças.

Os investigadores encontraram uma maior diversidade de doenças zoonóticas (transmitidas entre animais e humanos) em países mais desenvolvidos economicamente, com áreas de terra maiores, populações humanas mais densas e maior cobertura florestal.



O estudo também confirma que o crescimento e a densidade populacional são os principais responsáveis pelo surgimento de doenças zoonóticas.

“À medida que a população humana aumenta, também sobe a procura de casas. Para atender a essa procura, os humanos estão a invadir habitats selvagens, o que aumenta as interações entre a vida selvagem, animais domésticos e seres humanos, e acresce o potencial dos insetos saltarem de animais para humanos”, referiu Michael Ward, um dos autores do estudo.

“Até ao momento, esses modelos de doenças têm sido limitados e continuamos focados em entender por que razão as doenças continuam a surgir”, afirmou o especialista.

Além da covid-19, outras doenças zoonóticas que devastaram recentemente as populações humanas incluem a gripe aviária (H5N1), suína (H1N1), Ebola e Nipah – um vírus transmitido por morcegos, recorda o SciTechDaily.

Os especialistas descobriram vários fatores que englobam três categorias de doenças: zoonótica, emergente (doenças recém-descobertas, doenças que aumentaram de ocorrência ou que ocorreram em novos locais) e humana, sendo que cada uma delas prevalece em diferentes zonas do planeta.

Por exemplo, as doenças zoonóticas, que têm como principais impulsionadores a área terrestre, a densidade populacional humana e a área da floresta, são mais comuns na Europa, América do Norte, América Latina, Austrália e China.

Já as doenças emergentes, impulsionadas pela área terrestre, densidade populacional humana e índice de desenvolvimento humano prevalecem mais na Europa, América do Norte, América Latina e Índia.

Por sua vez, as doenças humanas, mais ligadas aos altos gastos com saúde, temperatura média anual, área terrestre, densidade da população humana, índice de desenvolvimento humano e precipitação, são mais habituais na América do Norte, América Latina, China e Índia.

“Prevê-se que países com uma longitude de -50 a -100 como o Brasil, países desenvolvidos como os Estados Unidos e países densos como a Índia tenham uma maior diversidade de doenças emergentes”, refere Ward.

Os investigadores também observaram que as variáveis ​​climáticas, tais como a temperatura e a precipitação, podem influenciar a diversidade de doenças humanas. Em temperaturas mais altas, tendem a haver mais patogénicos emergentes.

“A nossa análise sugere que o desenvolvimento sustentável não é apenas crítico para manter os ecossistemas e desacelerar as mudanças climáticas, como pode informar o controlo, mitigação ou prevenção de doenças ”, afirma Ward.

O estudo foi publicado no jornal Transboundary and Emerging Diseases a 16 de março.

ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. “Os humanos estão a criar condições que podem iniciar uma nova pandemia”. Pudera! Continuam a criar condições para esta continuar!

RESPONDER

Marcelo satisfeito com reabertura “sensata”. Alívio das restrições arranca hoje

O levantamento gradual das restrições em função da vacinação contra a covid-19 arranca este domingo com regras aplicáveis em todo o território continental, inclusive o limite de horário de encerramento até às 2h00 para restauração …

Restos mortais de morcego-vampiro podem desvendar mistérios sobre a espécie extinta

A descoberta da mandíbula de um morcego que viveu há 100 mil anos pode ajudar a responder a algumas incógnitas sobre a espécie extinta. Os restos mortais foram encontrados numa caverna na Argentina. De acordo com …

Vacinação de crianças saudáveis está aberta à "livre escolha dos pais"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, salientou este sábado que as autoridades de saúde não proibiram a vacinação contra a covid-19 para crianças saudáveis, considerando que “esse espaço continua aberto à livre escolha …

Tal como nos humanos, a cafeína ajuda as abelhas a aumentar o foco e a eficácia

Um novo estudo indica que, tal como em muitos humanos, uma injeção de cafeína ajuda as abelhas a manterem-se mais concentradas e a realizarem o trabalho com mais eficiência. Uma equipa da Universidade de Greenwich percebeu …

Astrónomos detetam, claramente e pela primeira vez, um disco a formar satélites em torno de exoplaneta

Com o auxílio do ALMA, do qual o ESO é um parceiro, os astrónomos detetaram pela primeira vez de forma clara a presença de um disco em torno de um planeta fora do nosso Sistema …

E se a Terra parasse subitamente de girar?

O nosso planeta demora 23 horas e 56 minutos a completar uma volta em torno do seu eixo, movendo-se a cerca de 1.770 quilómetros por hora. Aprendemos estes pormenores sobre o planeta azul na escola, …

Sporting 2 - 1 Braga | Leão entra em 2021/22 a rugir

O Sporting parece querer manter a senda de sucesso da época passada e entrou em 2021/22 com o pé direito. Os “leões” bateram o Sporting de Braga por 2-1, num jogo que valeu, sobretudo, pela primeira …

Ensinar crianças a dizer palavrões? Uma cientista acha que é boa ideia

A auto-intitulada "cientista dos palavrões" acredita que ensinar as crianças a usá-los de forma eficiente ajuda os mais novos a perceber como este palavreado afecta outras pessoas. Já se sabia que dizer palavrões é um sinal …

Fósseis misteriosos podem ser uma das provas mais antigas de vida animal na Terra

Elizabeth Turner, cientista numa universidade do Canadá, poderá ter encontrado a prova mais antiga de vida animal na Terra. Uma cientista encontrou possíveis sinais de vida animal multicelular em restos de recifes microbianos de há 890 …

E se o mundo entrasse em colapso? Cientistas descobrem qual o país onde há maior probabilidade de sobreviver

Caso a civilização entre em colapso - uma possível consequência das alterações climáticas - os cientistas já descobriram qual o lugar do mundo onde há maior probabilidade de sobreviver: é na Nova Zelândia. Numa pesquisa, dois …