O mistério do livro indecifrável escrito numa língua que não existe com criaturas nunca vistas

Simon Worrall / BBC

-

Um livro escrito num idioma que não existe e ilustrado com plantas e criaturas nunca vistas é um dos grandes mistérios da Bibilioteca Beinecke de Manuscritos e Livros Raros da Universidade de Yale, nos Estados Unidos.

O livro é conhecido com o Manuscrito de Voynich, uma homenagem ao comerciante de livros usados Wilfrid Voynich, polaco naturalizado britânico, que terá descoberto o misterioso livro em Itália em 1912.

Desde então, o texto transformou-se numa obsessão de vários especialistas e gerou muitas teorias – algumas científicas, outras mais absurdas.

“A minha teoria favorita é a de que o livro é um diário ilustrado de um adolescente extraterrestre que se esqueceu dele na Terra antes de partir”, diz em tom de piada o curador da Biblioteca Beinecke, Ray Clements.

O manuscrito é, na verdade, um livro pequeno, do tamanho de uma das reedições de clássicos da literatura que geralmente são impressos pela editora Penguin.

A capa é frágil, feita de couro desbotado, da cor de marfim desgastado.

Ao todo são 240 páginas ilustradas. Os desenhos incluem coisas que parecem visões alucinogénicas, plantas estranhas, símbolos astrológicos, criaturas em forma de medusas e o que parece ser uma lagosta.

Numa das imagens pode-se ver um grupo de mulheres nuas de pele muito pálida, que deslizam pelo que parece ser um tobogan de água.

O texto está escrito com tinta castanha e faz lembrar as descrições da língua dos elfos, criada pelo escritor inglês J.R.R. Tolkien para as sua obras, como O Hobbit e O Senhor dos Anéis.

Simon Worrall / BBC

-

Estas duas secções parecem conter ilustrações de mulheres nuas a tomar banho – ou estarão num escorrega de um parque aquático?

Fuga para Inglaterra

Wilfrid Voynich nasceu em 1865, de origem polaca, e vivia na Lituânia, território que, na altura, pertencia ao Império Russo. Foi preso e enviado para a Sibéria por exercer actividades revolucionárias.

Voynich conseguiu escapar da Sibéria através da Manchúria e fugiu para Inglaterra.

Em Londres, estabeleceu uma livraria especializada em textos em segunda mão, que acabou por se converter num centro onde se reuniam os exilados políticos que viviam na capital britânica – e atraía nomes como Karl Marx.

Voynich afirmava que tinha encontrado o manuscrito em Villa Madragone, um seminário jesuíta, nos arredores de Roma.

No manuscrito estava anexada o que parecia ser uma carta escrita em 1665 por Johannes Marcus Marci, um físico do Sacro Império Romano.

A carta dizia que o livro chegou a pertencer a Rodolfo II, imperador do Sacro Império Romano (1576-1612), e que provavelmente seria obra do alquimista inglês Roger Bacon.

Outros dois possíveis autores que estariam envolvidos na criação do manuscrito seriam John Dee, mágico e astrólogo da rainha Elizabeth I, e um dos seus seguidores, Eward Kelley.

Voynich referiu-se ao livro como “o manuscrito com a mensagem codificada de Roger Bacon“.

Beinecke Library / Wikimedia

-

Um livro escrito num idioma que não existe e ilustrado com plantas e criaturas nunca vistas – mistério ou falsificação?

Atração

Desde então, o manuscrito transformou-se num iman de mentes brilhantes – por exemplo, o americano William Friedman, um dos grandes criptógrafos do século 20 e que criou a NSA, a Agência Nacional de Segurança, passou 30 anos de sua vida a tentar decifrar o código do manuscrito.

E as novas teorias sobre o misterioso livro multiplicam-se.

Um botânico americano aposentado afirmou recentemente que algumas das plantas eram originárias da América Central. Já um especialista britânico garantiu que, depois de aplicar os seus conhecimentos em linguística, conseguiu traduzir dez palavras.

Falsificação

No entanto, é possível que o próprio Wilfrid Voynich tenha falsificado o livro.

Um dos artifícios mais comuns na história da falsificação é o de um comerciante de livros raros que “descobre” um manuscrito desconhecido.

Rafał T. Prinke / Wikimedia

Wilfrid Michael Voynich c. 1885

Wilfrid Michael Voynich c. 1885

Voynich é conhecido por ter este “toque mágico”. Afirma-se que ele teria adquirido uma grande quantidade de pergaminhos e que aplicou o seu bom conhecimento de química, obtido na Universidade de Moscovo, para produzir tintas com pigmentos parecidos com os usados na Idade Média.

É possível que, ao falsificar o manuscrito, Voynich tenha feito o que muitos falsificadores antes dele fizeram: criar um segundo documento, para validar o primeiro e lhe dar uma origem plausível.

Até agora só se conseguiu determinar que o couro data do século 15.

Mas, até que sejam feitas análises e exames às tintas e pigmentos do manuscrito, o mistério deste livro continuará a seduzir actuais e futuros “Voynicologistas”.

ZAP / BBC

PARTILHAR

3 COMENTÁRIOS

  1. ; Quanta fantasia e mistificação por um livro !

    Vejamos, no tempo dos romanos, ou período clássico, não se usava livros, mas sim rolos de pergaminho ou papiros. O livro foi introduzido em papel pela civilização árabe na idade média.

