Manifesto de peritos propõe fim das taxas moderadoras que não dependem do utente

Prefeitura Rio Bonito RJ

Mais de 80 personalidades portuguesas propõem o fim das taxas moderadoras que não dependem da vontade do utente, considerando que a nova Lei de Bases da Saúde só deve admitir taxas que realmente evitem o acesso desnecessário.

“As ‘falsas taxas moderadoras’, aquelas que não dependem da vontade do utilizador (são efetivamente copagamentos), não devem continuar a ser toleradas“, defende o grupo de 88 signatários de um documento que pretende contribuir para a nova Lei de Bases da Saúde.

No manifesto, assinado por vários peritos da área e a que a Lusa teve acesso, refere-se que as taxas moderadoras “só se justificam quando é possível demonstrar que têm uma ação positiva na moderação da utilização desnecessária de cuidados de saúde”.

O documento é subscrito por várias personalidades reconhecidas da área, como a antiga ministra da Saúde Ana Jorge, o especialista em saúde pública Constantino Sakellarides, o ex-secretário de Estado da Saúde Manuel Pizarro, o antigo bastonário dos Farmacêuticos Aranda da Silva ou pela antiga bastonária dos Enfermeiros Maria Augusta Sousa.

Entre os subscritores estão também vários médicos, como António Leuchner, Filipe Froes, Henrique Botelho, João Goulão, José Manuel Boavida, Jorge Espírito Santo, Júlio Machado Vaz ou Victor Ramos.

Os 88 especialistas sugerem ainda que a nova Lei de Bases da Saúde sublinhe a importância de garantir o acesso aos cuidados de saúde, nomeadamente respeitando os tempos máximos de resposta garantidos.

Quanto ao financiamento do setor, um tema crítico e muito discutido há vários anos, a proposta defende a necessidade de “incluir explicitamente objetivos de saúde na estratégia orçamental do país”.

É ainda preciso “dizer claramente que o financiamento público deve privilegiar, primeiramente o Serviço Nacional de Saúde”. Só depois, de forma “justificada, objetiva e transparente face às necessidades”, o setor social e o privado com fins lucrativos.

Os subscritores consideram que é obrigação do Estado investir no SNS e melhorá-lo continuamente, não sendo essa obrigação compatível com a ideia de um “mercado aberto” em que o serviço público e o privado concorrem em iguais circunstâncias ao financiamento público da saúde.

“Abandonar o SNS a esse mercado, não investindo no seu desenvolvimento, resultaria, em pouco tempo, num serviço público residual, de má qualidade, fazendo tão-somente o que é menos atraente para outrem”, defendem os 88 subscritores.

O documento advoga também que é necessário assegurar que o SNS cuida dos seus profissionais, das suas condições de trabalho, da formação contínua e que as relações de precariedade são desencorajadas, uma vez que afetam a qualidade dos cuidados prestados.

A nova Lei de Bases da Saúde deve ainda assegurar que se aplica uma avaliação de desempenho do SNS a cada dois anos, bem como zelar por princípios de transparência que passem por publicitar resultados, quer do SNS como de outros prestadores.

Os subscritores deste manifesto lembram que as políticas de “ajustamento económico e financeiro” aplicadas ao longo da última década “enfraqueceram consideravelmente o SNS”, havendo duas opções: permitir que a degradação seja definitiva ou lançar as bases de um novo SNS para o século XXI.

ZAP // Lusa

PARTILHAR

RESPONDER

Boavista 1-4 Benfica | Águia goleia no xadrez do Bessa

O Benfica deu o pontapé de saída da 13ª jornada com uma vitória competente na visita ao Boavista, por 4-1. Num jogo potencialmente perigoso para as aspirações “encarnadas”, frente a um adversário com somente uma derrota …

Cientistas desenvolvem técnica para determinar o humor através da caligrafia

Uma equipa de cientistas estudou a biomecânica dos movimentos das mãos a escrever e a desenhar, e desenvolveu um método para avaliar as propriedades individuais da velocidade de escrita e da pressão do lápis no …

Quase seis mil denúncias de agressões sexuais em viagens da Uber nos EUA

A plataforma de transporte de passageiros Uber divulgou na quinta-feira um relatório, revelando quase seis mil denúncias de agressões sexuais a utilizadores, motoristas e terceiros nos Estados Unidos (EUA), em 2017 e 2018. No relatório de …

Polícia de Los Angeles vai usar dispositivo "ao estilo Batman" para prender suspeitos

A polícia de Los Angeles, nos Estados Unidos, vai adotar, no início do próximo ano, um novo dispositivo, conhecido como BolaWrap 100, que dispara um cinto de fibra sintética a uma velocidade de 200 metros …

Corriere dello Sport defende-se das acusações e garante ser "inimigo do racismo"

O jornal desportivo italiano Corriere dello Sport afirmou esta sexta-feira ser “inimigo do racismo”, defendendo-se das críticas motivadas pela manchete de quinta-feira, com o título “Black Friday” e ilustrada com os futebolistas negros Romelu Lukaku …

Alisadores e tintas para cabelo podem aumentar o risco de cancro da mama

Alisadores e tintas para cabelo são dois produtos comummente utilizados por mulheres. Um novo estudo sugere que estes podem aumentar o risco de cancro da mama, especialmente em mulheres negras. Muitos produtos capilares contêm compostos que …

Black Friday. Marca de cosméticos oferece por engano desconto de 96% e perde 10 milhões em duas horas

Uma falha no site oficial da marca de produtos cosméticos Foreo fez com que o seu artigo mais caro fosse vendido com um desconto de 96%, fazendo com que a empresa sueca perdesse 10 milhões …

Camisola usada por Pelé no seu último jogo foi vendida por 30 mil euros em leilão

Uma camisola usada por Pelé no seu último jogo com a seleção brasileira foi vendida por 30 mil euros num prestigiado leilão de objetos desportivos, realizado na quinta-feira em Turim, Itália. A camisola com o número …

A maior entrada de sempre em bolsa. Saudi Aramco garante 25,6 mil milhões de dólares

Para além de fazer uma entrada em estilo na bolsa de Riade na próxima semana, com a maior IPO de sempre, a Saudi Aramco torna-se na empresa mais bem avaliada do mundo. A Saudi Aramco, petrolífera …

Novo livro revela provas de que Albert Camus foi assassinado pelo KGB

Giovanni Catelli é autor da teoria que o prémio Nobel da literatura Albert Camus foi assassinado pelo KGB. No seu novo livro, reitera essa ideia e revela algumas provas. O romancista Albert Camus foi vencedor do …