Ataque aéreo na Síria destrói hospital dos Médicos Sem Fronteiras

Vários ataques durante a manhã desta segunda-feira atingiram vários hospitais e zonas para refugiados, entre eles um dos Médicos Sem Fronteiras. Autoridades turcas dizem que os mísseis são russos.

Dois hospitais foram atingidos por bombardeamentos aéreos na cidade síria de Azaz, perto da fronteira com a Turquia, provocando a morte de pelo menos dez pessoas, avança a BBC.

Testemunhas locais informaram ainda à Reuters que os bombardeamentos também atingiram uma escola que servia de abrigo a refugiados.

Numa outra região síria conhecida por Maarat al-Numan, um outro ataque num hospital sob a gestão dos Médicos Sem Fronteiras foi também atingido por quatro mísseis.

De acordo com a organização, oito pessoas estão desaparecidas e o ataque foi “deliberado”, embora não consigam perceber qual foi a sua origem.

“A destruição deste hospital deixa cerca de 40 mil locais sem acesso a cuidados de saúde nesta região ativa do conflito”, condena Massimiliano Rebaudengo, responsável pela MSF na Síria.

Ainda não é certo quem terá sido o responsável por estes ataques mas, segundo autoridades turcas citadas pela agência Reuters, poderão ter sido mísseis russos.

Segundo a BBC, em quase cinco anos de guerra civil na Síria, já morreram mais de 250 mil pessoas e mais de 11 milhões tiveram de ser deslocadas.

ZAP

PARTILHAR

5 COMENTÁRIOS

  1. É incompreensível este ataque a um hospital e a uma escola por parte da aviação Russo ,enquanto isso as bases do ISIS ficam impunes.difícil de entender a Rússia…

  2. Esta “notícia”, bem analisado o seu conteúdo, remete-nos para a contra-informação praticada pelos turcos, afim de desviar as atenções do verdadeiro massacre que os turcos estão a levar a cabo, há décadas, contra o povo curdo. O jogo de interesses que se joga na Síria está fora das intenções, quer da comunidade internacional, quer dos terroristas no terreno, Al Qaeda e ISIS; contra o regime sírio de Assad; esta ambiguidade tem custos de sangue, mas tem benefícios para as multinacionais do Ocidente cuja perda vidas humanas não interessa, o que interessa são os lucros com a venda de armamento, e a reconstrução do país para satisfazer a avidez das multi-nacionais. Com tantas vezes tem acontecido, estão-se a praticar crimes contra a humanidade e os criminosos são sobejamente conhecidos.

  3. À partida, já se está a culpar, embora: “Ainda não é certo quem terá sido o responsável por estes ataques mas, segundo autoridades turcas citadas pela agência Reuters, poderão ter sido mísseis russos.” Fáz-me lembrar, a mentira/propaganda das armas de destruição maciça no Iraque e depois foi o que se viu e o que se está a ver, dezenas de milhares de mortos, um país destruído, quer em termos de sociedade, quer em termos físicos para satisfazer a gula assassina dos interessados com o lucro das armas, com o lucro da reconstrução.

  4. É impressionante a devastação da Siria e é muito estranho que a Rússia esteja mais preocupada em atacar a oposição democrática na Siria que atacar os torcionários do Daesh ou ISIS,
    Também é incompreensível a acção da Turquia que se preocupa em atacar os Curdos que combatem o daesh ou ISIS, e não mexe uma palha para atacar o ISIS que promove o terrorismo pela Europa ocidental.Parece que estamos no século 16 em que os czares e o império Otomano disputavam influencias territoriais e religiosas.

  5. É muito fácil saber quem foi que bombardeou estes hospitais.
    Se tivessem sido os americanos, teria havido dezenas de parangonas com títulos do género “AMERICANOS destroem hospitais na Síria”, ou “Bombardeamento dos EUA mata médicos dos MSF”.
    A que se seguiriam dias e dias de notícias do género “AMERICANOS admitem erro humano na destruição de ala de hospital”-
    A que se seguiriam dias e dias de notícias do género “General AMERICANO veio pedir desculpa por bombardeamento de hospital dos MSF”.
    Assim aconteceu há um par de meses.
    E desta vez?
    Dois hospitais e uma escola destruídos, e nunca mais se ouviu falar do assunto.
    Porque será?

RESPONDER

Republicação das caricaturas de Maomé foi o motivo do ataque junto ao Charlie Hebdo

A republicação das caricaturas de Maomé terá estado na origem do ataque junto ao edifício da antiga redação do jornal satírico Charlie Hebdo, confessou o principal suspeito. Quatro pessoas foram esta sexta-feira feridas, duas das quais …

Segunda vaga pode matar menos (mesmo com novos casos a disparar)

Os especialistas acreditam que a segunda vaga de covid-19 em Portugal vai ser menos letal, embora o número de novos casos diários possa vir a ser "muito elevado". Isto porque temos a lição mais bem …

BCP disponível para fusão com o Montepio

Na eventualidade de ser necessária uma intervenção, o Millennium BCP mostrou-se disponível para uma fusão com o Banco Montepio. Esta hipótese foi apresentada pela instituição bancária numa reunião com o ministro das Finanças, João Leão. O …

Otamendi mais 55 milhões. O negócio que pode levar Rúben Dias para o City

Rúben Dias está muito próximo de reforçar o Manchester City. O clube inglês oferece 55 milhões de euros mais Nicolás Otamendi em troca. A oficialização do acordo deve estar para breve. O Manchester City está muito …

Líbano: Após um mês no cargo, primeiro-ministro demite-se perante impasse político

O primeiro-ministro designado do Líbano, Mustapha Adib, demitiu-se este sábado do cargo numa altura de impasse político sobre a formação de Governo, um mês depois de ter sido nomeado e da violenta explosão no porto …

Governo joga últimos trunfos à esquerda (mas "na 25.ª hora pode ser PSD a salvá-lo" e esse é outro problema)

A duas semanas do fim do prazo para entregar o Orçamento de Estado para 2021 (OE2021), o Governo ainda não tem garantias de aprovação do documento. E enquanto Marcelo pressiona o PSD para "salvar" o …

-

Governo aponta para regresso progressivo de público aos estádios

O regresso de público aos estádios de futebol continua proibido, devido à pandemia de Covid-19, com o secretário de Estado da Juventude e Desporto a admitir esta sexta-feira a possibilidade de um retorno faseado quando …

Há escolas sem intervalos ao ar livre devido à covid-19

Há escolas que estão a proibir os alunos de passarem os intervalos ao ar livre por receio de contágio do novo coronavírus. O pediatra Hugo Rodrigues considera que "é um perfeito disparate". Como tal, os estudantes …

"Aumentar o salário mínimo é criminoso", diz presidente do Fórum para a Competitividade

Pedro Ferraz da Costa, presidente do Fórum para a Competitividade, antecipa uma onda de desemprego até ao final do ano, que muitas empresas não conseguirão manter a atividade e que aumentar o salário mínimo "é …

Segunda vaga impede mais de 12 milhões de consultas e cirurgias

O cenário de uma segunda vaga em Portugal é bastante provável e prevê-se que mais de 12 milhões de consultas e cirurgias fiquem por fazer. No melhor dos cenários, serão 10 milhões. Um estudo da Associação …