Andamos a fazer menos sexo (e parte da culpa é das séries de televisão)

Estudos conduzidos em diversos países apontam que as pessoas andam a fazer menos sexo. A nova geração de jovens, sobretudo homens, parece andar mais interessada nos vídeo-jogos e em séries de televisão do que em ter relações sexuais.

É, definitivamente, uma mudança de paradigma. Nas mentes dos jovens de outros tempos, o sexo era o tema dominante, mas, actualmente, com tantas possibilidades no horizonte, parece ter-se tornado quase irrelevante.

Esta é a conclusão de muitas pesquisas efectuadas em vários países. Em Portugal, o assunto não tem sido muito estudado, mas um inquérito realizado pelo Expresso, em 2012, em torno da vida sexual dos portugueses, já concluía que se praticava pouco sexo em geral, não apenas entre os jovens, apesar de se falar muito do assunto.

Numa pesquisa online efectuada pela organização do Eros Porto – o Salão Erótico do Porto – neste ano, metade dos inquiridos responderam que fazem sexo duas a três vezes por semana, 17,6% apenas uma vez e 8% não fazem há, pelo menos, um ano.

Os números podem ser olhados com desconfiança, considerando que estamos perante um público interessado no Eros Porto e que, por isso, poderá ter hábitos sexuais mais activos do que a generalidade da população. Certo é que destoam dos dados que nos chegam de outros países.

A mais recente pesquisa do National Opinion Research Center, o centro de sondagens de opinião da Universidade de Chicago (EUA) que, desde 1972, entrevista pessoalmente milhares de pessoas sobre assuntos variados, nomeadamente o comportamento, aponta que 23% dos inquiridos não fizeram sexo no último ano – é quase o dobro do número registado há 10 anos, em 2008, como refere a BBC que divulga o estudo.

Os investigadores ficaram surpreendidos com a proporção “muito maior do que o esperado” de homens com menos de 30 anos que disseram estar sem fazer sexo há pelo menos 12 meses – 28% dos participantes com idades entre os 18 e os 30 anos, o triplo do número registado em 2008.

As mulheres mais jovens também estão a fazer menos sexo, mas o aumento nesse segmento foi de apenas 8% na última década.

A pesquisa também identificou que mais de metade dos adultos norte-americanos, com idade entre 18 e 34 anos (51%), não está numa relação longa com um parceiro. Em 2004, esse número era de 33%.

Mas no Reino Unido, são os casais já formados que se destacam pela falta de apetite sexual. Uma publicação académica do British Medical Journal usou dados de uma pesquisa com 45 mil pessoas que é feita a cada dez anos, desde 1990, para mapear o comportamento sexual dos britânicos. Os resultados revelam que quase um terço dos inquiridos, homens e mulheres, não fizeram sexo nos últimos 30 dias, segundo destaca a BBC.

Ainda de acordo com o artigo académico, menos de metade dos entrevistados, com idade entre 16 e 44 anos, declararam fazer sexo pelo menos uma vez por semana. A situação piora entre os casais com idades acima dos 25 anos e com casais que são casados ou moram juntos.

O investigador que liderou este estudo britânico, Kaye Wellings, diz ao The Independent que um dos “vários factores” que podem “explicar este declínio” é “o ritmo da vida moderna”. Ele destaca que os mais afectados estão “na meia idade”, sendo pessoas que começaram “as suas famílias em idades mais avançadas do que as gerações anteriores” e que andam, muitas vezes, ocupados a fazer “malabarismo com creches, trabalho e responsabilidades com pais que estão a ficar mais velhos”.

Por outro lado, um estudo sobre sexualidade entre a população sénior que foi realizado na Bélgica, na Dinamarca, na Noruega e em Portugal, aponta dados um pouco diferentes, pelo menos ao que os idosos lusos diz respeito. A pesquisa liderada pelo professor Bente Traen da Universidade de Oslo (Suécia) concluiu que os portugueses com idades entre os 60 e os 75 anos praticam sexo cerca de 2 a 3 vezes por semana, conforme reporta o Jornal de Notícias. A confirmar-se o que os inquiridos garantiram no inquérito, os idosos nacionais revelam uma vida sexual muito mais activa do que belgas, dinamarqueses e noruegueses cuja média de relações sexuais se fica pelas 2 ou 3 vezes por mês.

