Cuidados Intensivos precisam já dos 26 milhões prometidos pelo Governo (ou os “hospitais voltam a parar”)

Giuseppe Lami / EPA

A região de Lisboa e Vale do Tejo concentra, por esta altura, mais de 80% dos novos casos diários de infecção pelo coronavírus e alguns hospitais já estão a enviar doentes para unidades na periferia. Com o prolongar da pandemia, os Cuidados Intensivos podem ficar sobrelotados e sem capacidade de resposta, alerta um médico intensivista.

O médico Philip Fortuna, do Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central (CHULC) que integra as Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) dos Hospitais Curry Cabral e São José, alerta que os 26 milhões de euros prometidos pelo Governo para o reforço da resposta nas UCI do Serviço Nacional de Saúde são mesmo necessários para evitar a ruptura destes serviços no Inverno, quando se espera que a pandemia volte a piorar.

“A proposta de mais investimento que o Governo anunciou, dar mais dinheiro aos hospitais para aumentar a capacidade de resposta nos cuidados intensivos, tem mesmo de avançar e já”, sustenta o médico em entrevista ao Diário de Notícias (DN).

O investimento de 26 milhões nas UCI está previsto no Plano de Estabilização Económica e Social que foi aprovado neste mês de Junho, com o intuito de aumentar o número de camas nas UCI e de contratar mais pessoal para estas unidades.

Philip Fortuna, que também é coordenador do Programa ECMO (oxigenação por membrana extracorporal), entende que “esta verba não [pode] ficar cativada, porque senão quando chegar o Inverno podemos ter mais covid e os hospitais vão ter de parar outra vez só para tratar estes doentes”. “Tal como tiveram de parar agora, mas uma coisa é pararem na fase aguda da doença, outra coisa é pararem todos os anos por causa disto, porque o vírus vai continuar por aí”, alerta.

O médico dá o exemplo da Unidade de Emergência Médica do Hospital de São José, onde as 22 camas polivalentes existentes foram divididas para acolher doentes de covid-19 e pacientes sem a infecção.

“Isto fez com que tivéssemos de dividir a equipa e que tivéssemos de criar circuitos independentes, o que faz com que a lotação de camas não seja a mesma”, salienta Philip Fortuna.

“Se um dia tenho a zona de doentes não Covid cheia, e a ala de doentes com Covid só com uma cama ocupada, é como se não tivesse mais camas, mesmo que mais de metade das camas Covid estejam vagas, o mesmo acontece se fosse o contrário”, acrescenta.

“Com a covid-19, para o mesmo número de doentes precisamos de mais recursos humanos, precisamos de mais camas, exatamente porque nos obriga a ter muitos mais doentes em isolamento“, esclarece o profissional de saúde.

Deste modo, o médico diz que tem de “haver um equilíbrio”. “Os hospitais não podem fechar só para tratar covid. Ou seja, temos todos de aprender a conviver com a doença, desde unidades, profissionais e população”, sublinha.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Destemida e aventureira. Com apenas 18 anos, Simone Segouin ajudou a França a derrotar os nazis

Quando tinha apenas 18 anos, Simone Segouin juntou-se à Resistência Francesa para capturar as tropas nazis, sabotar os planos alemães e lutar contra o fascismo no seu país. Apesar de ter abandonado a escola bastante cedo, …

Orgulho e ciúmes. Corrida armamentista entre Coreias coloca ambiente de paz em risco

A relação entre a Coreia do Norte e a Coreia do Sul é conhecida por ser bastante conturbada, sendo que nos últimos anos já ocorreram alguns incidentes entre os países. Agora, as duas nações peninsulares …

"Estória mal contada": a saída de João Marques do Famalicão

Perto do final do campeonato feminino de futebol, o treinador das candidatas ao título abandona o emblema minhoto. Provavelmente porque vai liderar outra equipa minhota. Adeptos não gostaram. A Liga BPI, a primeira divisão nacional feminina …

Livre cede lugares à IL e ao Volt. Vasco Lourenço fala em "chicana política"

O Livre cedeu, esta quarta-feira, quatro lugares da sua comitiva no desfile que assinala o 25 de Abril à Iniciativa Liberal e ao Volt Portugal, depois da comissão promotora os ter informado de que não …

Pena de morte diminuiu. Execuções globais atingem o número mais baixo numa década

Globalmente, foram executadas 483 pessoas em 2020, o número mais baixo registado pela Amnistia Internacional (AI) numa década, marcando uma redução de 26% em relação a 2019 e 70% comparativamente a 2015. Segundo um artigo da …

Putin avisa que quem ameaçar a Rússia "se irá arrepender como nunca"

O presidente Vladimir Putin emitiu um alerta durante o seu discurso anual ao Governo. O líder frisou que qualquer membro da comunidade internacional que ameace a Rússia "se irá arrepender como nunca se arrependeu antes". O …

Nove anos depois, Bruxelas deixa de monitorizar atividade da CGD

A Direção-Geral da Concorrência da Comissão Europeia (DG Comp) encerrou o processo de monitorização do plano estratégico da Caixa Geral de Depósitos (CGD). "A Caixa Geral de Depósitos, S.A. (CGD) informa que recebeu comunicação da Direção …

Se não fosse o vídeo de Darnella Frazier, "Derek Chauvin ainda seria polícia"

Darnella Frazier, na altura com 17 anos, foi a responsável pelo vídeo que mostra o ex-agente da polícia Derek Chauvin a prender o afro-americano George Floyd, que acabou por não resistir. Esta terça-feira foi um dia …

Eutanásia. Jurisdição do PSD considera haver matéria para processo disciplinar a Rio e Adão Silva

O Conselho Nacional de Jurisdição do PSD considerou que existe "matéria bastante para abertura de processo disciplinar" ao presidente do partido e ao líder parlamentar por violação de uma decisão do Congresso sobre eutanásia, faltando …

"Um charro para uma vacina." Ativistas oferecem canábis a nova-iorquinos vacinados

"Um charro para uma vacina." Este é o mote dos ativistas pela legalização da canábis que, esta terça-feira, ofereceram um charro às pessoas que receberam pelo menos a primeira dose da vacina contra a covid-19 …