Asteróide que extinguiu os dinossauros levou à multiplicação de espécies de sapos

Cinemuse / Vimeo

O asteróide que extinguiu os dinossauros atingiu a Terra com um energia equivalente a dez mil milhões de bombas de Hiroshima

A enorme diversidade de sapos que existe atualmente é uma consequência do asteróide que extinguiu os dinossauros, afirma um novo estudo realizado por uma equipa de cientistas chineses e norte-americanos.

O estudo, publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences, concluiu que várias populações de sapos surgiram após a extinção dos dinossauros, há 66 milhões de anos. Trata-se de uma contradição a provas anteriores que sugeriram uma origem mais antiga de muitos grupos de sapos.

Os sapos tornaram-se um dos grupos mais diversos de vertebrados, com mais de 6,7 mil espécies descritas. Mas a falta de dados genéticos dificultou as tentativas de determinar a sua história evolutiva.

O novo estudo mostra que as três maiores linhagens de sapos modernos, que juntos correspondem a 88% das espécies de sapos, apareceram quase simultaneamente. Esta impressionante diversificação de espécies parece ter ocorrido logo após a colisão de um asteróide com a Terra, na região que é conhecida como a costa da Península de Yucatán, no México.

Ao libertar mil milhões de vezes mais energia do que uma bomba atómica, o impacto eliminou três quartos da vida na Terra, mas também parece ter estabelecido a base para o aparecimento de vários sapos.

Os cientistas recolheram uma amostra de 95 genes do ADN de 156 espécies de sapos e combinaram esses dados com informações genéticas de 145 outras espécies para criar uma “árvore genealógica” de sapos com base nas suas relações genéticas.

Depois de utilizarem fósseis de sapo como “o verdadeiro embasamento” dos dados genéticos, os cientistas puderam criar um cronograma da sua árvore genealógica e concluíram que os três grandes grupos de sapos – Hyloidea, Microhylidae e Natatanura – têm origem na expansão que ocorreu há 66 milhões de anos.

“Os sapos existem há mais de 200 milhões de anos, mas este estudo mostra que foi com a extinção dos dinossauros que tivemos a explosão de diversidade de sapos que resultou na maioria dos sapos que vemos hoje”, afirmou o especialista David Blackburn, do Museu de História Natural da Florida.

Blackburn destacou que o asteróide terá destruído grande parte da vegetação do planeta mas, quando as florestas começaram a recuperar, os sapos parecem ter sido um dos grupos que aproveitaram ao máximo os novos habitats. No entanto, nenhuma das espécies de sapo que surgiram antes da extinção dos dinossauros e sobreviveram ao asteróide conseguiram adaptar-se para viver em árvores.

O estudo também indica que a distribuição global de sapos segue a desintegração dos supercontinentes, começando com Pangeia, há 200 milhões de anos, e, depois, Gondwana, que se dividiu entre América do Sul e África. Isto sugere que os sapos usaram a Antártida, que ainda não estava coberta de gelo, como um degrau da América do Sul para a Austrália.

“Acho que o mais entusiasmante do estudo é que mostramos que os sapos são um grupo animal muito forte porque sobreviveram ao acontecimento que extinguiu completamente os dinossauros”, adiantou Peng Zhang, da Universidade Sun Yat-Sen, na China.

ZAP // BBC

PARTILHAR

RESPONDER

Cientistas criam hidrogel que se cura a si mesmo como a pele humana

A carne artificial, que pode vir a ser essencial para futuros desenvolvimentos em robótica e dispositivos médicos, está cada vez mais próxima de se tornar realidade. Cientistas na Austrália criaram um novo material gelatinoso que, asseguram, …

As estranhas "riscas de tigre" de Encélado foram finalmente explicadas

A lua gelada de Saturno, Encélado, tem despertado especial interesse na comunidade científica desde que foi observada em detalhe pela sonda espacial da NASA Cassini em 2005. Agora, uma equipa de cientistas encontrou resposta para …

Nicolas Bourbaki foi o maior matemático de sempre (mas nunca existiu)

Considerado como um dos maiores matemáticos de sempre, Nicolas Bourbaki não passava de um pseudónimo adotado por um grupo de grandes matemáticos, que revolucionou a matemática como a conhecemos. Nicolas Bourbaki está entre os maiores matemáticos …

No aquário do Tennessee, é uma enguia que acende as luzes da árvore de Natal

A enguia Miguel Wattson é a responsável pelo espírito natalício que se vive no Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos. O Aquário do Tennessee, nos Estados Unidos, encontrou uma forma inusitada de celebrar esta época festiva: …

Há 34 anos, Diana dançou com Travolta. Agora, o seu vestido foi vendido por 261 mil euros

O vestido que a Princesa Diana usou para jantar na Casa Branca, em 1985, foi vendido por mais de 261 mil euros. O vestido azul que a Princesa Diana usou num jantar na Casa Branca, em …

Doentes crónicos com baixo nível de literacia em saúde recorrem mais às urgências

Os doentes crónicos e com um nível de literacia em saúde mais baixo utilizam mais vezes os serviços de urgência hospitalares e dos centros de saúde, bem como as consultas de medicina geral e familiar, …

Ártico viveu em 2019 o segundo ano mais quente em 119 anos

O Ártico viveu em 2019 o seu segundo ano mais quente desde 1900, de acordo com um relatório publicado na terça-feira, aumentando receios de degelo e aumento do nível da água. O Polo Norte está a …

Jardineiro encontra por acaso a obra mais procurada de Gustav Klimt. Estava no galeria onde foi roubada

Um funcionário da galeria de arte Ricci Oddi, na cidade italiana de Piacenza, encontrou por acaso a obra mais procurado do pintor austríaco Gustav Klimt. Estava na própria galeria, onde a obra terá sido roubada …

YouTube reforça políticas contra assédio online

O YouTube anunciou, esta quarta-feira, um conjunto de alterações às políticas que visam combater o assédio que existe na plataforma. O YouTube anunciou esta quarta-feira o reforço das suas políticas contra o assédio online, que preveem …

Deus bebé indiano vence caso em tribunal e reinvindica território sagrado

O Supremo Tribunal Indiano declarou Ram Lalla Virajman, um deus bebé, como o legítimo proprietário de Ayodhya, uma terra no norte da Índia considerada sagrada por muçulmanos e hindus. O tribunal decidiu que o Governo …