Islândia já condenou 26 banqueiros a prisão pela crise financeira de 2008

compleo / Flickr

Sede do Banco Central da Islândia, em Reikjavik

Dois tribunais da Islândia anunciaram a condenação a penas de prisão de mais cinco altos dirigentes de Bancos do país, considerados culpados pela crise financeira de 2008. O número de banqueiros responsabilizados já vai em 26.

O Tribunal Supremo da Islândia e o Tribunal de Distrito de Reiquejavique condenaram a penas de prisão três altos dirigentes do Banco Nacional Islandês, o Landsbankinn, e dois administradores do Banco Kaupþing, avança a Iceland Magazine.

Em causa estão crimes financeiros cometidos nas vésperas do colapso económico de 2008.

Com as cinco condenações referidas, são já 26 os banqueiros e financeiros condenados a prisão por delitos relacionados com a crise, num tempo aglomerado de prisão de 74 anos.

De acordo com a referida publicação, 11 ex-banqueiros foram condenados a penas de prisão de 4 anos ou mais.

Os antigos líderes do Banco Kaupþing são os que receberam as penas mais longas, nomeadamente nos casos do ex-CEO, Hreioar Már Sigurosson, e do ex-CEO do Kaupþing Luxembourg, Magnús Guomundsson, condenados a 6 anos de prisão cada por manipulação extensiva do mercado, peculato e violação dos deveres fiduciários.

Seis anos é o máximo da pena de prisão prevista na Islândia para os crimes financeiros. Mas a Justiça pode aplicar penas mais longas quando se confirmem crimes sistemáticos e repetidos.

Essa possibilidade está ainda a ser analisada, conforme frisa a Iceland Magazine, pelo que Hreioar Már Sigurosson e Magnús Guomundsson arriscam penas maiores.

d.r. kjarninn.is

Hreiðar Már Sigurðsson, antigo CEO do Banco Kaupþing

Destaque ainda para as condenações do ex-director do Kaupþing, Sigurour Einarsson (5 anos de prisão), do ex-CEO da divisão interna do Banco, Ingólfur Helgason (4 anos e meio de prisão) e do director da divisão de empréstimos do Banco, Bjarki Diego (2 anos de prisão).

Foi também condenado a 4 anos e meio de prisão um dos principais accionistas do Banco, Ólafur Ólafsson, considerado “um dos mais poderosos “Vikings corporativos” dos anos pré-2008″, segundo destaca a Iceland Magazine.

Outro investidor relevante, Skúli Þorvaldsson, foi condenado a seis meses de prisão.

No Banco Nacional da Islândia foram condenados o ex-CEO Sigurjón Þ. Árnason (3 anos e meio de prisão) e o ex-director do departamento de empréstimos corporativos, Elín Sigfúsdóttir (1 ano e meio de prisão).

Há ainda outros responsáveis do Banco condenados a penas menores.

E há também outros banqueiros e investidores à espera de sentença.

Em 2012, já tinha sido condenado a 2 anos de prisão o ex-Secretário do Ministro das Finanças da Islândia, Baldur Guolaugsson, por abuso de informação.

ZAP

29 COMENTÁRIOS

  1. E fazerem o mesmo cá em Portugal? Isso é que era!
    Mas por cá, responsabilidades… ZERO! Ah pois é.
    Ah, e tal, foi apanhado a roubar o estado… auto-despede-se para 3 meses mais tarde estar a ganhar 5 x mais noutra empresa ligada a ppp’s…
    E que tal responsabilizar esta gentalha e obriga-la a devolver o que roubou?

    PULHAS!

  2. Nos paises nórdicos funciona tudo bem, porque as pessoas têm noção e sentido de cidadania ativa, por isso é que lá toda a gente paga 50% de impostos e as reformas têm um teto, por exemplo, se não me engano na bélgica o teto maximo para uma aposentação é de 1750 euros. Aquilo que as pessoas pagam (e bem) de impostos é-lhes retornado atraves da educação, saude etc. Quando nós, sociedade portuguesa atingirmos esses padroes de cidadania, tudo o resto começa a funcionar…

  3. Aqui está uma boa noticia para a Justiça Portuguesa. Os Juízes que não estiverem dentro, ou à espera de e entrar nisto, da questão da “massa”, que procedam da mesma maneira. Que os “metam” a todos lá dentro. O dinheiro não foi queimado, e também não foi para o fundo do mar… Não há fumo sem fogo… e as cadeias fizeram-se para alguma coisa não é??!!

  4. E cá ??? Passeiam-se impunemente sob a protecção da extrema-direita radical no poder… Ainda lhes dão dinheiro por causa da crise… Burlam as pessoas, são verdadeiros agiotas da sociedade, mas como estamos numa espécie de província da desunião europeia, a mesma dá-lhe a cobertura necessária para prosseguir na senda do empobrecimento do país e do roubo e corrupção generalizados protagonizados por um poder corrupto e decadente.
    Aliás, bastava haver uma investigação independente da comissão europeia para perceber os saques e ofertas no BCP, no BES, no BPP, no BPN / SLN, etc, etc.

  5. Se por cá os responsáveis pela crise tivessem também sido presos na devida altura não os teríamos hoje de volta arrogantes tentando fazer da derrota vitória encostando-se a outros tão sequiosos de poder como eles para alcançarem os seus fins, por outro lado também teria servido de aviso a certos banqueiros de que ultrapassar os limites poderia resultar mal e talvez alguns não tivessem caído na tentação de que por cá tudo vale para atingirem os fins desejados.