    Isso me parece uma escritura de cultura oriental ou idioma arábico. Basta fazer um teste do carbono 14, para acabar com os mistérios e saber quando foi produzido. O tipo de pigmentação me parece também da idade média. Quanto trabalho de falsificação para obter centavos !

    Os árabes no apogeu da civilização foram muito avançados nas técnicas medicinais, agricultura, (enxertos, transplante dentário a partir de ossos, medicina naturopática, etc.). Sim, catalogavam plantas exóticas e me parece tipo de rizomas, das quais eu já vi algumas parecidas. Talvez não seja um grande desenhista, mas bastante convincente para identificação das plantas. O mundo arábico se estendeu por muitas regiões da terra ou em 23 países.

    Ai não tem nada de código secreto, o manual foi concebido para ilustres e cientistas da época aos poucos que sabiam ler. Hoje muitos sabem ler, mas não leem livros, e continuam ignorantes.

    Quanto as mulheres ilustradas, existia e ainda existe uma tradição de purificação das mulheres em aguas antes do casamento, e no qual se fazia esse tipo de ritual em grupos, na mesma data para ter as festividades mais econômicas nas aldeias.

    A falsificação na idade média teria que proposito?
    O que é usado hoje na mídia é sensacionalismo por mistificação, que não leva a nenhuma clarificação ou informação substancial, gerando ignorância em massa.

    • Tem razão, mas arabes nao desenham homens brancos cm cara d irlandes ou alemão, nem mulheres brancas meio gordinha, peladas cm cabelos cacheados. O estilo da escrita e os desenhos passam longe d qualquer coisa árabe. Acredito q é do seculo 1 ao 3 adquirido pelos curandeiros romanos nas invasões. Alguem fez uma nova versao no seculo 15 escrevendo no idioma popular d algum lugar da Turquia ou sul da Rússia.

  2. …O místico presta-se às mentes vulneráveis necessitadas de acreditar em abstrato… Por estas e por outras é que há por aí os que acham que ‘sonos mal dormidos’ são possessões de passageiros de UFOs… A percepção é a realidade de cada um!
    Poético e terreno… O fingidor que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente! (Adap. F.Pessoa)

Responder a Viés Cancelar resposta

Investigadores "voltam atrás no tempo" para calcular idade e local de explosão de supernova

Os astrónomos estão a "voltar atrás no tempo" num remanescente de supernova. Usando o Telescópio Espacial Hubble da NASA, refizeram o percurso dos estilhaços velozes da explosão a fim de calcular uma estimativa mais precisa …

Cientista dos EUA acredita que o monstro do Lago Ness pode ser uma antiga tartaruga marinha

Um importante cientista dos Estados Unidos acredita que desvendou o mistério do Monstro de Lago Ness e pensa que a criatura é uma espécie ancestral de tartaruga marinha. Henry Bauer, professor aposentado de Química e Estudos …

Biden quer banir uma palavra das leis de imigração dos Estados Unidos

Se o projeto de lei proposto por Joe Biden, recém-eleito Presidente dos Estados Unidos, for aprovado, a palavra alien ("estrangeiro") vai desaparecer das leis de imigração norte-americanas, sendo substituída pelo termo noncitizen ("não cidadão"). A …

“As pessoas são mortas na mesquita, na rua e no trabalho". Em Cabul, reina o medo

Os assassínios seletivos de jornalistas, políticos e defensores dos direitos humanos são cada vez mais frequentes no país, com Cabul e várias províncias a registarem um aumento da violência nos últimos meses. O medo está …

"Fiquem em casa". Enfermeiros deixam "grito de alerta desesperado" aos portugueses

A Ordem dos Enfermeiros lançou esta sexta-feira uma campanha de sensibilização a apelar aos portugueses para ficarem em casa, afirmando que é “um grito de alerta desesperado face à situação de catástrofe que se vive …

Senado francês aprovou lei que protege os sons e cheiros do campo

O Senado francês aprovou a lei, esta quinta-feira, que protege o "património sensorial" das áreas rurais do país, depois de várias queixas sobre os ruídos e cheiros típicos do campo. De acordo com o canal televisivo …

Identificado em Portugal o primeiro caso da variante da África do Sul

O primeiro caso de covid-19 associado à variante genética da África do Sul foi identificado esta sexta-feira em Portugal pelo Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge (INSA), adiantou à agência Lusa a instituição. O caso identificado …

Está a nascer o primeiro comboio português a hidrogénio (e vai substituir o Vouguinha)

Já arrancou o projecto para o desenvolvimento do primeiro comboio português a hidrogénio. A iniciativa visa transformar as automotoras a gasóleo que circulam na Linha do Vouga - o comboio chamado Vouguinha - por células …

Guardiola diz que Bernardo Silva "sempre foi importante" para City

O treinador Pep Guardiola disse esta sexta-feira que o português Bernardo Silva “está de volta” ao melhor nível e que “sempre foi importante" para o Manchester City, depois de ter "sentido" dificuldades na temporada passada. “Ele …

Fauci fala de "sentimento libertador" após saída de Trump da Casa Branca

O infeciologista Anthony Fauci, o principal rosto da Casa Branca no combate à pandemia de covid-19, admitiu um sentimento "libertador" após a saída da administração de Donald Trump e afirmou que poderá agora falar sobre …