Porque é que os jovens andam a fazer menos sexo?

Os especialistas acreditam que o facto de os jovens demorarem mais tempo a sair de casa dos pais, dependendo financeiramente da família, tem impacto na sua vida sexual.

De acordo com o Eurostat, os jovens portugueses estão entre os que, dentro da União Europeia, saem de casa dos pais mais tarde, quase aos 29 anos, acima da média comunitária que se situa nos 26 anos. Cerca de 35% dos jovens do sexo masculino entre os 25 e os 34 anos viviam em casa dos pais em 2017, enquanto se verificava o mesmo com 21% dos jovens do sexo feminino.

Por outro lado, o facto de assumirem relações mais duradouras cada vez mais tarde, normalmente depois dos 30 anos, também contribui para a menor regularidade das relações sexuais.

Além disso, a sociedade actual é uma grande consumidora de pornografia online, o que pode estar a ter um efeito negativo nas relações sexuais das pessoas.

O consumo de pornografia pode aumentar o nível de ansiedade e de obsessão com o corpo. Também pode estimular comportamentos negativos dos homens em relação às mulheres, no caso de relacionamentos heterossexuais.

E depois quem passa muito tempo a ver filmes pornográficos sozinho, pode não ter tempo para encontrar um parceiro na vida real.

Há ainda os sites e as aplicações de encontros – em muitos casos, os encontros não passam do mundo virtual.

Hoje em dia, também há “muito mais coisas para fazer às 10 horas da noite do que havia há 20 anos”, constata na BBC a professora de psicologia da Universidade do Estado de San Diego (EUA), Jean Twenge.

A professora acredita que os video-jogos e serviços de streaming como o Netflix podem estar a contribuir para este novo padrão sexual da população. A hora do sexo tem que competir com “vídeos, redes sociais, video-jogos e tudo o mais”, destaca Twenge.

“A vida na era digital é consideravelmente mais complexa do que em eras anteriores, a fronteira entre a esfera privada do lar e o mundo público lá fora está esbatida, e a Internet oferece um espectro assinalável para a diversão”, reforçam os autores do estudo realizado no Reino Unido.

Mas também há muitas pessoas que sofrem de problemas sexuais. Estudos feitos pelo Sex Lab – Laboratório de Investigação em Sexualidade Humana da Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade do Porto concluíram que 40% dos portugueses, de ambos os sexos, sofrem de algum tipo de mal-estar sexual.

Nos homens, os principais problemas são a ejaculação precoce e a dificuldade de erecção, enquanto nas mulheres são as dificuldades de ter orgasmos, de excitação sexual e de lubrificação.

Mas fazer menos sexo é mau?

Este decréscimo na quantidade de relações sexuais não é, necessariamente, mau. “O que é importante para o bem-estar não é quantas vezes as pessoas fazem sexo, mas se isso é importante para elas”, aponta na BBC a professora Kaye Wellings, especialista em investigações relacionadas com o sexo no Reino Unido.

O importante é a qualidade e não a quantidade“, realça também o conselheiro sexual e terapeuta Peter Saddington na BBC. E de resto, se se apreciar a experiência “é mais provável” que se queira repetir.

Mas quem quer fazer mais sexo, precisa necessariamente de se esforçar, alerta Saddington. “Tem que arranjar tempo para o sexo“, nota o terapeuta, frisando que “nem sempre tem que ser espontâneo” e que “colocar uma data no calendário pode ajudar”.

ZAP // BBC

PARTILHAR

4 COMENTÁRIOS

  1. Em suma: se fosse como no tempo dos nossos avós, em que não havia televisão nem demais distrações, a malta dava mais umas “cambalhotas”….
    É preciso que a malta procrie. Manda Deus e peço eu, que quando me reformar é preciso alguém que ma pague!

    • Ora aqui estamos finalmente de acordo! Por um lado em muitos países em vias de desenvolvimento a natalidade deveria ser diminuída. Nas economias mais desenvolvidas a natalidade deveria ser incentivada. É um problema económico gigantesco. Com a população envelhecida e cada vez menos a trabalharem para mais aposentados o sistema não é sustentável.
      Como mais do que alertar para os problemas é preciso procurar soluções aqui vão duas:
      – A UE deveria firmar um acordo com a durex e control para em cada 100 preservativos 5 estarem rotos. É tipo euromilhões.
      – A UE deveria proibir semanalmente, num dia a escolher pelo povo, a interrupção de transmissões televisivas, internet e por aí fora. Esse dia seria doravante designado pelo Dia do Coito.

