Nic Bothma / EPA

O governo do Mali anunciou a morte do homem acusado de tentativa de homicídio do Presidente de transição do Mali, coronel Assimi Goita, sob detenção dos serviços de segurança malianos.

“Durante as investigações, o estado de saúde (do suspeito) degradou-se. Admitido no hospital Gabriel Touré e depois no hospital Point G, infelizmente morreu”, segundo um comunicado do governo maliano, difundido pela televisão pública ORTM, citada pela agência Lusa.

“Uma autópsia foi pedida de imediato para determinar as causas da morte”, acrescentou.

O atacante, cuja identidade não foi divulgada, tentou na terça-feira esfaquear o coronel Goita durante a oração muçulmana do Eid al-Adha, na grande mesquita de Bamako. Este foi imediatamente protegido pelos guarda-costas, que dominaram o agressor. O homem forte do Mali saiu ileso do ataque.

O atacante foi detido e foi aberto um inquérito por “tentativa de homicídio e atentado contra a segurança do Estado”, indicaram as autoridades.

“O governo lembra que a morte (do suspeito) não impede a continuação do inquérito já em curso (…) uma vez que os primeiros indícios recolhidos indicam não se tratar de um elemento isolado”, acrescentaram as autoridades, que até aqui não tinha privilegiado qualquer hipótese.

Goita, autor de dois golpes de Estado em menos de um ano no Mali, detém atualmente a presidência do país por um período transitório de 18 meses, que termina em fevereiro, na sequência de um acordo alcançado entre os líderes golpistas malianos e a Comunidade dos Estados da África Ocidental (CEDEAO).

Taísa Pagno //