As traições ajudaram a espécie humana a espalhar-se pelo mundo

Viktor M. Vasnetsov / Wikimedia

-

Uma nova investigação sugere que foram as traições e as desconfianças que ajudaram a espécie humana a espalhar-se tão rapidamente por todo o mundo.

Esta conclusão retirada de um estudo da arqueóloga Penny Spikins, da Universidade de York, no Reino Unido, evidencia que o aparente sucesso humano na conquista do mundo é, afinal, apenas uma manifestação do lado mais negro da natureza da humanidade.

A investigadora debruçou-se sobre a forma como os humanos se espalharam por todos os cantos do planeta.

Segundo o estudo da arqueóloga, a dispersão dos nossos antepassados mais primitivos era lenta e surgia sobretudo provocada por fenómenos ambientais, nomeadamente secas que provocavam a escassez de alimentos – e era, muitas vezes, travada por barreiras ambientais ou climáticas.

Mas, há cerca de 100 mil anos, essa dispersão da espécie humana pelo mundo mudou significativamente, efectuando-se de forma muito mais rápida e independente de quaisquer barreiras.

O estudo de Penny Spikins relaciona esta alteração com mudanças nas relações emocionais dos humanos.

A arqueóloga considera que as “traições e quebras de confiança” foram o principal motor para essa dispersão rápida, e que os humanos foram movidos pelo “desejo de evitar o dano físico de ex-amigos desiludidos”.

“Os conflitos morais provocam mobilidade substancial – o furioso ex-aliado, ex-companheiro ou ex-grupo, com uma lança envenenada ou uma intenção de procurar vingança ou justiça, são uma forte motivação para fugir e para assumir quase todos os riscos para o fazer”, diz Penny Spikins, citada pelo site da Universidade de York.

“Enquanto vemos a dispersão global da nossa espécie como um símbolo do nosso sucesso, parte das motivações para tais movimentos reflectem um lado negro, embora não menos colaborativo, da natureza humana”, acrescenta a investigadora.

Na pesquisa, publicada na Open Quaternary, a arqueóloga alega que os compromissos entre humanos se tornaram cada vez mais vitais para a sobrevivência e que, por isso, as comunidades começaram, cada vez mais, a punir aqueles que eram considerados traidores.

Isto levou ao desenvolvimento do lado mais negro da natureza humana, provocando “disputas morais motivadas pela quebra de confiança” e sentimentos de “traição” cada vez mais frequentes, o que obrigava os elos mais fracos a afastarem-se dos seus rivais, movidos pelo rancor e pelo medo de retaliações, independentemente dos riscos que pudessem correr nessa aventura.

“As colonizações activas de e através de terreno perigoso são difíceis de explicar através de escolhas imediatas e pragmáticas”, constata Penny Spikins, frisando que essa explicação é mais fácil de fazer através do “aumento da forte motivação de magoar outros, mesmo que às próprias custas, que os compromissos emocionais alargados acarretam”.

SV, ZAP

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

  1. Que “investigação” mais patética. Só podia ser americana. O entendimento da pré-história e história e da evolução da espécie humana ao longo do tempo, incluindo a actualidade não é propriamente o ponto forte deles. A história para eles resume-se aos cowboys, à guerra civil americana, ao desembarque na Normandia, às batalhas navais contra o Japão e pouco mais.

RESPONDER

Sondas espaciais com "cunho" português vão passar perto de Vénus

As sondas espaciais europeias Solar Orbiter e BepiColombo, ambas com tecnologia e ciência portuguesas, vão passar perto de Vénus a 9 e 10 de agosto, respetivamente, anunciou esta segunda-feira a Agência Espacial Europeia (ESA). A passagem …

Elvis Presley terá morrido de doenças genéticas (e não por overdose de medicamentos)

Segundo um novo livro de Sally Hoedel, a morte de Elvis Presley estará, afinal, relacionada com o tratamento para doenças congénitas das quais sofria. O cantor norte-americano, que morreu há quase 44 anos, estava fortemente medicado …

A cidade mais populosa de África está a viver em contra-relógio

Os habitantes da Nigéria, o país mais populoso de África, já estão habituados a contornar as inundações anuais que invadem o país. No entanto, este ano a situação saiu fora do controlo, com o principal …

"Pensávamos que a Casa Branca mandava". Biden sob fogo devido ao fim da proibição dos despejos

A inacção de Joe Biden perante o fim das moratórias que proíbem os despejos durante a pandemia está a ser criticada até dentro do próprio Partido Democrata. A moratória federal aos despejos acabou este sábado, para …

Na ausência de Biles, Sunisa Lee coroou-se rainha da ginástica. É a primeira hmong a ganhar ouro

Sunisa Lee chegou a Tóquio com a missão de ajudar os Estados Unidos a garantir o ouro e de garantir a presença em finais individuais de aparelhos. Com o abandono de Biles, tornou-se a estrela …

Presidente afegão culpa retirada “abrupta” dos EUA pelo rápido avanço dos talibãs

O chefe de Estado afegão prometeu vencer o conflito com as milícias talibãs e os Estados Unidos dizem-se prontos a receber mais milhares de refugiados. O Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, prometeu esta segunda-feira vencer o …

42% das pessoas em enfermaria no Hospital de são João têm vacinação completa

No Centro Hospitalar de São João (CHSJ), 42% das pessoas internadas em enfermaria e 15% das internadas em unidades de cuidados intensivos tinham a vacinação completa. Segundo os últimos dados da Direção-Geral da Saúde (DGS), apenas …

António Oliveira e uma arbitragem "conveniente"

Athletico Paranaense perdeu novamente no Brasileirão e a equipa de arbitragem ajudou os vencedores, queixou-se o treinador português. O Athletico Paranaense, líder do Brasileirão nas primeiras jornadas, está numa fase negativa: apenas uma vitória nas últimas …

André Ventura - Chega

Autárquicas. Chega concorre sozinho a 220 municípios para avaliar o seu "impacto"

André Ventura anunciou esta segunda-feira que o Chega irá concorrer nas eleições autárquicas a “cerca de 220 municípios” do país, sublinhando que o partido vai a votos sozinho para avaliar o seu “impacto”, mas sem …

Ex-guarda nazi julgado aos 100 anos por cumplicidade em assassinatos

Um homem de 100 anos que supostamente serviu como guarda num campo de concentração nazi será julgado em outubro por cumplicidade no assassinato de mais de 3.500 pessoas durante a Segunda Guerra Mundial, informou a …