    • Ó malabarista, penso que trocaste tudo e julgas que estamos a falar da “Islamia”. Para teu conhecimento aqui vão os estados que fazem parte dos chamados Países Nórdicos: Dinamarca, Finlândia, ISLÂNDIA, Noruega, Suécia e Estónia. Chega-te ou queres que te faça um desenho a cores ??????????

  6. Não sei que dizer. Gostar do que se passa na Islândia com pena de não ser igual cá? Ou gostar do que se passa na Islândia porque não se passa o mesmo cá? É que pelos comentários escritos parece que há de uns e doutros.

  7. em Portugal também é assim ; os banqueiros vão todos para grandes casas que são autênticos hotéis e assim vai a vida dos bons gestores de BANCOS em Portugal ;;;; o portuga pequenino da mais 1euro por dia para esses amiguinhos banqueiros

  8. Cá em Portugal também estão presos, a lobis do psd e do ps. Mas , acordem , estamos em portugal, onde vale tudo para gamar o povo. Ou já estão esquecidos daquele elogio do Passos, 1ªMin , ao Dias Loureiro, um tipo que está metido no gamanço do BPN até ao pescoço, dizendo que era um exemplo de empreendedorismo. Com 1ºo responsável do governo idolatrando a vigarice, está tudo dito.

  9. Nós somos de brandos costumes e ainda acreditamos no pai natal. Infelizmente continuamos a assobiar para o lado, vejam a abstenção nas últimas eleiçoeis. O voto devia ser obrigatório-
    É a perversidade da justiça. Todos sabemos que o crime compensa, sobretudo dos banqueiros e politicos, e não podemos exterminá-los ?

  10. Vocês são mesmo incrédulos. Então cá não vai ser o mesmo? Até parece que já estou a ver o Salgado e o Costa, o do Banco os dois na prisa. Ahahahahahah. Tenham fé homens de pouca fé.

  11. Cá em Portugal, o PR, Cavaco Silva., até nomeou um ( Dias Loureiro) conselheiro de estado. Cá, que isto é uma republica de corruptos, pois numa república de direito estavam todos atrás das grades.

  12. Esta é a real diferença. Se a Islândia tivesse aderido à União Europeia, não poderia fazer isto. A União Europeia simplesmente defende os ladrões financeiros.

  13. Enquanto que por cá se andou a mandar areia para os olhos com o caso Sócrates com meras suspeitas de uns trocos que terá rapinado para a conta da mãe, desgraça-se um país nas mãos dos banqueiros.

  14. Uma das coisas que acho mais estranha, em Portugal, é que nem os próprios diretamente lesados atribuem responsabilidades aos banqueiros, antes insistem em responsabilizar políticos.

  15. Assim como o meteram que o retirem, se não o metessem lá, hoje estariam mais seguros, não sei de que se queixam, se foi o povo que lá o meteu, não vi alguém a ser obrigado.

RESPONDER

Adeus, Mr. Charles Bradley

Foi através das redes sociais de Charles Bradley que o mundo ficou a saber da morte do músico norte-americano, aos 68 anos. O dono da marcante voz do soul morreu, vítima de cancro no estômago. Há …

Relatório sobre Tancos é tão secreto que ninguém sabe quem o fez

O primeiro-ministro, António Costa, reiterou esta noite desconhecer o relatório noticiado pelo Expresso sobre o furto de armas em Tancos, sublinhando que o documento não pertence a "nenhum organismo oficial" do Estado. “Não sei a que …

Benfica vs P. Ferreira | Artilharia com excesso de pontaria

O Benfica regressou às vitórias, após três jogos sem vencer. A vítima foi o Paços de Ferreira, que perdeu por 2-0 no Estádio da Luz, perante uma “águia” a querer responder à “crise” com muito …

Moreirense vs Sporting | Machadada na série leonina

O Sporting perdeu os primeiros pontos no campeonato ao empatar, por 1-1, na deslocação ao terreno do Moreirense. Sem Acuña, a equipa “leonina” revelou grandes dificuldades durante toda a partida, acabando por marcar apenas num autogolo, …

México registou 4287 réplicas do sismo de dia 7

O Serviço Sismológico Nacional (SSN) do México registou 4.287 réplicas do terramoto de dia 07, que abanou o centro e sul do país, informou hoje a diretora do centro, Xyoli Pérez Campos. Em conferência de imprensa, …

Autocarro eléctrico fez 1772km com uma só carga

Para que a transição para os veículos eléctricos seja total é necessário demonstrar a sua viabilidade como alternativa para todo o tipo de veículos, e a Proterra acaba de demonstrar que a autonomia não é …

TAP cancela Londres/Porto por falta de tripulação

A TAP cancelou hoje um voo entre Londres e o Porto, por não ter tripulação suficiente, confirmou à Lusa fonte oficial da companhia aérea, após relatos de passageiros que não puderam voar. A empresa explicou que …

Vice-presidente angolano arrasa Portugal e deixa relações por um fio

A defesa de Manuel Vicente, vice-presidente cessante de Angola, atira-se ao Ministério Público português, acusando-o de mentir e de violar a Lei Internacional, no âmbito do processo em que o governante é acusado de corrupção. O …

Ministério Público abre inquérito ao “apagão” dos 10 mil milhões para offshores

O Ministério Público decidiu abrir um inquérito ao 'apagão' informático que entre 2011 e 2014 permitiu que quase 10.000 milhões de euros fossem transferidos para offshores sem passar pela Autoridade Tributária, embora os bancos tenham …

Exército cercou favela da Rocinha (e nem assim acaba a "guerra do Rio")

As Forças Armadas do Brasil cercaram a comunidade da Rocinha, uma grande favela do Rio de Janeiro onde vivem pelo menos 70 mil pessoas. A decisão foi tomada pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, com …