PSD e CDS receberam indevidamente 100 mil euros do Estado

O PSD e o CDS-PP receberam em conjunto um total de 100 mil euros do Estado a que não tinham direito. O montante diz respeito à subvenção pública pela campanha eleitoral das legislativas de 2015.

A conclusão é da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos (ECFP) que considerou estes pagamentos “absurdos” e contrários à lei. De acordo com a entidade, a ECFP não pode tomar medidas porque a decisão de pagamento parte apenas da Assembleia da República.

O relatório de contas da campanha de 2015, a que a TSF teve acesso, conta que em causa está a candidatura isolada do PSD e CDS-PP aos círculos da Madeira e Açores nas eleições legislativas de 2015. Ao contrário do que acontece no resto do país, nestes círculos os dois partidos não concorreram coligados.

Segundo a ECFP, a lei é clara: só têm direito à subvenção os partidos que se candidatem a pelo menos 51% dos lugares no Parlamento, sendo que, isoladamente, o CDS-PP só concorreu a 2,6% e o PSD a 4,8%.

Acrescentando que não faz partido somar as candidaturas isoladas às candidaturas em coligação do resto do país. Caso contrário, os partidos das coligações “concorreriam, no seu somatório, ao dobro ou triplo dos mandatos previstos para cada círculo”.

O relatório vai ainda mais longe e considera que a solução adotada pelos partidos e pelo Parlamento – que pagou a verba – é “absurda e que, lamentavelmente, não foi minimamente ponderada”, reitera. Para a ECFP, o PSD recebeu 90 mil euros indevidamente e o CDS 8 mil euros.

Apesar das críticas fortes ao Parlamento e aos partidos que pediram o dinheiro público para pagar a campanha, a Entidade acaba por não considerar na decisão final que esta é não é uma irregularidade das contas dos dois partidos. Pois, de acordo com a lei, o cálculo e o pagamento da subvenção são da responsabilidade da Assembleia da República. A Entidade das Contas que fiscaliza os partidos nada pode fazer.

Irregularidades em todos os partidos

Segundo o mesmo relatório da ECFP, foram identificadas irregularidades nas contas da campanhas eleitorais de 2015 em todos os partidos. A CDU e a coligação PSD/CDS-PP lideram o número de infrações.

As conclusões, que só agora foram finalizadas, falhas irregularidades a todos os partidos com lugar no Parlamento. A CDU e a coligação PSD/CDS-PP lideram com quatro tipos de irregularidades cada, seguindo-se o PS com três, o mesmo número de falhas que têm as contas do CDS-PP analisadas isoladamente e não em coligação.

Quanto ao Bloco de Esquerda, foram detetadas duas irregularidades e nas contas do PSD uma, tal como no PAN, revela a TSF. Nenhuma das irregularidades assume grande valor, podendo agora os partido recorrer da decisão para o Tribunal Constitucional.

No caso do Partido Socialista, por exemplo, as três violações à lei do financiamento dos partidos políticos e das campanhas eleitorais estão relacionadas com contribuições do partido mal refletidas nas contas, despesas com idas ao estrangeiro não elegíveis e despesas que não se conseguiu perceber se foram excessivamente valorizadas.

Entre as quatro irregularidades da coligação PSD/CDS-PP está também o facto de terem sido detetadas ações e meios de campanha que não estavam refletidas nas contas, entre as quais duas carrinhas de som e um veículo que transportou Paulo Portas e Pedro Passos Coelho em ações de campanha.

ZAP ZAP //

PARTILHAR

1 COMENTÁRIO

RESPONDER

Plano contra o racismo. Bloco de Esquerda é o único partido a favor de quotas no ensino superior

O Governo colocou em consulta pública o Plano de Combate ao Racismo e Discriminação, que prevê que alunos socialmente desfavorecidos poderão aceder ao Ensino Superior através de contingente especial. O Bloco de Esquerda é o …

Novo Banco vendeu carteiras ao melhor preço (e só depois avaliou conflitos de interesses)

A venda das três carteiras de crédito do Novo Banco em 2019 foi feita pelo preço mais alto e em conformidade com o Acordo de Capitalização Contingente (CCA), segundo a auditoria da Deloitte às operações. “Nos …

UE investiga possível ligação entre tromboses e vacina da Johnson&Johnson nos EUA

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) anunciou esta sexta-feira ter iniciado uma investigação sobre casos de coágulos sanguíneos após toma da vacina da Johnson & Johnson/Janssen contra a covid-19, antes de o fármaco estar disponível …

Cabras

"É um terror. Nunca vi disto". Relâmpago matou 68 cabras no Alto Minho

Um relâmpago matou 68 cabras na freguesia de Gondoriz, em Arcos de Valdevez, distrito de Viana do Castelo. O pastor que perdeu os animais, Dário Silva, diz que, em "40 anos de serra", nunca viu …

Placa de pedra da Idade do Bronze poderá ser o mapa mais antigo da Europa

Uma placa de pedra da Idade do Bronze, redescoberta em 2014 em França, poderá ser o mapa tridimensional mais antigo já conhecido da Europa. De acordo com a BBC, a laje de pedra, conhecida como placa …

TAP conclui programa de rescisões (e lança nova ronda de medidas para evitar despedimento coletivo)

A TAP concluiu o programa lançado para redimensionar o corpo de trabalhadores da companhia e ficou com 750 postos de trabalho preservados e 690 adesões ao programa voluntário de medidas laborais. Num comunicado interno assinado pelo …

Segunda fase da vacinação. Peritos propõem extensa lista de novas (e raras) doenças

A segunda fase de vacinação contra a covid-19 já arrancou em alguns centros de saúde. Os peritos estão a propor uma nova e extensa lista de doenças de maior risco que passam também a ser …

Dietas veganas são boas para o coração? A Ciência sugere que não

Não há evidências científicas que sustentem a alegação de que uma dieta vegetariana faz bem ao coração. No entanto, há outros benefícios neste tipo de alimentação. Cerca de meio milhão de britânicos são agora veganos, de …

Tribunal da Concorrência corta para metade coimas aplicadas ao Montepio

O Tribunal da Concorrência reduziu esta sexta-feira de mais de cinco milhões de euros para pouco mais de dois milhões de euros as coimas aplicadas ao Montepio e a sete antigos administradores pelo Banco de …

"Contornos de desumanidade". Utentes querem poder sair dos lares (e DGS garante que vai rever norma)

Depois de uma semana em que não se registaram nenhumas mortes em lares desde o início da pandemia, as instituições pediram ao Governo que se regresse a um regime mais facilitado de saída dos utentes. Apesar …