/

Na semana da sua grande conquista política, Boris arrisca guerra diplomática com Trump

6

Donald Trump insistiu nos riscos do acesso da gigante chinesa à rede 5G no Reino Unido, mas Londres deve anunciar parceria na terça-feira.

A semana em que o Reino Unido vai oficializar a sua saída da União Europeia (agendada para dia 31 de janeiro) pode ser assombrada por um conflito diplomático com os Estados Unidos. De acordo com o Público, está em causa o anúncio de uma acordo entre o Governo britânico e a Huawei, para permitir o acesso do gigante tecnológico à rede 5G do país.

Os Estados Unidos são o grande aliado comercial do Reino Unido no pós-divórcio com Bruxelas, mas têm feito vários avisos. Donald Trump telefonou pessoalmente a Boris Johnson, na passada sexta-feira, para lhe dar conta dos riscos do anúncio, recordando as relações próximas entre a Huawei e o Governo chinês – nomeadamente os serviços de informação do Estado chinês, que, dessa forma, pode permitir o acesso privilegiado de Pequim a uma rede de infraestruturas importantes no Reino Unido.

O Sunday Times avança ainda que o Presidente dos EUA insistiu que os dois países devem trabalhar em conjunto para chegar a uma alternativa à gigante chinesa, tendo comunicado a Boris que se este não desistir, estará a lançar bases para uma guerra diplomática.

“Dar luz verde ao acordo [com a Huawei] será uma grave ameaça para a segurança nacional”, avisou Donald Trump.

Por sua vez, em Downing Street argumenta-se que os chineses serão “excluídos de locais sensíveis”, como o Parlamento de Westminster ou as bases navais de Portsmouth, Faslane ou Devonport.

O eventual braço de ferro entre o Reino Unido e os Estados Unidos pode prejudicar tanto a posição de princípio de Washington nas negociações com Londres sobre um novo acordo de livre comércio, como a cooperação entre os serviços secretos dos dois países.

Segundo o diário, a Administração Trump chegou a ameaçar com a exclusão do Reino Unido do “Five Eyes” – o mecanismo de cooperação e de troca de informações entre EUA, Reino Unido, Austrália, Canadá e Nova Zelândia –, mas um funcionário do Governo britânico disse ao Sunday Times que os serviços secretos norte-americanos lhes garantiram que essa hipótese não está em cima da mesa.

Em relação às negociações entre Washington e Londres, o clima pode mesmo azedar. “O apetite para um acordo comercial EUA-Reino Unido pode diminuir se o Reino Unido tomar a decisão errada sobre a Huwaei”, alertou um alto funcionário da Casa Branca, em declarações ao Wall Street Journal.

  ZAP //

6 Comments

  1. Considerando que a NSA pode ver e ouvir tudo e todos no mundo, os EUA sabem muito bem o potencial da Huawei. Na Europa, a Huawei comprou a sua concorrente directa da EU, na Belgica para além de mais alguns spin-off’s da Universidade da Lovaina e a partir daí estamos f*didos na mesma. Para além disso, o que é que os EUA tem neste momento pra oferecer em alternativa?

    • Ai Paulo que tu quando estás caladro roças a genialidade. O pior é quando te lembras de exteriorizar o que a tua mente te permite.

      • O Sr. Paulo disse uma grande verdade. Os Americanos têm de facto a mania de controlar tudo e todos, se não sabe disso deveria estar mais bem informado até porque isto é assumido por eles próprios.

  2. Todos pelos direitos humanos, até que lhes cheguem à carteira.
    É igual ao tuga. A Isabel dos Santos também era venerada aqui pelos subditos do ocidente, até que lá fora a começaram a processar e de repente aqui os papagaios começaram a falar para não parecer mal e não por causa da exploração dos pobres angolanos.

    Agora preferirem ser governados pela china em vez dos eua é que não percebo, mas as pessoas também com a capacidade intelectual que têm neste país já nada me admira.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.