      Obviamente que os jardins de infância, creches e por aí fora deveriam ser integralmente suportados pelo Estado. Deveriam ter horários mais alargados para os pais poderem ir buscá-los até mais tarde.

  2. “concluiu que os portugueses com idades entre os 60 e os 75 anos praticam sexo cerca de 2 a 3 vezes por semana, conforme reporta o Jornal de Notícias. A confirmar-se o que os inquiridos garantiram no inquérito, os idosos nacionais revelam uma vida sexual muito mais activa do que belgas, dinamarqueses e noruegueses cuja média de relações sexuais se fica pelas 2 ou 3 vezes por mês.”

    Os nossos idosos estão sempre a dar-lhe! Ah valentes!
    Pessoalmente acho que é porque não têm netflix nem videojogos.

RESPONDER

Governo grego apresenta legislação mais restritiva do direito de asilo

O Governo grego enviou na terça-feira ao parlamento uma proposta de lei que endurece os procedimentos para concessão de asilo, reforça os poderes de detenção e acelera as deportações, noticiou a imprensa. A proposta, de 250 …

Libertadores. Jesus veta acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino

Escreve a imprensa brasileira que Jorge Jesus vetou o acesso de funcionários do Flamengo ao derradeiro treino que antecede o jogo com o Grémio para a Libertadores, que vai decidir um dos finalistas da competição. …

Caso do bebé sem rosto. Médico suspenso não viu que menina tinha duas vaginas, um rim e espinha bífida

O Conselho Disciplinar do Sul da Ordem dos Médicos suspendeu preventivamente o obstetra envolvido no caso do bebé que nasceu, em Setúbal, com malformações graves. Entretanto, surgem novos dados sobre suspeitas atribuídas ao médico noutros …

Rede de imigração ilegal no SEF. Denúncias de corrupção eram antigas, mas ficaram na gaveta

A inspectora do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) que foi detida nesta semana, por pertencer alegadamente a uma rede de imigração ilegal, já tinha sido identificada num inquérito interno desta entidade, devido às mesmas …

Bancos querem passar a cobrar por grandes depósitos. Particulares escapam

BCP, Novo Banco e Caixa Geral de Depósitos defendem que é preciso cobrar aos grandes clientes por depósitos de grande dimensão. Particulares e pequenas e médias empresas escapariam desta medida. A ideia foi lançada pelo …

Filho de Bolsonaro já não vai ser embaixador em Washington

O deputado Eduardo Bolsonaro, filho do Presidente do Brasil, anunciou na terça-feira, na Câmara dos Deputados, que desistiu da sua indicação para embaixador do país em Washington, nos Estados Unidos (EUA). Na véspera, Jair Bolsonaro, que …

OE2020. Catarina Martins critica chantagem da Comissão Europeia a cada ano

A coordenadora do Bloco de Esquerda criticou esta terça-feira a chantagem da Comissão Europeia em relação a Portugal repetida a cada legislatura e a cada ano, reiterando a disponibilidade "para negociar um Orçamento do Estado …

Maior parte das escolas não cumprem lei de 2009 sobre a educação sexual

Grande parte das escolas não está a cumprir a lei de 2009 que define como deve ser dada a educação sexual no ensino obrigatório, do 1.º ao 12.º ano de escolaridade. A conclusão surge num relatório …

Pouco poder, mas algum. Deputados únicos podem desencadear revisão da Constituição

Os deputados únicos não têm poder para pedir a votação do programa de Governo, ao contrário dos grupos parlamentares, nem podem sozinhos censurar o Executivo, mas podem desencadear, como qualquer parlamentar, um processo de revisão …

Funcionários públicos esperam entre 100 e 280 dias para se poderem reformar. Processo pode ser acompanhado online

A atribuição das novas pensões de reforma aos funcionários públicos está a demorar, em média, entre 100 a 280 dias - ou seja, entre três e mais de nove meses. A revelação foi feita esta terça-feira, …